PUBLICIDADE

Chega desse negócio de sobe e desce, diz presidente do Bahia

16 mai 2017 14h22
ver comentários
Publicidade
Jogadores do Bahia comemoram gol marcado por Tiago na estreia do Brasileiro
Jogadores do Bahia comemoram gol marcado por Tiago na estreia do Brasileiro
Foto: Walmir Cirne/Coofiav / Gazeta Press

A estreia do Bahia no Brasileiro (vitória por 6 a 2 sobre o Atlético-PR) não veio por acaso e o time vai aprontar muito mais na competição. Quem afirma isso é o presidente do clube, Marcelo Sant’Ana, convicto de que chegou a hora de dar um basta na sina que persegue o clube tricolor – nos últimos 16 anos, ficou num vaivém entre as Séries A, B e C do campeonato nacional.

"Chega desse negócio de sobe e desce. O Bahia vai fazer um Brasileiro seguro e não queremos ouvir a palavra ‘rebaixamento’; isso não nos pertence", disse o dirigente, em entrevista ao Terra.

O time começa nesta quarta (17) a decisão da Copa do Nordeste, contra o Sport, em Recife, embalado pelo resultado obtido contra o Atlético-PR. A partida de volta está programada para 24 de maio, na Fonte Nova.

Independentemente do que ocorrer na final da Copa do Nordeste, Marcelo Sant’Ana quer um Bahia "vibrante e guerreiro"” no Brasileiro.

"Sabemos da força dos adversários, entre os quais destaco Palmeiras, Atlético-MG, Flamengo, Santos e Cruzeiro. Temos os pés no chão e nosso objetivo é fazer valer o mando de campo, como foi na estreia. No ano passado, nos últimos dez jogos em casa pela Série B, o Bahia venceu nove. Nossa torcida faz a diferença e isso tem que ficar claro mais uma vez".

Com uma folha salarial, no futebol, em torno de R$ 3 milhões, o Bahia tem no atacante Régis, emprestado pelo Sport, seu principal nome para a disputa. A base, no entanto, da equipe, é de jogadores que pertencem ao clube – é assim com oito dos titulares. "Não somos barriga de aluguel".

Para Marcelo Sant’Ana, a grande dificuldade dos clubes do Nordeste no Brasileiro é a sequência de viagens desgastantes para o Sul e Sudeste do País. "A questão logística afeta muito, e, claro, o problema financeiro – não temos os mesmos recursos que vários clubes do Rio, São Paulo, Minas e Rio Grande do Sul".

O Bahia, porém, está próximo de dar um salto com repercussão direta no futebol do clube. Até dezembro, Marcelo Sant’Ana deve inaugurar o novo centro de treinamento do clube tricolor – na divisa das cidades de Camaçari e Dias d’Ávila. Uma área com quatro campos – outros dois virão em seguida - e quatros prédios, um deles para alojamento dos profissionais, com 26 suítes.

"Vamos ficar entre os cinco, seis clubes mais bem estruturados do Brasil com relação a centro de treinamento, que terá equipamentos modernos atendendo a diversas áreas da medicina esportiva e um amplo espaço para reuniões, refeições e lazer e descanso dos jogadores. O custo total da obra alcança R$ 20 milhões".

Como a promessa do centro de treinamento é para o final do ano, antes disso o Bahia quer terminar bem o Brasileiro, se possível repetindo o Botafogo em 2016.

"Vamos começar com o objetivo de não ter risco de queda. Quem sabe não evoluímos e passamos a ocupar a faixa dos classificados para a Sul-Americana e até mesmo para a Libertadores. O Botafogo ano passado fez isso. Mas nada de precipitação. Vamos no passo a passo e com o trabalho sério do Guto Ferreira, nosso técnico já faz 11 meses. Sei que precisamos de reforços, notadamente de um meia e um atacante, e a sequência do Brasileiro vai nos situar melhor", declarou o presidente do Bahia.

Fonte: Silvio Alves Barsetti
Publicidade
Publicidade