PUBLICIDADE

Ibrahimovic aconselha Mbappé a sair do PSG e manda recado a Lukaku: 'Ainda vou me acertar com ele'

Em contrapartida, sueco diz ter orientado presidente do time parisiense a não se desfazer do atleta; polêmica com atacante belga ganha novo capítulo

1 dez 2021 15h43
| atualizado às 15h43
ver comentários
Publicidade

Ibrahimovic fez história no Paris Saint-Germain e carrega muito respeito pelos torcedores do clube até hoje. Mas, mais uma vez, o atacante do Milan polemizou, agora ao revelar que aconselhou Mbappé, um dos astros da atual equipe francesa, a se transferir para a Espanha.

Depois de recusar proposta do Real Madrid e assegurar a permanência do atacante no meio do ano, o PSG sabe que não conseguirá mais segurar as investidas no clube merengue. A partir do início do ano, Mbappé já poderá assinar um pré-contrato com um novo clube e Ibrahimovic o quer no clube merengue.

"Eu aconselhei Mbappé a sair do PSG, ele precisa de um ambiente como o do Real Madrid", disse Ibrahimovic em longa entrevista ao Corriere della Sera. "Mas também aconselhei Nasser Al Khelaifi (presidente do PSG) a não vendê-lo."

Como sempre, Ibrahimovic não fugiu das respostas e optou por Messi como o melhor do mundo em comparação com Cristiano Ronaldo. Porém, não achou correta a premiação da Bola de Ouro na segunda-feira para o argentino. "Ronaldo e Messi são ótimos. Prefiro Messi porque jogamos juntos, mas Lewandowski mereceu a Bola de Ouro este ano."

O goleador sueco disse que não acredita em Deus, "apenas em mim mesmo", nem em vida após a morte, e revelou não ser supersticioso. "A vida é essa. Quando você está morto, você está morto. Nem sei se quero um funeral ou uma tumba, um lugar para fazer sofrer quem me amou", falou. "E não gosto quando dizem boa sorte. Eu não preciso, decido como deve ser."

Ibrahimovic ainda revelou que a briga com o belga Lukaku no começo do ano, durante o clássico de Milão, ainda não chegou ao fim e espera um reencontro para acerto de contas com o desafeto. "No jogo da Copa da Itália, ele brigou primeiro com Romagnolo, depois com o Saelemaekers e eu apenas fui defender meus companheiros. E ele me atacou em um nível pessoal. Lukaku tem um ego enorme, está convencido que é um campeão e é muito forte. Mas eu cresci no gueto e quando alguém quer me rebaixar, o coloco no devido lugar", ponderou. "Ainda vou acertar as coisas com ele, sem ódio, dentro do campo."

Estadão
Publicidade
Publicidade