0

Safado, ladrão e fdp; súmulas revelam chiliques de boleiros

2 out 2014
10h43
atualizado às 11h12
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

O futebol é um esporte extremamente hostil. Pode não parecer. Mas é. E não são apenas nas arquibancadas dos estádios ou no sofá da sua sala que reclamações são feitas com direito a gestos ofensivos, palavrões fortes e ironias de gosto um tanto quanto duvidoso. Dentro das quatro linhas, há muito mais do que apenas 22 jogadores, uma bola e três árbitros. Há muita conversa, provocação e, principalmente, hostilidade.

E são as súmulas as responsáveis por nos apresentar a este mundo do “trash talk” que existe no futebol. Após cada jogo, o árbitro principal preenche um formulário e informa à entidade que organiza o campeonato sobre o que ocorreu de mais importante nos 90 minutos - desde quem anotou os gols, passando pelos atletas que receberam cartões até se houve alguma anormalidade durante o tempo de partida. E é aí que os homens do apito muitas vezes revelam – sob a sua ótica – alguns dos bastidores do futebol.

Robinho, por exemplo, tornou-se a última “vítima” das súmulas. Nesta quarta-feira, ele foi expulso após receber o segundo cartão amarelo por simular falta em jogo contra o Botafogo e, depois do jogo, admitiu que havia “xingado o árbitro de tudo quanto era nome”. O documento da partida foi, então, divulgado, e, nele, Dewson Fernando Freitas da Silva relatou a fúria do atacante santista. Assim, não custa nada relembrar outros casos em que os árbitros revelaram xingamentos e reclamações de jogadores/técnicos nas súmulas. Confira abaixo:

Ameaças de um Fabuloso agressivo

Luis Fabiano está longe de ser um sujeito calmo dentro de campo. Isso ficou provado em 2012, quando ele foi expulso por reclamar com o árbitro Elmo Alves Resende da Cunha durante partida contra o Atlético-MG, pelo Campeonato Brasileiro. Escreveu o juiz: “aos 40 minutos do segundo tempo, expulsei de campo o jogador Luís Fabiano por ter reclamado comigo dizendo as seguintes palavras: ‘porra, marca só uma, seu merda. Você está inventando desde o início, é muito fraco’. Após o jogador receber o cartão amarelo, o mesmo continuou: ‘seu filho da puta, você é um viado, dá vontade de meter um soco na sua cara, vagabundo. Vou te encher de porrada’”. Os xingamentos custaram dois jogos de suspensão ao atacante.

Luís Fabiano reclama em lance no clássico entre São Paulo e Corinthians
Luís Fabiano reclama em lance no clássico entre São Paulo e Corinthians
Foto: Ricardo Matsukawa / Terra

(Crédito da foto: Ricardo Matsukawa/Terra)

Sobrou até para a vovó

Auxiliar técnico de Vagner Mancini no Botafogo, Régis Angeli foi expulso da partida entre Atlético-PR e Botafogo, em agosto deste ano, por ter ofendido o bandeirinha José Calza. Os xingamentos contaram até com citação à vovó do botafoguense. Escreveu o árbitro Jean Pierre Lima: “após o segundo gol da equipe do Clube Atlético Paranaense, expulsei do banco de reservas o Sr. Régis Angeli, auxiliar técnico da equipe do Botafogo, por ter ofendido o assistente nº1 José Calza com as seguintes palavras: ‘você tá de brincadeira seu ladrão, safado. Apita assim lá em casa para a minha vó ver. Vai tomar no cu! ’. Informo que o expulsei, após receber a informação desses fatos pelo árbitro reserva”.

Árbitro uniformizado?

No ano passado, o árbitro Wagner Reway teve muito trabalho para comandar a partida entre Sport e Palmeiras pela Série B. Ele expulsou o volante Márcio Araújo e relatou xingamentos do jogador e também do técnico Gilson Kleina, que fez uma acusação um tanto quanto curiosa. Escreveu o juiz: “expulsei, após o término da partida, o jogador do Palmeiras Márcio Araújo, por usar palavras de baixo calão, me xingando de 'seu safado, filho da puta, ladrão, vai tomar no cu'. Além das palavras, o jogador se mostrava extremamente exaltado e fazendo gestos agressivos. Também após o jogo, o técnico do Palmeiras, Gilson Kleina, aproximou-se do trio de arbitragem fazendo gestos desrespeitosos e, com dedo em riste, dizia: 'você é um safado, tire a camisa e mostre a do Sport que está aí por baixo, você já veio premeditado'.

Gilson Kleina prepara Palmeiras para próxima rodada da Série A
Gilson Kleina prepara Palmeiras para próxima rodada da Série A
Foto: Ricardo Matsukawa / Terra

(Crédito da foto: Ricardo Matsukawa/Terra)

Morde e assopra

É possível, sim, gostar e não gostar de um árbitro ao mesmo tempo. Quem provou isto foi o ex-diretor executivo de futebol do Flamengo, Paulo Pelaipe, que xingou e depois elogiou o árbitro Jailson Macedo Freitas ao fim do primeiro tempo de partida contra o Cruzeiro, no ano passado. Escreveu o juiz: “após o término do 1º tempo, quando o quarteto de arbitragem seguia para seu vestiário, na zona mista estava o senhor Paulo J. Pelaipe, executivo de futebol da equipe do C.R. Flamengo, tendo vindo em nossa direção e dito as seguintes palavras: ‘seu safado, apita isso direito, você não precisa disso, você sabe apitar, você é árbitro Fifa, você é um bom árbitro’”.

Complô contra Luxa

Quando ainda comandava o Fluminense, no fim do ano passado, Vanderlei Luxemburgo foi expulso no intervalo de partida contra a Portuguesa e, de acordo com a súmula do árbitro Wilton Pereira Sampaio, se disse vítima de um complô da arbitragem. Escreveu o juiz: “Expulsei o Sr. Vanderlei Luxemburgo da Silva, técnico da equipe do Fluminense, no intervalo da partida, quando estávamos passando pela zona mista do estádio, em direção ao vestiário da arbitragem, por ter dito as seguintes palavras: ‘Wilton, eu te respeito muito, mas você não me respeitou. Você não deveria fazer isso comigo’. Ato seguido: continuamos seguindo ao nosso destino quando o mesmo segurou o braço deste signatário com força, dizendo as seguintes palavras: ‘só tem filha da puta, vocês estão de sacanagem comigo. Tem um complô contra mim. Vou fazer uma representação contra você na súmula”.

“Na volta para o início do segundo tempo da partida, ao ser comunicado da expulsão, o mesmo, estando no túnel de acesso ao campo, disse as seguintes palavras ao quarto árbitro, Sr. Wagner Rosa, e ao delegado da partida, Sr. Marcelo Vianna: ‘o que foi que eu fiz? Só tem filha da puta, estão querendo me prejudicar. Você é o pior filha da puta’, referindo-se ao delegado. ‘É um complô contra mim’. Em seguida o mesmo se retirou do túnel. Ressalto que durante o primeiro tempo da partida o referido treinador foi advertido verbalmente por este signatário”.

Vanderlei Luxemburgo está sob pressão no comando do Fluminense
Vanderlei Luxemburgo está sob pressão no comando do Fluminense
Foto: Ricardo Ayres/Photocamera / Divulgação

(Crédito da foto: Ricardo Ayres/Photocamera)

Valdivia curto e grosso. Por três vezes

O principal meio-campista do Palmeiras foi expulso em plena final da Copa do Brasil do ano passado após ter se desentendido com o volante Willian Farías, do Coritiba. De acordo com o árbitro Wilton Pereira Sampaio, Valdivia o ofendeu seguidamente após receber o cartão vermelho. Escreveu o juiz: “aos 25 minutos do segundo tempo, expulsei o atleta Jorge Luis Valdivia. O atleta expulso, ao deixar o campo de jogo, disse a mim as seguintes palavras: ‘você é um filho da puta e viado’ — e repetiu por três vezes”.

Xingando na segunda pessoa do singular

Não são todas as pessoas que costumam conjugar os verbos na segunda pessoa do singular de maneira correta. Segundo relato do árbitro Paulo Henrique Godoy Bezerra, porém, o meia Felipe, ex-Fluminense, fez a utilização do português correto para ofendê-lo durante partida contra o Cruzeiro, no ano passado. Escreveu o juiz: “após o término da partida, expulsei de forma direta o senhor Felipe Jorge Loureiro, nº 16 da equipe do Fluminense, por proferir a mim as seguintes palavras: '(tu) és um filho da puta, vagabundo, safado, sem vergonha, vocês são um bando de merda”.

Falou “está de brincadeira” e foi expulso

Muitas vezes, não é nem necessário soltar um palavrão para receber cartão vermelho no futebol. Quem provou isto foi o técnico Dorival Junior, que, no ano passado, acabou expulso pelo árbitro Rodrigo Carvalhares de Miranda da partida entre Flamengo e Cabofriense pelo Campeonato Carioca. O motivo, de acordo com a súmula, não foi tão grave assim. Escreveu o juiz: “expulsei, aos trinta e seis minutos do segundo tempo, o técnico da equipe do C. R. Flamengo, Sr. Dorival Silvestre Júnior, por ponderar da minha marcação gesticulando os braços de forma acintosa e proferindo as seguintes palavras: ‘não foi escanteio’. Pedi para que o mesmo se acalmasse e ele disse: ‘você está de brincadeira’, sendo, assim, expulso”.

Dorival Junior comanda Fluminense no Maracanã
Dorival Junior comanda Fluminense no Maracanã
Foto: Photocamera / Divulgação

(Crédito da foto: Photocamera)

Vai bater o pezinho? Então toma mais um amarelo

Durante partida entre Duque de Caxias e Fluminense, pelo Campeonato Carioca deste ano, o goleiro da equipe da região metropolitana do Rio de Janeiro foi expulso pelo árbitro Pathrice Wallace Corrêa Maia ainda no início do segundo tempo. De acordo com a súmula, Andrade recebeu o cartão vermelho pela teimosia em retardar o reinício da partida. Escreveu o juiz: “expulsei, aos seis minutos do segundo tempo, após o segundo cartão amarelo, o Sr. Elinton Sanchotene Andrade, número 1 do Duque de Caxias F. C., que após receber o primeiro cartão amarelo por retardar o reinício do jogo com um tiro de meta, gesticulou como se pouco estivesse se importando com o cartão amarelo e disse, me afrontando: ‘pode dar, vou continuar fazendo’. Referindo-se a cera que vinha fazendo e ao cartão amarelo que havia recebido”.

Márcio Passos de Albuquerque, o Emerson, em: Um Sheik Endiabrado

Emerson Sheik causou muita polêmica ao ser expulso e reclamar da CBF durante partida entre Botafogo e Bahia, há duas semanas, pelo Campeonato Brasileiro. No STJD, ele foi absolvido por criticar à entidade, mas pegou gancho de quatro jogos por ofender o árbitro Igor Junio Benevenuto. E os xingamentos não foram nada leves. Escreveu o juiz: “expulsei aos quatorze minutos do segundo tempo de partida o atleta de número 7, Sr. Márcio Passos de Albuquerque, ao receber uma segunda advertência na partida, por atingir com um chute na altura da coxa direita de seu adversário de número 8, na disputa de bola. Cumpre informar que o referido atleta havia sido advertido anteriormente por reclamação ao proferir as seguintes palavras a mim: ‘apita essa porra!’. Após ser expulso, o mesmo veio em minha direção e proferiu as seguintes palavras: ‘safado, sem vergonha, você é um merda, vagabundo, não apita nada!’”.

Emerson foi expulso, reclamou com o juiz e chamou a câmera para si
Emerson foi expulso, reclamou com o juiz e chamou a câmera para si
Foto: Buda Mendes / Getty Images

(Crédito da foto: Buda Mendes/Getty Images)

Fonte: Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade