PUBLICIDADE

Conheça Trayvon Bromell, o homem mais rápido do mundo em 2021

Aos 25 anos, norte-americano volta melhor após lesão e se torna candidato a medalha na Olimpíada de Tóquio

3 mai 2021
0comentários
Publicidade

O americano Trayvon Bromell estabeleceu o melhor tempo do ano nos 100 metros rasos com 9,88 segundos ao vencer na sexta-feira um encontro de Atletismo na Flórida. A vitória confirmou seu retorno impressionante às pistas depois de anos complicados por causa de uma lesão grave no tendão de Aquiles.

Bromell, 25 anos, cruzou a linha à frente do canadense medalhista de bronze olímpico Andre DeGrasse, que marcou 10,05 segundos. Divine Oduduru foi o terceiro, enquanto o francês Jimmy Vicaut terminou em quarto com um tempo de 10,17 segundos.

Uma semana antes, Bromell já tinha ganho a prova dos 100 metros no Oregon Relay, em Eugene, após derrotar o campeão mundial de 200 metros Noah Lyles com o tempo de 10,01 segundos.

O grande momento de Bromell o coloca com um potencial medalhista de ouro nos 100 metros rasos na Olimpíada de Tóquio. Com a aposentadoria do jamaicano Usain Bolt, que dominou a prova por mais de uma década, e a ausência do campeão mundial Christian Coleman (suspenso por violar as regras de controle antidoping), a disputa pelo posto de homem mais rápido do mundo está bastante indefinida.

O retorno de Bromell à excelente forma ocorre depois de anos em que sua carreira foi prejudicada por questões físicas. Bromell estourou no cenário internacional do atletismo em 2015, quando estabeleceu um recorde pessoal de 9,84 segundos nos 100 metros antes de completar 20 anos - foi o tempo mais rápido já alcançado por um adolescente para a distância. No Mundial daquele ano em Pequim, ele foi medalha de bronze.

O americano ainda conquistou o ouro nos 60 metros rasos no Campeonato Mundial Indoor de Portland em 2016, mas foi muito mal na Olimpíada do Rio daquele ano, terminando apenas em oitavo na final vencida por Bolt. Depois, ele sofreu uma ruptura no tendão de Aquiles na final do revezamento 4x100m. Na prova, a equipe dos EUA terminou na terceira colocação, mas foi desclassificada por realizar a troca de bastões fora da área permitida.

Tinha início ali o pesadelo de lesões que o levaram a ficar fora de competição por dois anos. Sua única corrida na temporada de 2017, por exemplo, foi em junho, no Campeonato Nacional dos EUA, quando correu os 100 metros em 10,22 segundos e nem avançou para as semifinais.

Bromell, então, abriu mão dos treinos e campeonatos para cuidar do seu tendão de Aquiles. Agora, o velocista dá mostras de que, enfim, recuperou a boa forma.

Estadão
Publicidade
Publicidade