0

Auxiliar de Dunga, Cebola é pacífico e pode tocar renovação

Novo "braço direito" do treinador da Seleção Brasileira tem perfil que deve ajudar a pacificar o ambiente e também renovar a equipe

24 jul 2014
08h08
atualizado às 10h59
  • separator
  • 0
  • comentários

Depois que Dunga foi anunciado como técnico da Seleção Brasileira, ele recebeu pedidos para fazer duas mudanças importantes: renovar a equipe nacional, que passou por um vexame na Copa do Mundo; e também melhorar seu relacionamento com a imprensa, algo que o prejudicou na primeira passagem pela Seleção. Sob esse ponto de vista, é cabível afirmar que Dunga escolheu muito bem seu novo auxiliar técnico: Andrey Lopes, mais conhecido como Cebola, tem um perfil que deve ajudar a pacificar o ambiente e também renovar a equipe.

Cebola era o "braço direito" de Dunga no Inter
Cebola era o "braço direito" de Dunga no Inter
Foto: W. Correia Neto / Gazeta Press

Cebola trabalhou por quase 20 anos com categorias de base, mas a principal experiência dele aconteceu exatamente ao lado de Dunga: foi auxiliar técnico no Inter em 2013. Trabalhava bastante, comandava treinos e ajudava no que era preciso. Até mesmo um problema mais grave ele tentou resolver.

Durante a passagem de Dunga no Inter, houve pouca comunicação entre o time profissional e as categorias de base, o que começou a incomodar quem trabalhava com os jovens do clube. Osmar Loss, que atualmente está no Corinthians Sub-20, era um deles e, mesmo sendo amigo próximo de Cebola, não conseguiu resolver a situação: "não tinha um fluxo de informações entre as duas partes e eu achava que isso gerava um problema. Até falei com a diretoria", contou Loss, que saiu do clube antes de Dunga.

A amizade entre os dois é antiga - se conheceram na faculdade. Loss comenta que é difícil ver Cebola irritado: "todo mundo tem seu momento de perder a calma, mas é difícil ver ele destemperado, nem na beira do campo. Quando acontece é até engraçado, porque a gente não está acostumado", afirmou.

É difícil dizer se essa tranquilidade vai ajudar a controlar Dunga, mas Andrey tem até experiência em dar entrevistas coletivas. Quando estava no Inter, após uma vitória no Campeonato Gaúcho, ele foi falar com os jornalistas porque Dunga ficou sem voz ao fim do jogo. No Grêmio ele também deu entrevistas quando ficou como técnico interino, entre as passagens de Silas e Renato Gaúcho no time tricolor.

Dunga e Andrey Lopes serão os responsáveis por recuperar a Seleção Brasileira
Dunga e Andrey Lopes serão os responsáveis por recuperar a Seleção Brasileira
Foto: Vinicius Costa / Gazeta Press

Cebola trabalhou mais no Inter do que no Grêmio, mas o trabalho em ambos foi longo. Na equipe colorada foram dez temporadas, sempre com garotos muito jovens, de 13 a 17 anos. Foi no Grêmio, entre 2006 e 2011, que ele começou a trabalhar com jogadores mais maduros e prontos.

Cebola ajudou a formar e revelar jogadores importantes durante esse período: Alexandre Pato e Nilmar foram treinados por ele no começo da adolescência. Já Fernando, Douglas Costa e Saimon foram treinados por Cebola quando estavam perto de subir para o time principal do Grêmio.

É esse talento para trabalhar com jovens que pode ajudar a renovação da Seleção Brasileira. Cebola deve liderar a observação jogadores jovens pelo mundo, além de melhorar a integração entre as equipes do técnico Alexandre Gallo (coordenador das categorias de base da CBF) e de Dunga.

Já existe até um jogador que deve representar essa mudança: Luiz Adriano, centroavante que está no Shakthar Donetsk, trabalhou com Cebola no Inter e provavelmente será convocado para a Seleção Brasileira a partir de agora. A carência de jogadores brasileiros nessa posição contribui para isso.

Existe ainda mais uma terceira característica de Cebola que pode ajudar o futebol brasileiro. Osmar Loss disse que os times montados pelo amigo tinham um aspecto mais ousado: "há cinco ou mais anos, ele era um treinador que dava mais atenção ao ataque. Gostava de trabalhar mais o aspecto ofensivo. Mas não sei se ele mudou com o passar do tempo". Certamente a torcida brasileira torce para que essa seja a terceira característica de Cebola a influenciar Dunga.

Colaborou Cristiano Silva

Fonte: Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade