5 eventos ao vivo

Ex-médico de equipe de ginástica dos EUA é condenado a até mais 125 anos de prisão

5 fev 2018
21h32
atualizado em 6/2/2018 às 07h18
  • separator
  • 0
  • comentários

O ex-médico da equipe de ginástica dos Estados Unidos Larry Nassar foi condenado a uma pena adicional de 40 a 125 anos de prisão em um tribunal do Michigan nesta segunda-feira, por abusar sexualmente de jovens ginastas, após uma sentença anterior de até 175 anos de prisão imposta no último mês.

Ex-médico da equipe de ginástica dos Estados Unidos Larry Nassar chega para audiência de sentença
05/02/2018
REUTERS/Rebecca Cook
Ex-médico da equipe de ginástica dos Estados Unidos Larry Nassar chega para audiência de sentença 05/02/2018 REUTERS/Rebecca Cook
Foto: Reuters

O caso contra Nassar tem provocado investigações sobre por que o Comitê Olímpico dos EUA, o órgão administrativo esportivo USA Gymnastics e a Universidade Estadual do Michigan, onde o médico também trabalhou, fracassaram em investigar queixas feitas contra ele ao longo dos anos.

Nassar, que também está cumprindo pena de 60 anos de prisão por condenações de pornografia infantil, se declarou culpado a duas acusações de abuso nos condados de Ingham e Eaton, no Michigan.

Conforme a juíza Janice Cunningham anunciou a sentença de Nassar nesta segunda-feira, diversas vítimas choraram no tribunal. Rachael Denhollander, a primeira mulher a tornar suas acusações de abuso públicas, sorriu e apertou a mão de seu marido.

Depois que Nassar foi conduzido algemado, um grupo de vítimas fez fila para abraçar e agradecer Rachael, que em seu próprio depoimento perguntou repetidamente: "O quanto vale uma menina?"

"Eu consegui minha resposta", disse à Reuters imediatamente após a declaração da sentença. "Vale o limite máximo de punição que a Justiça pode proporcionar. Foi isso que acabou de acontecer aqui."

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade