PUBLICIDADE

Maioria das federações vê Caboclo como vítima de armadilha

Presidente afastado é acusado de assédio sexual e moral contra funcionária da CBF

14 jul 2021 09h20
ver comentários
Publicidade

Há uma corrente crescente, entre as federações estaduais de futebol, que considera Rogério Caboclo vítima de uma campanha orquestrada, passo a passo, por Marco Polo Del Nero para deixar em definitivo o comando da Confederação Brasileira de Futebol. Esse grupo já seria maioria entre os dirigentes das 27 federações que têm o poder, em assembleia, de destituir ou não o presidente da CBF.

Rogerio Caboclo foi afastado do cargo de presidente da CBF
Rogerio Caboclo foi afastado do cargo de presidente da CBF
Foto: Wallace Teixeira / Futura Press

Caboclo é acusado de assédio sexual e moral por uma funcionária da entidade. Isso desencadeou seu afastamento temporário da presidência da CBF, num movimento acelerado e atípico que contou com o apoio de todos os diretores da confederação. Sua defesa se baseia em pareceres jurídicos para negar que ele tenha cometido o delito. O caso está sob os cuidados da Comissão de Ética da CBF e também chegou ao Ministério Público-RJ.

Por trás de argumentos e movimentos internos que tentam impedir os caminhos de volta de Caboclo há um cenário sombrio de luta pelo poder. Quem lidera as estratégias anti-Caboclo é Marco Polo Del Nero, ex-presidente da CBF, banido do futebol pela Fifa em 2018, acusado de atos de corrupção, e que ainda assim mantém-se forte na entidade nacional.

Quase toda diretoria da CBF, hoje, é a mesma que trabalhava para Del Nero três anos atrás. O próprio Caboclo foi alçado por ele ao posto mais alto da casa. A ruptura na relação dos dois se deu por desacordos relacionados a questões comerciais da entidade e atingiu seu ápice quando Del Nero “abraçou” a causa da funcionária que fez a denúncia do assédio.

Muito mais do que manifestar um gesto de solidariedade, segundo avaliam vários presidentes de federações, o banido pela Fifa estaria disposto a ampliar seu domínio político na CBF, cujo presidente interino, o coronel Antônio Nunes, já é um seguidor fiel de suas determinações.

Há entre esses dirigentes de entidades estaduais a percepção de que a funcionária teria sido instruída a instigar situações que comprometeriam Caboclo, sem, no entanto, desconsiderar que o presidente afastado agira de forma deselegante e imprudente em conversas com ela. 

Papo de Arena Todo o conteúdo (textos, ilustrações, áudios, fotos, gráficos, arquivos etc.) deste blog é de responsabilidade do blogueiro que o assina. A responsabilidade por todos os conteúdos aqui publicados, bem como pela obtenção de todas as autorizações e licenças necessárias, é exclusiva do blogueiro. 
Publicidade
Publicidade