PUBLICIDADE

Garotada revive bullying de craque de 'Avenida Brasil'

7 nov 2012 07h36
| atualizado às 11h25
Publicidade

A disputa por uma vaga na fase final da Copa Coca-Cola, neste final de semana, em São Paulo teve requintes de crueldade. O grande número de partidas decididas nos pênaltis trouxe tensão, mas também uma dose de bom humor.

Goleira Leslie, do Coritiba, defendeu cobrança contra o Lusitânia e garantiu a vaga de sua equipe no Rio de Janeiro
Goleira Leslie, do Coritiba, defendeu cobrança contra o Lusitânia e garantiu a vaga de sua equipe no Rio de Janeiro
Foto: Léo Barrilari / PrimaPagina



Para vencer, muitas vezes os goleiros buscam tirar a concentração dos atacantes na hora das cobranças. Goleiro do Benfica, que se classificou no último jogo deste domingo pela Copa Coca-Cola, Bruno Meirelles diz ter se inspirado na novela Avenida Brasil para tirar o batedor do sério e levar a vaga na decisão.



"Nos pênaltis o goleiro sempre tenta tirar o batedor do sério, isso é normal. Chamei ele de 'Chupetinha'. Vi que o pessoal que estava torcendo na arquibancada também estava brincando com isso", disse Bruno.



Para quem não assistiu à novela, Chupetinha era o apelido do personagem vivido pelo ator Juliano Cazarré na novela global. Na trama, Adauto é um ex-jogador que abandonou os gramados após perder um pênalti vital para as pretensões do Divino, clube fictício que buscava o acesso à primeira divisão do futebol carioca.



Somente no último capítulo da novela veio à tona o motivo de Adauto para abandonar os gramados após a cobrança perdida. O jogador foi vítima de 'bullying'. Instantes antes de bater a penalidade foi chamado justamente de 'Chupetinha' por um adversário. A provocação irritou Adauto, que temia o apelido justamente por não ter largado o vício de chupar chupeta mesmo na fase adulta.



"Acompanhei a novela e sabia que iriam me provocar, mas na hora a gente tenta não olhar para nada e só pensar em como vai vencer o goleiro. No sábado fui a última a bater o pênalti nas disputas e sofri ainda mais com essa provocação, mas depois achei até engraçado", comenta Beatriz Garrido, meia do Lusitânia, que viu sua equipe avançar nos pênaltis no sábado, mas foi eliminada no dia seguinte, novamente após uma disputa de penalidades.



Os pênaltis marcaram o final de semana na Copa Coca-Cola. Ao todo 14 jogos foram desempatados na marca da cal. Entre as meninas, todos os quatro jogos das quartas-de-final terminaram empatados.



Quer saber mais sobre a Copa Coca-Cola?

Então, clique aqui

e confira

Fonte: PrimaPagina
Publicidade