3 eventos ao vivo

Chefe diz entender, mas que Verstappen precisa "se livrar de frustração" por abandonos

Max Verstappen anda irritado com os problemas de motor na Red Bull. Seu chefe, Christian Horner, compreende, mas espera que o holandês mude a cabeça logo

17 set 2020
14h04
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
Christian Horner e Max Verstappen
Christian Horner e Max Verstappen
Foto: Getty Images/Red Bull Content Pool / Grande Prêmio

As duas corridas mais recentes da Fórmula 1 terminaram em abandonos para Max Verstappen: GP da Itália e GP da Toscana. Por isso, o holandês não esconde a frustração que sente. Mas seu chefe na Red Bull quer que ele acabe com este sentimento logo.

Para Christian Horner, é "totalmente compreensível" se sentir assim, mas é hora de Verstappen "se livrar" desse desapontamento. Nas duas provas citadas, ele precisou deixar a pista por problemas no motor Honda.

"A gente tinha um carro forte em Mugello, rápido e com boa evolução. E aí ele vai da adrenalina à frustração de abandonar, é natural desabafar no rádio. Achamos que ele poderia ter brigado com a Mercedes, mas não teve nem chance disso se materializar", começou Horner.

"Foi a segunda corrida seguida em que ele acabou desapontado, e ele se sente assim porque tem fome de mais, quer muito ir além. Se ele não tivesse essa vontade, não seria o piloto que é, aquele que quer brigar por vitórias todo final de semana. Por isso, ele tem de se livrar dessa frustração e olhar para a frente. Vamos falar com ele antes do GP da Rússia e explicar o que nós e a Honda temos feito nos bastidores", completou.

Max Verstappen parou na caixa de briga e abandonou em Mugello (Foto: F1/Twitter)

Red Bull e sua fornecedora de motor podem até corrigir os problemas recentes, mas Horner não acha que isso fará com que Verstappen, especificamente em Sóchi, possa batalhar contra Lewis Hamilton e Valtteri Bottas.

"É o tipo de pista bom para a Mercedes. Mas a degradação dos pneus pode ser um fator interessante. Seria muito bom conseguirmos ser competitivos em Sóchi e colocar um pouco de pressão neles, é aí que as coisas podem acontecer. Estamos longe do título, mas não temos nada a perder", concluiu o dirigente.

O GP da Rússia está marcado para o dia 27 de setembro, naquela que será a décima etapa do Mundial de 2020.

Grande Prêmio
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade