2 eventos ao vivo

Futuro, conselhos e memórias do Brasil: um papo com Alonso

Bicampeão mundial, que neste fim de semana faz sua penúltima prova na F-1, lembra com saudade de suas corridas em Interlagos

9 nov 2018
12h59
atualizado às 13h09
  • separator
  • comentários

Fernando Alonso está mais leve neste fim de semana. Na pista onde ganhou seus dois títulos mundiais, em 2005 e 2006 (e também perdeu outros dois, em 2007 e 2012), o espanhol de 37 anos prepara sua despedida da categoria. Ele vai encerrar sua carreira de 17 temporadas daqui a duas semanas, em Abu Dhabi. Em uma conversa descontraída com poucos jornalistas, o competidor lembrou de seus momentos na pista paulistana e também falou a respeito de seu futuro. Veja os melhores momentos do papo:

Sem frustração

“Quando eu tinha 15 anos e andava de kart, pensei que ficaria sempre no kart. Não me imaginava na Fórmula 1, conseguindo um pódio ou vencendo uma corrida. Terminar a carreira com dois títulos mundiais é mais que meus sonhos de criança. Há mais três campeonatos em que terminei em segundo. E isso despertou o respeito de muita gente, pois, em ao menos dois deles, não tínhamos o melhor carro e lutamos pelo título até a última corrida. O respeito vale mais que títulos”.

Alonso descontraído na entrevista
Alonso descontraído na entrevista
Foto: Beto Issa / GP do Brasil F1 2018

Memórias do Brasil

“Sempre que volto ao Brasil é uma sensação bonita, muitas lembranças de 2005 e 2006, quando fui campeão, e também de 2007 e 2012, quando fomos vice-campeões, mas foram corridas intensas. O Brasil sempre tem corridas, com muita emoção, muito estresse, muito nervosismo. E gosto do povo daqui, da maneira como aproveitam a corrida. É mais como uma atmosfera de futebol. Todos empolgados, apaixonados. Às vezes corremos em países em que as pessoas são mais calmas, sérias. Aqui é mais emocional, amamos correr aqui”.

Fórmula 1 sem brasileiros

“É estranho não ter um brasileiro. O país sempre teve vários campeões em diversas categorias, como a Fórmula 1 e a Indy, uma potência em monopostos. Esperamos que Sérgio Sette Câmara corra na F-1 no futuro. Mas há Felipe Nasr nos protótipos, Nelsinho Piquet e Felipe Massa na Fórmula E, Helio Castroneves e Tony Kanaan na Indy, além de pilotos com muito potencial em muitas categorias. Momentaneamente, (os brasileiros) estão fora da F-1”.

Pela Mclaren, Alonso disputa neste domingo seu 17º GP do Brasil
Pela Mclaren, Alonso disputa neste domingo seu 17º GP do Brasil
Foto: Beto Issa / GP do Brasil F1 2018

Sette Câmara na McLaren

“Será importante e bom para ele. No passado, o piloto de testes andava muito mais no carro, hoje em dia o trabalho de acertar é mais no simulador, com menos ação na pista, infelizmente. Mas estou certo de que fazer parte deste time, que é um dos mais bem-sucedidos da história do esporte, será uma grande oportunidade para ele. É uma situação de ganha-ganha. Espero que tenham sucesso no ano que vem”.

Conselhos a Lando Norris, seu substituto em 2019

“Fique focado, calmo, aproveite. Quando você chega à Fórmula 1, você sente toda a tensão, a pressão, aplica muita atenção ao que está fazendo. E às vezes esquece de fazer seu trabalho. Há tantas restrições em tudo o que você faz, tem que prestar atenção a tudo o que faz e, quando entra no carro, sua cabeça não está livre. Há muita coisa acontecendo. O conselho a um jovem piloto é que ele não se esqueça de suas habilidades. O que fez na GP2, na GP3, no kart. Na Fórmula 1 é a mesma coisa: você está atrás do volante e tem que entregar resultado. Não pode se envolver com todo o lado externo que existe na F-1”.

Futuro no esporte a motor

“A Fórmula E não está nos planos. Mas penso em disputar mais campeonatos ou provas. Ganhar a Tríplice Coroa, com Fórmula 1, Indianápolis e Le Mans, é um objetivo muito ambicioso. E há outras corridas lendárias dentro do esporte a motor que podem ser interessantes em um futuro próximo”.

Espanhol encerrará a carreira na F-1 aos 37 anos
Espanhol encerrará a carreira na F-1 aos 37 anos
Foto: Valeria Gonçalvez / Agência Petrobras

Ter uma equipe na F-1

“Tendo um patrocinador grande, sim. Um bem grande! (risos) Não, não está nos planos. A vida dá muitas voltas, nunca se sabe o que pode acontecer, mas agora mesmo penso em ter uma equipe no futuro, mas no kart e em fórmulas de acesso para jovens. A Fórmula 1 é um mundo restrito a grandes marcas de automóveis, onde estas empresas podem testar seus produtos, a tecnologia híbrida. Os últimos campeões de F-1 são sempre grandes montadoras. É muito difícil para uma equipe privada ter a capacidade de vencer estas grandes marcas”.

Escolinha de Kart na Espanha

“Na escola de kart temos crianças de oito a doze anos, ainda é difícil identificar um talento 100%. Há gente que tem muitos sonhos, gente que é muito rápida, mas para dizer seguramente quem é um talento, é necessário esperar alguns anos. Estão muito felizes por lá e tento mostrar a minha experiência de muitos anos, além de dar a estrutura, com circuitos e equipamentos para ajudar a realizar seus sonhos. Apenas 20% são espanhóis, e o resto é de fora”.

Veja também:

Hamilton nega perseguir recordes de Schumacher
Fonte: Especial para Terra

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade