0

Times do interior de SP apostam em 'retiro', futevôlei e criatividade no preparo para o retorno

Confinadas em hotéis e concentrações, elencos contam até com novo chef de cozinha antes de retomar calendário e fazem pedido de 'churrasco' para alegrar

10 jul 2020
05h11
atualizado às 11h17
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Os times do interior participantes do Campeonato Paulista têm procurado ser criativos para cuidar da preparação dos jogadores enquanto aguardam o reinício do Estadual, marcado para 22 de julho. Longe de terem os mesmos recursos financeiros dos quatro grandes do Estado, as diretorias contrataram chef de cozinha, montaram quadra de futevôlei e até buscaram refúgios para os elencos se afastarem das regiões mais contaminadas pelo novo coronavírus. Também tentam alegrar o grupo nesse momento.

Um dos clubes com resposta mais criativa à pandemia é o Mirassol. O centro de treinamento recém-construído ganhou durante a pandemia, além das instalações, um novo funcionário. A diretoria contratou um chef de cozinha para permanecer confinado junto com os atletas em quarentena. O regime de concentração é obrigatório e serve para diminuir o risco de contaminação.

Mirassol construiu nova quadra de futevôlei para os atletas durante a quarentena
Mirassol construiu nova quadra de futevôlei para os atletas durante a quarentena
Foto: Divulgação/Mirassol / Estadão

Uma da missões do "reforço" do Mirassol é preparar churrascos para ajudar os jogadores a se distrair. "A pandemia afetou a finança de todos os clubes. A contratação do nosso cozinheiro se deu pela necessidade. Nós estamos com todos os atletas em um regime de concentração integral e, portanto, nossa obrigação é fornecer uma alimentação de qualidade para eles. É um chef bastante experiente", disse ao Estadão o presidente do clube, Edson Hermenegildo.

Os jogadores gostaram demais da novidade. "É um cara muito bom na cozinha. Até surgiu um problema: é difícil de controlar nossa alimentação. É uma comida muito gostosa. O chef está de parabéns pelo empenho que tem feito nessas refeições maravilhosas", afirmou o zagueiro Reniê, um dos mais experientes do elenco. Fora a comida boa e farta, os jogadores têm uma nova atração para se entreter durante as semanas de confinamento.

A nova quadra de futevôlei oferece mistura de treinos de fundamentos técnicos com atividade lúdica. Serve para quebrar o clima de tensão e os longos dias sem poder ver os familiares. "Temos aproveitado bastante a quadra. Tem sido um momento de lazer, para a gente se descontrair. É unânime. Todos estamos contentes com esse momento que o clube está nos proporcionando. Tem ocorrido até rivalidades entre os jogadores, porque ninguém quer perder. Além disso, a quadra também é usada na preparação física", comentou Reniê.

Santo André escolheu a cidade de Vargem como sede da nova concentração 
Santo André escolheu a cidade de Vargem como sede da nova concentração
Foto: Divulgação/Santo André / Estadão

Alguns clubes optaram por escolher uma base em outra cidade durante este período que antecede o reinício do Estadual. Nessa espécie de retiro, todos os jogadores e membros da comissão técnica passaram por testes para detecção do novo coronavírus. O Água Santa, por exemplo, escolheu ficar em Itu, por já ter procurado o mesmo local em ocasiões anteriores da temporada.

No caso do Santo André, o destino foi Vargem. O clube escolheu outra cidade porque não tinha como contar com a estrutura do estádio Bruno José Daniel, cedido para a prefeitura para receber um hospital de campanha. "Escolhemos Vargem, que é relativamente próxima da nossa cidade (88km) por fornecer todas as condições necessárias de uma equipe de alto rendimento, que visa o título de uma competição importante. Ao mesmo tempo, é um lugar tranquilo e bonito. Financeiramente, dentro das opções que pensamos, foi a que se enquadrou ao orçamento do clube", explicou o diretor-executivo do time, Edgard Montemor.

O elenco da equipe está bem modificado após vários jogadores terem saído para outras equipes durante a paralisação. Por isso, o confinamento tem ajudado os atletas a se conhecerem melhor. "Sabíamos que o protocolo exigiria que ficássemos em um CT ou em um hotel fazenda, que é o nosso caso. Estamos isolados do contato externo. É uma coisa que se faz necessária, no momento, para que possamos treinar e se alimentar, sem que o elenco seja exposto ao risco de se contaminar", comentou o meia Nando Carandina.

Como revelado pelo Estadão no último mês, a preparação dos times para o retorno do Paulista foi marcada por polêmicas. Alguns times foram acusados pelos adversários de terem descumprido o aviso de quarentena, ao treinarem escondidos em chácaras, estádios e campos públicos pelas cidades.

Veja também:

Vai ter Dérbi! Editor do L! projeta final do Paulistão
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade