PUBLICIDADE

Tévez ainda sofre por não ter sido convocado para a seleção argentina

11 jun 2014 17h14
| atualizado às 17h39
Publicidade

O atacante Carlos Tévez, campeão italiano com a Juventus, admitiu nesta quarta-feira que está sofrendo por não ter sido convocado para defender a seleção argentina e afirmou que não quer saber da Copa do Mundo de 2014, que começa nesta quinta-feira.

"Não estou vendo nada, não sei como está a seleção (argentina), não sei do grupo, não sei de nada. Estou com minha família, jogo golfe, fico no sol. Estou ilhado porque sou um jogador e ainda me dói", disse ele em uma coletiva de imprensa no estádio do Boca Juniors, onde participou da cerimônia de início das obras de remodelação do clube.

O atacante de 30 anos, formado pelo Boca e artilheiro do último campeonato italiano, foi deixado de fora da 'Alviceleste' pelo técnico Alejandro Sabella por motivos ainda não esclarecidos.

"Não vejo o que está acontecendo com a seleção argentina nem ao redor dela, nem nada que diga respeito ao Mundial", respondeu o atacante ao ser perguntado sobre as chances de a Argentina conquistar a Copa do Mundo após 28 anos.

Tévez negou estar magoado pela não convocação, e pediu "que todos torçam juntos e que a seleção vá o mais longe que puder".

A exclusão do atacante, que participou dos Mundiais da Alemanha-2006 e da África do Sul-2010, gerou uma campanha nas redes sociais de torcedores que pediram, em vão, pela sua convocação.

Sabella, desde que assumiu o cargo de técnico da Argentina no fim de 2012, nunca convocou Tévez e, apesar do clamor popular pelo "jogador do povo", manteve a preferência pelo ataque formado por Lionel Messi, Gonzalo Huguaín, Sergio Aguero, Ezequiel Lavezzi e Rodrigo Palacio.

Sempre que foi perguntado sobre Tévez, Sabella negou-se a responder, afirmando que só falava de jogadores convocados.

A imprensa do país especula que exista uma desavença pessoal entre o atacante da Juventus e o craque Lionel Messi, mas ambos sempre negaram.

Já Diego Maradona, maior ídolo da história do futebol argentino, afirmou que a desavença, na verdade, é com Julio Grondona, presidente da Federação Argentina (AFA), e Carlos Bilardo, seu braço direito.

"Não trouxemos Carlitos, que fez 21 gols no futebol italiano, mas não foi por causa de Sabella e sim porque Carlitos fez oposição a Grondona e Bilardo", afirmou o eterno camisa 10 argentino.

Mas Tévez também negou que tenha algo contra a cúpula do futebol de seu país. "Nunca tive problemas com Bilardo, não sei porque Diego falou isso, deve ter suas razões. Mas não busquemos problemas onde não existem, é uma decisão do técnico e só", garantiu.

AFP Todos os direitos de reprodução e representação reservados. 
Publicidade