PUBLICIDADE
Logo do

Seleção Brasileira

Meu time

'Fominha', Danilo aposta em série de jogos para se consolidar um dos cotados da Seleção na Copa de 2022

Em 'plenitude física', jogador de 29 anos não se omite a ser uma das cartadas do técnico Tite mesmo em confronto com o Peru, nesta quinta, no qual Tite 'rodará' equipe

17 jun 2021 09h42
ver comentários
Publicidade

A Seleção Brasileira deve ir a campo logo mais, contra o Peru repleta de mudanças. Mas a luta pela afirmação move um dos jogadores cotados para seguir entre os titulares. Depois de ter virado a página do corte por uma lesão no tornozelo esquerdo durante a Copa do Mundo de 2018, Danilo não se omite na sua batalha por retomar seu espaço.

'Posso dizer que me encontro na minha plenitude física, técnica e mental da carreira', diz Danilo (Foto: Lucas Figueiredo / CBF
'Posso dizer que me encontro na minha plenitude física, técnica e mental da carreira', diz Danilo (Foto: Lucas Figueiredo / CBF
Foto: Lance!

O jogador crê que a melhor forma de se revigorar é em campo.

- Se você for ver meu histórico na Seleção brasileira, eu perdi também a Copa América de 2015 e 2016 por causa de lesão. Realmente eu já poderia ter tido uma sequência maior, com muitos jogos e desempenhando em todas as competições, mas tive esses contratempos - disse.

No entanto, o jogador de 29 anos se consolidou fisicamente.

- Nesse momento eu posso dizer que me encontro na minha plenitude física, técnica e mental da carreira, e isso reflete nas minhas atuações na Seleção e na Juventus - garantiu.

Impetuoso nas subidas ao ataque, Danilo também adiantou que não foge à responsabilidade de ser um dos "conselheiros" da Seleção.

- Isso é um papel que acontece naturalmente. Apesar de fazer 30 no próximo mês futebol, no futebol moderno essa idade é onde os jogadores se encontram em uma forma física boa e de potência muscular legal. Mas, pela minha trajetória no futebol, pelos clubes que passei e pelo que já vivi, é um papel que vem de forma natural - e apontou:

- Aceito bem esse papel e procuro contribuir de forma positiva, fazendo com que os que têm menos tempo se sintam integrados o mais rápido possível e tentando direcionar, junto com os outros atletas, a equipe para um ambiente que seja cada vez mais agradável e propício para desenvolver um futebol bacana - completou.

Com a rodagem que já adquiriu por dez anos na Seleção, o lateral diz que cabe à equipe de Tite lidar com a pressão da equipe peruana.

- Tenho certeza que eles batalharão muito para vencer. Mas os jogos têm a ver com nossa motivação, nossa forma de encarar o adversário. Nos preparar para enfrentar, o sistema, a concentração. O Peru vai jogar de forma agressiva, mas a gente tem de ficar atento - destacou.

É hora de fechar os espaços e abrir uma fresta para mais uma vitória canarinha.

Lance!
Publicidade
Publicidade