0
Logo do Seleção Brasileira
Foto: terra

Seleção Brasileira

Seleção Brasileira

Veja em 9 tópicos o que esperar dos próximos jogos do Brasil

Bruno Domingos / Mowa Press / Divulgação

Seleção vai enfrentar a França na quinta-feira, dia 26, em Paris. Depois vai encarar o Chile, no domingo, dia 29, em Londres. O que será importante observar nesses jogos?

23 mar 2015
14h00
atualizado às 14h24
  • separator
  • comentários

Vai ser difícil acabar com a desconfiança que paira sobre a Seleção Brasileira depois do 7 a 1 na Copa do Mundo. Ao se perguntar "o que esperar do próximo jogo do Brasil?", o torcedor certamente não vai se empolgar. Ao saber que as partidas serão contra as boas seleções de França e Chile, provavelmente vai apostar em duas derrotas brasileiras. Mas é possível ir além desse pessimismo. Existem outros nove tópicos que podemos esperar dos próximos jogos da Seleção:

Jogos mais emocionantes
A Seleção de Dunga ainda não encontrou uma forma ideal de propôr o jogo, por isso sofre para bater times que ficam muito fechados na defesa. Isso ficou muito claro no jogo mais recente, contra a Áustria. Mas contra França e Chile isso vai ser diferente: os dois times devem buscar o ataque, até porque têm qualidades para isso. Por isso darão espaço para que apareça o melhor do time brasileiro: o jogo de contra-ataque e velocidade. Sendo assim, as duas partidas vão render muitas emoções para os dois lados.

Recorde de Neymar

<p>Neymar é o capitão da Seleção de Dunga</p>
Neymar é o capitão da Seleção de Dunga
Foto: Leonhard Foeger / Reuters

É impressionante como Neymar se sente à vontade na Seleção Brasileira, por isso ele tem batido recordes atrás de recordes. Agora o atacante busca subir algumas posições no ranking de artilheiros da equipe nacional: atualmente está em sétimo, com 42, ao lado de Bebeto. Mas contra França e Chile ele tem oportunidade de igualar ou superar Rivellino e Jairzinho, que têm 43. Depois disso Neymar terá apenas Romário (56), Zico (66), Ronaldo (67) e Pelé (95) pela frente.

Neymar-dependência
É ótimo contar com um artilheiro como Neymar, mas isso também tem gerado um problema: o time depende demais dele para fazer gols. Na nova "Era Dunga", o time fez 14 gols, sendo que sete foram dele. Em campo, é possível ver que todos jogadores procuram por ele para iniciar as jogadas. E tudo será igual contra França e Chile. O que pode atrapalhar é a má fase de Neymar no Barcelona. Entre altos e baixos, ele não faz gol desde 4 de março, e inclusive perdeu chances claras de gol no clássico entre Barcelona e Real Madrid, neste domingo.

Dúvida sobre centroavante

<p>Luiz Adriano tem características diferentes, mas pode substituir Diego Tardelli</p>
Luiz Adriano tem características diferentes, mas pode substituir Diego Tardelli
Foto: Mowa Press / Divulgação

Outro problema no ataque foi criado por causa da contusão de Diego Tardelli. Ele tinha sido convocado, mas foi cortado em cima da hora. Dunga convocou Luiz Adriano como substituto, mas é difícil saber quem será o titular. Se quiser manter a mobilidade que teria com Tardelli, Dunga pode escalar Robinho ou Roberto Firmino como "falso 9".

Thiago Silva e Miranda
Se há dúvidas no ataque, a defesa está definida: sem David Luiz, também cortado por lesão, Thiago Silva vai ser o titular ao lado de Miranda. Será a primeira vez que eles começarão um jogo no time, mas têm a missão de manter o ótimo retrospecto defensivo da equipe de Dunga: em seis jogos, tomou apenas um gol. Os outros zagueiros do elenco são Gil e Gabriel Paulista, que devem ficar no banco.

Desfalques adversários

<p>Jorge Valdivia pode estrear em 2015 pela seleção chilena</p>
Jorge Valdivia pode estrear em 2015 pela seleção chilena
Foto: Ivan Alvarado / Reuters

Atualmente o volante Paul Pogba é o jogador mais impressionante da França. Dono do meio-campo da Juventus, ele fez uma boa Copa do Mundo e está cada vez mais valorizado no mercado internacional. Porém, não jogará contra o Brasil por causa de lesão muscular. Além dele, a França terá os desfalques do goleiro e capitão Hugo Lloris e dos volantes Yohan Cabaye e Maxime Gonalons.

No Chile, um dos problemas é conhecido dos brasileiros: Jorge Valdivia ainda não jogou em 2015, mas foi convocado e não sabe se terá condições físicas de atuar contra a Seleção. Um desfalque sério e preocupante é o de David Pizarro, da Fiorentina, que sofreu uma lesão na coxa direita.

Favoritismo absoluto contra Chile

"Está difícil? Chama o Chile". Certamente Galvão Bueno soltará esse bordão ao narrar o jogo de domingo. Não é à toa: a seleção chilena é uma grande freguesa histórica do Brasil. Mesmo quando a Seleção joga mal, os chilenos não aproveitam. Foi o que aconteceu na Copa do Mundo, por exemplo, em que o jogo só foi decidido nos pênaltis, com vitória brasileira. Os números comprovam a tese: em 67 jogos, o Chile venceu apenas sete vezes e não consegue bater o Brasil desde 2000.

Gol de Robinho

<p>Robinho na chegada ao hotel da Seleção</p>
Robinho na chegada ao hotel da Seleção
Foto: Rafael Ribeiro / CBF / Divulgação

Robinho só supera Pelé na Seleção Brasileira em um dado histórico: fez mais gols que o "Rei" em confrontos contra o Chile. É incrível como o atacante do Santos é carrasco dos chilenos: em 2013, ele até começou no banco de reservas, mas entrou e fez gol no pouco tempo que teve de jogo. Foi nesse momento que Robinho superou Pelé, com nove gols contra o Chile. O décimo deve acontecer no domingo.

Assuntos extra-campo

Nem sempre os jogos da Seleção Brasileira serão o foco das conversas nesta semana. O futebol de clubes está muito agitado e será foco de muitas entrevistas que acontecerem em Paris e Londres. Os próximos jogos da Liga dos Campeões, por exemplo, serão comentados por quem joga na Europa. O confronto Barcelona x Paris Saint-Germain pela Liga dos Campeões é o grande destaque. Outro tema possível é a polêmica que envolveu brasileiros do Shakhtar Donetsk e o lateral Rafinha. Luiz Adriano e Douglas Costa estão na Seleção e poderão comentar o caso. Além disso, temas dos bastidores do futebol brasileiro, como o refinanciamento das dívidas dos clubes brasileiros e o fim do mandato de José Maria Marin na CBF, podem surgir.

Fonte: Terra

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade