PUBLICIDADE

Vitórias de ex-F1 e bicampeonato: como foi a final da Stock Car

Gabriel Casagrande faz um pódio e uma corrida cerebral para se sagrar campeão de 2023. Ricardo Zonta e Felipe Massa vencem corridas 1 e 2

17 dez 2023 - 16h43
Compartilhar
Exibir comentários
Resumo
Etapa final da temporada da Stock Car Pro Series de 2023, realizada em Interlagos, São Paulo, teve vitórias de Ricardo Zonta (corrida 1) e Felipe Massa (corrida 2), ambos pilotos com histórico de Fórmula 1. Gabriel Casagrande, que chegou como líder do campeonato, conseguiu um 3º e um 21º lugares e se sagrou bicampeão da categoria.
Gabriel Casagrande celebra seu bicampeonato
Gabriel Casagrande celebra seu bicampeonato
Foto: Paulo Abreu / Parabólica

E deu Gabriel Casagrande! O piloto da A. Mattheis Vogel, que chegou a Interlagos como o favorito ao título em disputa com outros seis pilotos, confirmou sua condição de líder do campeonato e se sagrou campeão da temporada de 2023 da Stock Car Pro Series. Com o título, que se soma à conquista de 2021, o paranaense se junto a nomes como Rubens Barrichello e Giuliano Losacco no rol de bicampeões da categoria.

Na pista, a corrida 1 teve vitória de Ricardo Zonta, que largou da pole, segurou Casagrande e Julio Campos e faturou seu segundo triunfo em Interlagos no ano.

A corrida 2, bem mais conturbada, foi palco de uma improvável vitória de Felipe Massa, que segurou até o final da janela de pit stops para fazer sua parada e contou com um safety car na hora exata para poder a voltar ainda à frente. O pódio histórico teve ainda a participação de Barrichello – dois ex-Ferrari F1. Marcos Gomes completou o festejo.

Confira no detalhe como foram as corridas da grande final da Stock Car em Interlagos.

Ricardo Zonta vence corrida 1 em Interlagos
Ricardo Zonta vence corrida 1 em Interlagos
Foto: Paulo Abreu / Parabólica

Zonta leva a melhor em disputa tripla entre paranaenses

O forte calor em São Paulo foi interrompido por uma breve chuva que caiu sobre Interlagos cerca de uma hora antes da corrida. Havia uma expectativa de largada com pista molhada, mas o sol logo voltou com força e secou a pista antes de ser iniciada a prova.

Na largada, Ricardo Zonta manteve a dianteira, enquanto Gabriel Casagrande superou Rafael Suzuki e se colocou em condição ainda melhor de faturar o título. Na segundo volta, Julio Campos também superou Suzuki e chegou ao 3º lugar.

Na abertura da volta 4, Felipe Baptista e Rafael Suzuki travaram dura batalhar pelo 4º posto. Suzuki levou a melhor, e deixou o piloto da RCM aos leões, para o ataque de Thiago Camilo, Daniel Serra e Bruno Baptista.

Na volta 5, entre os postulantes ao título, Zonta liderava, trazendo o favorito Casagrande em 2º. Suzuki seguia em 4º lugar. Serra superava Thiago Camilo e era 6º, uma posição à frente do piloto da Ipiranga. Barrichello só havia ganho uma posição desde a largada, andando em 19º. Felipe Fraga, 21º, ganhava 8 postos.

Serra seguia escalando: o paulista superou Felipe Baptista e partiu para cima de Suzuki. Enquanto isso, Camilo era superado por Bruno Baptista e se via ameaçado por Matías Rossi – até o argentino errar no S e perder contato.

Na abertura da volta 8, Gabriel Casagrande puxou a fila e foi o primeiro a entrar nos boxes, em estratégia conservadora. Suzuki foi o único a parar na mesma volta. Enquanto isso, Serra batalhava com F. Baptista até o jovem da KTF rodar sozinho na Junção.

Felipe Fraga interrompe sua corrida de recuperação ao recolher seu Cruze para a garagem. Fim do sonho do bicampeonato para o piloto da Blau.

Thiago Camilo fez sua parada sozinho na volta 10, enquanto quase todos optavam por seguir na pista. Zonta, líder da prova, parou na abertura da volta 11. Daniel Serra e Felipe Baptista o seguiram - e quase se enroscaram no pit lane.

Gabriel Casagrande, com pneus aquecidos, colou em Zonta e o ultrapassou na pista, assumindo a liderança virtual da prova.

Pouco depois, Julio Campos, que liderava a prova de forma provisória, fez sua parada. Enquanto isso, Zonta acionava o push e retomava a posição sobre Casagrande. Julio saí dos boxes lado a lado com Casagrande, em briga entre três paranaenses pela vitória. A briga entre o trio seguiu: Julio superou Casagrande na volta 15. Os três se viam separados por apenas 0s8.

Com todos os pilotos tendo feitos suas paradas, cinco dos seis primeiros eram os candidatos ao título: Zonta (1º), Casagrande (3º), Suzuki (4º), Serra (5º), Camilo (6º).  Apenas Rubinho, entre os postulantes ao título, andava fora do top 10, em um tímido 20º lugar. Fraga voltava à pista na penúltima volta, pensando na corrida 2 – ainda que já sem chances de título.

Na última volta, Suzuki partiu para o ataque sobre Casagrande, que ignorou sua vantagem e se defendeu com unhas e dentes, mantendo o 3º lugar.

Zonta venceu a corrida 1, seguido por Campos e Casagrande, em pódio 100% paranaense. Suzuki, Serra, Camilo, B. Baptista, F. Baptista, Cesar Ramos e Átila Abreu fecharam o top 10. Esses 10 invertem posições para a corrida 2.

Pensando em campeonato, a taça ficava nas mãos de Casagrande. Agora, apenas Daniel Serra se mantinha vivo na luta. Para o paulista, seria necessário vencer e torcer para Casagrande ser 18º ou pior.

Os resultados extraoficiais da corrida 1
Os resultados extraoficiais da corrida 1
Foto:

Massa conta com a sorte e vence corrida 2. Casagrande crava o título

Felipe Massa conquistou a vitória na corrida 2
Felipe Massa conquistou a vitória na corrida 2
Foto: Paulo Abreu / Parabólica

Como é tradição, a largada da corrida 2 foi bastante tumultuada. Sobrou toque e escapada para todo lado. Lucas Kohl, Dudu Barrichello, Lucas Foresti, Guilherme Salas e Gianluca Petecof foram alguns dos que escaparam com sequelas em seus carros.

No enrosco do pelotão intermediário, Allam Khodair rodou e por muito pouco não atingiu Casagrande, que se via em meio a um fogo cruzado, e ia abrindo caminho para evitar confusão. Na volta 3, o quase bicampeão era apenas 23º, em distância segura de quem andava à frente e atrás. Serra era 5º.

Com 10 mintuos de corrida, a ordem era: Átila, Cesar, B. Baptista, Camilo, Serra, Massa, F. Baptista, Zonta, Barrichello e Enzo Elias. Pela confusão da volta 1, Cacá Bueno recebia drive through e Dudu Barrichello, já nos boxes, bandeira preta.

Na abertura da volta 7, Átila abria a fila de pit stops. Camilo e Serra o seguiram. Casagrande, marcando a estratégia de Serra, também parava na mesma volta. Cesar Ramos, líder momentâneo, parou na abertura da 8.

Rubinho partiu para cima de Átila e o superou, assumindo a liderança virtual da prova. Massa, ainda sem parar, era o líder na prática.

Na volta 13, Sergio Ramalho foi parar embaixo da barreira de pneus no Laranjinha. Ramalho, soube-se depois, passou mal em razão do calor no cockpit e bateu sozinho. Safety Car na pista. Massa fez sua parada enquanto a bandeira amarela era apresentada, voltando à frente de Rubinho.

Foi aí que uma confusão se armou. O safety car entrou na pista e se posicionou à frente de Barrichello, com Massa e Marcos Gomes muito à frente do pelotão. Só na abertura da última volta o safety car alcançou os dois ponteiros e os ultrapassou, alinhando o pelotão.

Sob bandeira amarela, Felipe Massa cruzou em 1º e venceu pela segunda vez na carreira, na segunda etapa seguida. Gomes e Barrichello completaram o pódio. Ricardo Maurício, B. Baptista, Camilo, Átila, Nelsinho Piquet, Fraga e Zonta fecharam o top 10.

Gabriel Casagrande, em corrida cerebral, foi apenas 21º. Mas o resultado discreto foi suficiente para garantir o bicampeonato. O título se soma ao de 2021 e o coloca ao lado de nomes como Rubens Barrichello e Giuliano Losacco.

O resultado extraoficial da corrida 2
O resultado extraoficial da corrida 2
Foto:
Parabólica
Compartilhar
Publicidade
Publicidade