4 eventos ao vivo

Relembre as polêmicas de arbitragem da Copa América

Competição disputada no Brasil ficou marcada pelas críticas à atuação dos árbitros e assistentes de vídeo

9 jul 2019
16h10
atualizado às 17h01
  • separator
  • 0
  • comentários

Finalizada no último domingo com o título do Brasil, a Copa América de 2019 ficará marcada pelas diversas polêmicas dentro e fora de campo. Com o árbitro de vídeo utilizado pela primeira vez em competições organizadas pela Conmebol, a arbitragem não ficou de lado, foi centro de diversas discussões e inclusive sofreu com acusações do craque argentino Lionel Messi.

Se havia quem dissesse que a utilização da tecnologia iria acabar com as discussões sobre arbitragem, a competição continental mostrou que ainda há muita polêmica a ser debatida. Potencializadas pelo uso do VAR, não faltaram reclamações das seleções sobre as decisões dos donos do apito.

Telão do estádio informa torcida sobre revisão do VAR em partida da Copa do Mundo feminina na França
07/07/2019
REUTERS/Jean-Paul Pelissier
Telão do estádio informa torcida sobre revisão do VAR em partida da Copa do Mundo feminina na França 07/07/2019 REUTERS/Jean-Paul Pelissier
Foto: Reuters

Na fase de grupos, a arbitragem não passou despercebida, mas foi a partir do mata-mata que as polêmicas aumentaram. Dos três gols uruguaios anulados contra o Peru, passando pela reclamação argentina contra o Brasil, até os pênaltis discutíveis e a expulsão de Gabriel Jesus na final do torneio.

Empate amargo com a Venezuela

A primeira polêmica envolvendo a Seleção Brasileira aconteceu logo na segunda rodada da fase de grupos. No empate em 0 a 0 contra a Venezuela, os comandados de Tite até balançaram as redes em duas ocasiões, mas em ambas o VAR entrou em ação e anulou os gols.

Na primeira, Gabriel Jesus finalizou e o zagueiro venezuelano bloqueou o chute. A bola sobrou para Firmino, em posição irregular, que devolveu para o camisa nove empurrar para as redes. Apesar de alguns interpretarem que o desvio na zaga dava origem a uma nova jogada, a arbitragem não entendeu assim e assinalou o impedimento depois de checar a jogada novamente.

No segundo lance, Coutinho empurrou para o gol depois da jogada de Everton pelo lado esquerdo. Antes de entrar na meta, entretanto, a bola desviou em Roberto Firmino, que novamente estava em posição de irregular.

Convidados também reclamam

Também na segunda rodada da fase de grupos, a arbitragem voltou a polemizar. Desta vez, com o Japão, seleção convidada para a edição deste ano. Os nipônicos reclamaram de dois lances. Um pênalti marcado a favor dos uruguaios, e posteriormente também sobre um lance de penalidade, desta vez não marcado em favor do Japão.

Na etapa inicial, Cavani recebeu lançamento dentro da área e foi travado pelo zagueiro Ueda. De início, o colombiano Andres Rojas não assinalou a infração, mas depois de checar o lance na cabine, mudou de decisão e marcou o pênalti. A reclamação japonesa era de que o atacante uruguaio foi quem atingiu o defensor.

No segundo tempo, o camisa 10 Shoya Nakajima fez bela jogada dentro da área e caiu depois de um choque com Giovanni González. O árbitro novamente nada marcou, mas desta vez nem foi chamado à cabine para rever a jogada.

Uruguai eliminado com três gols anulados

Mais uma vez as reclamações com a arbitragem envolveram o Uruguai, mas desta vez na eliminação para o Peru nas quartas de final. O confronto apitado pelo brasileiro Wilton Pereira Sampaio, que terminou em 0 a 0 e garantiu a vaga para os peruanos após disputa de pênaltis, contou com três tentos anulados pelo lado uruguaio.

No primeiro lance, Arrascaeta finalizou para o gol, mas na origem da jogada Nández estava em posição irregular. No segundo tempo, foi a vez da dupla artilheira Suárez e Cavani irem às redes, mas também estavam impedidos nas jogadas. Apesar da espera para a checagem dos auxiliares no vídeo, é importante lembrar que o assistente levantou a bandeira nos três lances.

Apesar dos acertos da arbitragem nos gols anulados, não faltaram reclamações do ídolo Diego Lugano. O ex-capitão da Celeste recorreu ao Twitter para mostrar o seu descontentamento com o VAR.

A revolta Argentina

Sobraram reclamações da Seleção Argentina para a os árbitros e a Conmebol. Na derrota por 2 a 0 para o Brasil, na semifinal, a Albiceleste reclamou de dois pênaltis não marcados, que sequer foram checados pelo equatoriano Roddy Zambrado na cabine do VAR. No primeiro lance, um encontrão de Arthur com Otamendi dentro da área, em cobrança de escanteio. No segundo, a reclamação foi ainda maior. Na origem do segundo gol brasileiro, os argentinos reclamaram de uma infração de Daniel Alves em Sergio Aguero dentro da área.

Já na disputa de terceiro lugar, mesmo com a vitória por 2 a 1 sobre o Chile, os questionamentos ao árbitro não diminuíram. Messi se envolveu em discussão com o zagueiro Medel, recebeu peitadas e uma cabeçada e acabou recebendo o vermelho junto com o chileno.

Tudo isso rendeu uma carta formal da Associação do Futebol Argentino (AFA) à Conmebol, e até a acusação de Lionel Messi de que a competição já estava "armada para o Brasil".

Os pênaltis duvidosos e a expulsão de Jesus na final

A final entre Brasil x Peru também ficou marcada por lances duvidosos da arbitragem. Neste caso foram três. O primeiro, no pênalti assinalado para o Peru e convertido por Guerrero. No lance, a bola bate no braço de apoio (o que, pela regra, não configura infração) de Thiago Silva, que dava um carrinho na grande área. O árbitro chileno Roberto Tobar assinalou a penalidade, foi até a cabine conferir a jogada novamente e manteve a decisão.

Já na segunda etapa, Gabriel Jesus disputou bola no alto e deixou o corpo no zagueiro Zambrano. Como já havia levado um cartão amarelo no primeiro tempo, o atacante recebeu o segundo neste lance e foi expulso. Muito irritado, Jesus saiu reclamando muito e chegou até a fazer um gesto sinalizando "roubo", antes de ir para os vestiários.

Para fechar as polêmicas da final, o pênalti que gerou o "gol do título" também foi fruto de uma decisão duvidosa da arbitragem. Everton Cebolinha levou uma trombada de Zambrano, e o árbitro marcou a infração. Apesar do choque ter sido de ombro no ombro, a penalidade foi confirmada para o Brasil. Richarlison converteu a cobrança e fechou a vitória brasileira por 3 a 1 no Maracanã.

Veja também:

Gazeta Esportiva Gazeta Esportiva
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade