PUBLICIDADE

Palmeiras ganha título do Brasileirão pela versatilidade

Abel Ferreira entendeu a era dos pontos corridos: ajustou a constância e deu aula ao lidar com as adversidades, embora cansado.

7 dez 2023 - 00h18
(atualizado às 00h27)
Compartilhar
Exibir comentários
Palmeiras conquistou o 12º título do Palmeiras
Palmeiras conquistou o 12º título do Palmeiras
Foto: Cris Mattos / Reuters

Há cinco anos o título não era decidido na última rodada. Em 2023, depois do vexame do Botafogo, vimos as cortinas se abrirem para o atual campeão: novamente, o Palmeiras! A força da equipe alviverde é inquestionável, mas até quando ficaria no topo? Nessa temporada, o time paulista foi questionado e oscilou. E hoje precisa ser aplaudido pela inteligência (emocional) do seu comandante - que sempre deixou a sua equipe em posição de competitividade - mesmo exausto com o perfil do campeonato.

Entre os favoritos, a campanha botafoguense abafou os holofotes do Palmeiras que nunca saiu da disputa. Estar próximo do topo, podendo chegar lá, foi o que fez a equipe ser campeã. Algo evidenciado quando o foco esteve apenas no Brasileirão, um sintoma do futebol nacional e seu calendário sufocante. O título brasileiro do Palmeiras veio pelas opções que Abel Ferreira teve para jogar o seu jogo, embora tenha reclamado de contratações. A equipe é polivalente, tem grande parte dos melhores jogadores (ou os mais regulares) do torneio como Raphael Veiga, Gustavo Gómez e Piquerez e um técnico que atua conforme o adversário.

Se precisar ser mais ofensivo, reforçar o meio ou jogar recuado pra achar espaço no contra-ataque... O Abel resolve! E a força psicológica se comprovou na virada por 4 a 3 sobre o Botafogo; a equipe perdia por 3 a 0. E nesse mesmo jogo conhecemos a potência madura do Endrick. No ataque, ele foi moldado no tempo certo. Relembre que o técnico palmeirense precisava de uma atacante nesse ano e deu a chance ao menino talentoso de 17 anos no meio da temporada. Ele tentou mas ainda não estava pronto. O camisa 9 voltou para o banco e esperou amadurecer. Quando retornou, foi decisivo e parecia ter ganhado anos de experiência. Na verdade, ganhou a segurança de se tornar grandioso. Algo que o elenco esbanja em todos os setores. 

Endrick comemora seu gol contra o Cruzeiro
Endrick comemora seu gol contra o Cruzeiro
Foto: Esporte News Mundo

Weverton, Marcos Rocha, Gustavo Gómez e Luan ganham pela terceira vez o Brasileirão com o Palmeiras, contando com os títulos de 2018 e 2022. Mayke, que chegou em 2019, agora é o atleta com mais títulos na era dos pontos corridos; o lateral direito conquistou cinco vezes o Brasileirão. Deve ser bom pensar que se a coisa apertar, Weverton segura lindamente no gol. No meio campo, tem o Zé Rafael que é uma peça essencial e flexível, atuou como primeiro volante improvisado após a saída do Danilo e ganhou mais liberdade para construir jogadas. Após a eliminação do Palmeiras na Libertadores, foi ele que apareceu marcando no empate contra o Fortaleza com um a menos em campo e contra o Fluminense, Zé Rafael fez a assistência para Breno Lopes deixar a taça muito próxima para o verdão. 

O campeão do Brasileirão 2023 não buscou ser o centro das atenções durante o campeonato, não fez uma campanha irretocável, mas soube chegar lá. É sobre ser um dos melhores e não deixar isso subir na cabeça do elenco. O último jogo contra o Cruzeiro foi um exemplo de humildade - o que faltou no Botafogo; a equipe palmeirense não comemorou antes mesmo com 99,92% de chances. O Palmeiras sabe que o título não acontece do dia para noite. Não há pressa para quem teve apenas uma derrota nos últimos 12 jogos. Quem tem mais, tem doze. E é imparável quando sabe que pode vencer. 

Fonte: Fernanda Arantes Fernanda Arantes é apresentadora, narradora e repórter esportiva. Com passagens pelas afiliadas da Rede Globo e pelo SBT, atualmente ela se destaca nas transmissões pela internet. As visões da colunista não representam a visão do Terra.
Fonte: Redação Terra
Compartilhar
Publicidade
Publicidade