PUBLICIDADE

Guevara dá bote na última curva e vence agitado GP da Espanha de Moto3. Moreira é 10º

Izán Guevara deu o bote certeiro na última curva do GP da Espanha, garantiu a vitória na sexta etapa da temporada da Moto3 e comandou o 1-2 da Aspar

1 mai 2022 06h49
| atualizado às 07h19
ver comentários
Publicidade
Izan Guevara venceu em Jerez
Izan Guevara venceu em Jerez
Foto: Aspar / Grande Prêmio

CAMPEÃO X VETERANO: QUEM DEVE ORIENTAR EVOLUÇÃO DA YAMAHA NA MOTOGP?

A Moto3 ainda tem gostinho de imprevisibilidade e, em Jerez de la Frontera, não foi diferente. Só que Izán Guevara, que foi pole, garantiu a vitória na última curva do circuito espanhol. Ele foi escalando o pelotão, bateu o companheiro Sergio García e, no último minuto, foi o primeiro a ver a bandeirada.

García termina de onde largou e marca a dobradinha da Aspar no GP da Espanha deste domingo (1). Jaume Masià chegou a flertar com a vitória, mas ficou apenas em terceiro lugar com a Ajo. Já Deniz Öncü que chegou a beliscar a vitória, caiu posições no final e terminou em quarto.

Izán Guevara chegou à ponta da Moto3 na última curva de Jerez (Foto: Aspar)

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

Xavie Artigas é quem fecha as cinco primeiras posições. Ayumu Sasaki, Kaito Toba, Ryusei Yamanaka e Daniel Holgado aparecem atrás. Diogo Moreira ficou em décimo lugar. O brasileiro, que partiu de onde terminou a prova, teve boa largada, chegou a flertar com o pódio, mas excedeu limites de pista e foi punido com volta longa.

A Moto3 volta às pistas no próximo dia 15 de maio para o GP da França, em Le Mans, sétima etapa da temporada 2022. O GRANDE PRÊMIO acompanha todas as atividades do Mundial de Motovelocidade 2022.

Saiba como foi o GP da Espanha de Moto3:

Assim como aconteceu em todo o fim de semana, o domingo amanheceu com sol e calor na Andalucía. Antes da largada da Moto3 em Jerez, os termômetros mediam 23°C, com o asfalto chegando a 31°. A umidade era de 43%, com o vento soprando a 6 km/h.

Para esta sexta etapa do ano, a maioria dos pilotos escolheu os pneus dianteiros M3, mas Daniel Holgado e Carlos Tatay colocaram o H3. Na traseira, a maioria calçou o 2, com exceção de Jaume Masià, Dennis Öncü, Andrea Migno, Matteo Bertelle, Holgado, Tatay e Gerard Riu Male, que foram de H4.

O grid da Moto3 foi atingido por uma série de punições aplicadas pelos comissários da FIM (Federação Internacional de Motociclismo). Ayumu Sasaki, Carlos Tatay e Gerard Riu Male tiveram de cumprir uma volta longa e largar do fundo do grid por terem rodado indevidamente lentos na pista e atrapalhado os colegas no TL3 ou no Q2.

Riccardo Rossi, por outro lado, foi sancionado por ter causado um acidente no warm-up desta manhã e, por isso, também terá de pagar uma volta longa.

Na hora da largada da Moto3, Sergio García tomou a ponta de Izán Guevara logo no começo, com Jaume Masià e Dennis Foggia se instalando logo atrás no famoso traçado de Jerez de la Frontera. Diogo Moreira também saiu muito bem e logo tomou o segundo posto.

Na curva 8, Diogo já atacou Foggia tomou a quarta colocação, colando em Masià, que permanecia em terceiro. Em meados da volta 2, Izán conseguiu passar o companheiro de Aspar e retomar a liderança.

Quem não teve a mesma sorte foi Foggia. Depois de ser superado por Moreira, Foggia ainda deu uma escapada da pista e depois caiu para oitavo, atrás também de Rossi e Deniz Öncü.

Com o passar das cinco primeiras voltas, o primeiro pelotão já tinha se destacado e era formado por Guevara, García, Masià e Moreira. Jaume, aliás, tomou o segundo posto, mas apenas brevemente, já que Sergio conseguiu recuperar a posição. Diogo, porém, precisava ficar atento, já que tinha recebido um alerta da direção de prova para respeitar os limites da pista.

Masià respondeu pouco depois e não só tomou a posição de García, como foi ainda mais longe para tirar Izán da liderança. Sergio defendeu a honra da Aspar e se lançou para a ponta, mas o piloto da Ajo conseguiu o troco e ficou com a liderança. Diogo se manteve em quarto.

A batalha na ponta, contudo, ia permitindo a aproximação de Öncü e Artigas, que estavam cada vez mais próximos do primeiro pelotão. O brasileiro seria o primeiro a se defender dos ataques.

Deniz, aliás, chegou e nem esperou antes de partir para o ataque, tomando a quarta colocação de Diogo. Artigas passou o brasileiro pouco depois, derrubando Diogo para sexto.

Pouco antes, Tatsuki Suzuki tinha abandonando a corrida em Jerez de la Frontera depois de uma queda sem maiores consequências físicas.

Artigas, contudo, não se contentou por aí e seguiu avançando. Na abertura da volta 11, o piloto da Prüstel tomou a liderança da corrida, mas ficou apenas brevemente por lá, antes de ser superado por Guevara, Öncü. García e Masià.

Nas 12ª das 22 voltas previstas, o primeiro pelotão já tinha aumentado mais um pouco e agora era composto por nove pilotos, com Ayumu Sasaki, Daniel Holgado e Riccardo Rossi chegando para formar o grupo de nove pilotos.

Sasaki e Holgado conseguiram passar Moreira, que desceu para a oitava posição, 0s2 diante de Rossi. Na ponta, Guevara liderava, seguido de perto por Öncü e Masià.

Com nove voltas para o fim, a direção de prova puniu o brasileiro da MSI com uma volta longa por causa das seguidas infrações aos limites da pista. Moreira já tinha sido alertado no início da disputa de que não estava respeitando os limites.

Na ponta, as coisas seguiam agitadas. Masià estava de volta à liderança, mas bastante pressionado por Guevara, que tentou tomar a ponta, mas encontrou a porta fechada. Öncü vinha em terceiro, seguido por Garcia, Sasaki, Artigas e Holgado. Ao cumprir a punição, Moreira caiu para décimo, atrás também de Kaito Toba e Ryusei Yamanaka.

Com sete voltas para o fim, Öncü lançou uma bela manobra na saída da curva 5 para tomar a liderança das mãos de Masià. No giro seguinte, porém, o turco errou e escapou da pista na curva 1, facilitando a passagem de Masià e García.

O piloto da Tech3 não tardou em reagir para recuperar a posição de Sergio, que também foi atacado por Artigas e desceu para a quarta colocação. O espanhol da Aspar, porém, devolveu na mesma moeda e voltou ao pódio.

Deniz abriu a volta final com apenas centésimos de vantagem e, na curva 6, foi superado por Masià. Na curva 8, o troco veio. García entrou no bolo, junto com Guevara na última curva, que conseguiu se colocar por fora para entrar na frente na reta final e vencer a primeira da carreira por só 0s061 de margem para García.

Moto3 2022, GP da Espanha, Jerez de la Frontera, Corrida:

1 I GUEVARA Aspar GasGas 39min19s873 22 voltas
2 S GARCÍA Aspar GasGas +0.061  
3 J MASIÀ Red Bull KTM Ajo +0.208  
4 D ÖNCÜ Tech3 KTM +0.319  
5 X ARTIGAS Prüstel GP CFMoto +0.417  
6 A SASAKI Sterilgarda Max Husqvarna +0.847  
7 K TOBA CIP KTM +3.787  
8 R YAMANAKA MSI KTM +3.982  
9 D HOLGADO Red Bull KTM Ajo +5.811  
10 D MOREIRA MSI KTM +6.088  
11 M BERTELLE Avintia KTM +11.069  
12 S OGDEN VisionTrack Honda +11.142  
13 I ORTOLÁ Angelus MTA KTM +15.546  
14 A MIGNO Snipers Honda +15.662  
15 S NEPA Angelus MTA KTM +15.687  
16 E BARTOLINI Avintia KTM +15.728  
17 M AJI Team Asia Honda +16.582  
18 D FOGGIA Leopard Honda +17.529  
19 D SALVADOR  Sterilgarda Max Husqvarna +23.338  
20 G RIU Boe SKX KTM +25.408  
21 T FURUSATO Team Asia Honda +25.569  
22 S AZMAN  Snipers Honda +44.166  
23 A CARRASCO Boe SKX KTM +44.337  
24 R ROSSI Sic58 Honda Abandonou  
25 T SUZUKI Leopard Honda Abandonou  
26 A FERNÁNDEZ Tech3 KTM Abandonou  
27 C TATAY Prüstel GP CFMoto Abandonou  
28 J KELSO CIP KTM Abandonou  

EUROPA X JAPÃO NA MOTOGP: CHEGOU A HORA DA REAÇÃO DAS GIGANTES YAMAHA, HONDA E SUZUKI?

Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.
Grande Prêmio
Publicidade
Publicidade