PUBLICIDADE

França garante Deschamps até a Copa de 2022 em três minutos

Em rápido encontro, Le Graët, presidente da entidade, confirmou o treinador à frente da seleção francesa

8 jul 2021 15h01
| atualizado às 15h38
ver comentários
Publicidade

A inesperada eliminação da seleção francesa nas oitavas de final da Eurocopa não foi suficiente para derrubar o técnico Didier Deschamps do cargo de treinador. O presidente da entidade que comanda o futebol local, Noël Le Graët, anunciou a permanência do atual técnico até a Copa do Mundo de 2022. Em entrevista ao jornal Le Figaro, o dirigente disse que o acerto foi rápido. "A vontade dele era muito forte para continuar. A minha era também. Não houve debate."

Deschamps vai seguir no comando da seleção francesa Federico Pestellini Panoramic Reuters
Deschamps vai seguir no comando da seleção francesa Federico Pestellini Panoramic Reuters
Foto: Federico Pestellini Panoramic / Reuters

Le Graët enalteceu o trabalho de Deschamps e também a trajetória do treinador. "Tenho infinita confiança neste homem. Não há debate. Ele é um vencedor com um histórico único. É um treinador leal à federação e estimado pelos seus jogadores, não há quebra nem fim de ciclo", completou.

A decisão de dar continuidade ao trabalho do comandante mostra que a inesperada queda da França para a Suíça, em confronto eliminatório pelo torneio europeu de seleções, não teve consequências mais graves.

"A questão para mim era se ele queria continuar ou não no comando da seleção", detalhou o mandatário da Federação Francesa de Futebol (FFF).

Após se classificar como líder da sua chave, chamada de grupo da morte por agregar também as seleções da Alemanha, de Portugal e da Hungria, a França acabou caindo nas oitavas de final para a Suíça. Após empate no tempo normal em 3 a 3, a eliminação veio na disputa por pênaltis. Com uma vitória e três empates, os franceses deixaram o torneio de forma invicta.

Com a manutenção de Deschamps, o dirigente anunciou que novos nomes estão chegando para fortalecer a comissão técnica. Guy Stéphan será auxiliar técnico, Franck Le Gall integra a equipe médica, Cyril Moine chega na função de preparador físico e Frack Raviot terá a missão de treinar os goleiros da seleção.

Sobre uma possível vinda de Zinedine Zidane, Le Graët tratou o assunto de forma diplomática. "Tenho muita estima por ele. Falamos por telefone, mas não ultimamente. Isso não impede que possamos nos encontrar e almoçar juntos. Ele pode um dia ser treinador", afirmou.

Estadão
Publicidade
Publicidade