PUBLICIDADE

Motociclismo

Moreira elege melhores GPs de 2022 e admite surpresa com boa estreia: "Não esperava"

Em entrevista ao GRANDE PRÊMIO, brasileiro da MSi escolheu os GPs das Américas e da Itália como as melhores corridas que fez na temporada de estreia na Moto3. Ainda, o #10 admitiu que ficou surpreso com o bom desempenho no primeiro ano no Mundial de Motovelocidade

9 jan 2023 - 05h16
Compartilhar
Exibir comentários
Diogo Moreira lidera a disputa de ‘Novato do Ano’ com sete pontos de frente para Dani Holgado
Diogo Moreira lidera a disputa de ‘Novato do Ano’ com sete pontos de frente para Dani Holgado
Foto: MSi / Grande Prêmio

Diogo Moreira reconheceu que "não esperava" ir tão bem na primeira temporada na Moto3. O brasileiro de 18 anos fechou o campeonato de 2022 na oitava colocação do Mundial de Pilotos e garantiu o título de 'Novato do Ano'.

Correndo pela também estreante MSi, Diogo largou três vezes na primeira fila do grid da classe menor e conseguiu uma pole-position — no GP da Grã-Bretanha. Além disso, ao longo das 19 etapas que disputou no ano, conseguiu seis top-6 e tem como melhor resultado um quinto lugar no GP da Malásia.

Diogo Moreira fechou 2022 como o melhor estreante da Moto3
Diogo Moreira fechou 2022 como o melhor estreante da Moto3
Foto: MSI / Grande Prêmio

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

Em entrevista exclusiva ao GRANDE PRÊMIO durante a participação na etapa de Goiânia da R3 Cup, em novembro passado, Moreira fez um balanço da temporada e assumiu que não esperava esse tipo de performance na primeira temporada no Mundial.

"Não. Já falei isso muitas vezes, eu não esperava", disse Diogo. "Até então, eu tinha na cabeça estar entre o top-10 em cada corrida e tentar brigar pelo rookie do ano. Acho que em cada corrida eu estava brigando ali na frente, brigando pelo pódio, e acho que isso ajudou muito também", avaliou.

Em meados da temporada, Diogo chegou a apontar o GP das Américas como a melhor prova do ano. E o fim do campeonato não mudou essa avaliação. Afinal, em Austin o brasileiro liderou a disputa e vinha brigando pelo pódio até uma queda na última volta.

Agora, porém, Moreira acrescenta também o GP da Itália, uma prova em que chegou a liderar e até abrir vantagem na ponta, mas caiu na volta final e ainda fraturou o punho esquerdo.

Questionado pelo GP se seguia vendo Austin como a melhor corrida da temporada, Diogo respondeu: "Acho que sim, Austin e Itália, Mugello. Acho que foram as duas melhores corridas do ano".

"Uma pena que eu caí nas duas, mas eu acho que, desde a sexta-feira, foi um fim de semana muito bom", indicou.

O #10 tampouco titubeou na hora de apontar a corrida mais difícil do ano: o GP da Alemanha. O circuito anti-horário de Sachsenring dificultou ainda mais para quem estava machucado e, assim, Diogo largou apenas em 19º e recebeu a bandeirada em 16º.

"Depois que eu quebrei a mão, acho que foi a Alemanha, que foi a pior para mim. Eu não me sentia bem com a moto e nem com nada", contou. "Mas depois da pausa de verão já melhorou tudo", comentou.

O que também chamou a atenção em 2022 foi a facilidade de Diogo em se adaptar com traçados onde ele nunca tinha estado. Austin, por exemplo, era uma pista inédita para ele. A Malásia, de onde veio o melhor resultado no ano, era outra pista desconhecida.

Perguntado pelo GRANDE PRÊMIO sobre como fez para se adaptar tão rápido a estes novos endereços, Moreira respondeu: "Acho que sai natural, não sei por quê. Eu chego numa pista nova e me dou muito bem, me acostumo muito rápido. E acho que isso é bom para mim também. Acho que é isso, sai natural de mim".

Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.
Grande Prêmio
Compartilhar
Publicidade
Publicidade