PUBLICIDADE

F1 confirma GP da Inglaterra como primeiro teste da corrida de classificação em 2021

A primeira corrida de classificação da Fórmula 1 vai acontecer no palco da primeira corrida da história da categoria. O circuito inglês de Silverstone vai sediar o experimento que também teve programação definida

14 mai 2021 12h08
ver comentários
Publicidade
Silverstone será palco da primeira corrida sprint de 2021
Silverstone será palco da primeira corrida sprint de 2021
Foto: AFP / Grande Prêmio

A novidade agora tem hora para começar e terminar. Depois de anunciar as corridas de classificação para três etapas da temporada 2021, a Fórmula 1 confirmou o GP da Inglaterra como palco da estreia das corridas sprint e divulgou os horários atualizados do fim de semana no tradicional circuito de Silverstone. A decisão de escolher o autódromo já tinha sido informada pela direção do local há algumas semanas.

A categoria aprovou, em abril, de forma unânime, a introdução das corridas de classificação aos sábados. A distância da prova será de um terço em comparação aos GPs de domingo — 100 km —, além de distruibuir pontos para os três primeiros colocados. Agora, os horários para o GP da Inglaterra foram divulgados.

Na sexta-feira, 16 de julho, os pilotos entram duas vezes na pista de Silverstone. O primeiro treino livre acontece 10h30 (de Brasília), com duração de 1h. Quando o relógio bater 14h (de Brasília), os carros voltam a acelerar para a disputa da classificação.

Silverstone receberá um grande experimento da F1
Silverstone receberá um grande experimento da F1
Foto: Haas / Grande Prêmio

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! .

Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

No sábado, dia 17, os carros retornam para a disputa do segundo treino livre às 8h (de Brasília). Logo depois, 12h30 é a vez da primeira corrida sprint da história. No domingo (18), a corrida completa tem início previsto para 11h (de Brasília).

Os pneus serão impactados pela decisão. No novo formato, os times terão dois jogos de pneus disponibilizados, enquanto a classificação da sexta terá até 5. Já no sábado, no treino livre 2, um composto será escolhido pelas equipes, e a corrida de sprint acontece com até duas opções. No domingo, o GP acontece com o restante dos pneus disponíveis.

As regras do parque fechado serão adotadas a partir da classificação da sexta-feira, impedindo a troca dos principais componentes do carro. O objetivo é de evitar carros construídos especialmente para a classificação, limitar o número de horas necessárias para preparar o carro para o dia seguinte e permitir a reconfiguração dos carros para tornar o treino livre do sábado em uma sessão útil.

A saga das corridas de classificação remonta a temporada 2019 da Fórmula 1

A gestão do Liberty Media, que sempre advogou por uma mudança no formato dos finais de semana da categoria, começou a olhar com mais carinho para a possibilidade de corridas com grid invertido. O conceito era esse, apesar de ainda exigir estudos e negociações com as escuderias.

Como era de se imaginar, as equipes de ponta não ficaram contentes. Afinal, a Mercedes não votaria a favor de uma mudança que a forçaria a largar na última fila quase sempre. O plano acabou engavetado, ainda mais com questões como a pandemia se tornando mais urgentes ao longo do último ano.

A chegada de Stefano Domenicali como novo chefão da F1, substituindo Chase Carey, significou um novo impulso na proposta. Só que Domenicali precisou ceder: a ideia já não incluía mais grids invertidos, sendo apesar uma corrida mais curta aos sábados para definir a ordem de domingo, no GP de verdade. A ideia colou e, sem muita resistência no paddock, virou realidade agora.

Siga o GRANDE PRÊMIO nas redes sociais:

Grande Prêmio
Publicidade
Publicidade