PUBLICIDADE

Juiz determina prisão do ex-goleiro Bruno por dívida de pensão

Ex-goleiro terá que pagar R$ 60 mil, referentes a dois salários mínimos por mês, desde janeiro de 2020

27 mai 2022 20h16
| atualizado às 20h21
ver comentários
Publicidade
Juiz do TJMS determinou a prisão do ex-goleiro Bruno por dívida de pensão (Foto: Reprodução/ Rio Branco-AC)
Juiz do TJMS determinou a prisão do ex-goleiro Bruno por dívida de pensão (Foto: Reprodução/ Rio Branco-AC)
Foto: Lance!

O juiz Alexandre Tsuyoshi Ito, do Tribunal de Justiça do Mato Grosso do Sul (TJMS), decretou a prisão do ex-goleiro Bruno Fernandes por dívida de pensão ao filho de Eliza Samúdio. Além da detenção, ele terá que pagar cerca de R$ 60 mil, referentes a dois salários mínimos por mês, desde janeiro de 2020.

Atualmente, Bruno cumpre prisão em regime aberto pelo assassinato de Eliza Samúdio, que ocorreu em 2008. O ex-goleiro mora em Cabo Frio, na Região dos Lagos do Rio de Janeiro, e nos últimos tempos tem apostado em empreendimentos. Recentemente, ele inaugurou uma loja de açaí na região.

Com o decreto do juiz Alexandre Tsuyoshi Ito, do TJMS, o ex-goleiro pode ser preso a qualquer momento. Além deste processo, Bruno também responde por uma dívida de R$ 3 milhões em pensão para Bruninho, desde o seu nascimento. O caso ainda corre na Justiça. O filho do atleta com Eliza Samúdio foi criado pela avó Sônia Moura.

Confira o decreto na íntegra:

"Decreto a prisão de Bruno Fernandes das Dores de Souza até que efetue a quitação de todas as parcelas pendentes ou pelo prazo máximo de 03 (três) meses. Ao cartório para a expedição de prisão (com valor devido atualizado até esta data nos termos dos art 528, parágrafo 3 do CPC). Comunique-se a Polinter e, concomitantemente ao analista judiciário de área afim com atribuição de serviço externo (oficial de justiça). Conste que o cumprimento de prisão não exime o devedor do pagamento das pensões devidas; somente o pagamento das prestações devidas, incluídas as que venceram ao longo do processo, até a data do efetivo pagamento, suspende a ordem de prisão."

 

Lance!
Publicidade
Publicidade