3 eventos ao vivo

Atlético-MG é goleado e praticamente dá adeus a Libertadores

O Atlético agora junta os cacos e pensa na final do Campeonato Mineiro, contra o Cruzeiro, neste domingo, no Mineirão.

10 abr 2019
21h18
atualizado às 21h30
  • separator
  • 12
  • comentários

"Foi num baile em Assuncion, capital do Paraguai, onde eu vi as paraguaias, sorridentes a bailar". O trecho da música Galopeira, interpretada por Sérgio Reis e Chitãozinho e Xororó serviu exatamente para o jogo entre Cerro Porteño e Atlético, na noite desta quarta-feira, pela Copa Libertadores. Jogando fora de casa, o Atlético sofreu um baile de futebol, perdeu por 4 a 1, com direito a um apagão terrível no primeiro tempo.

O resultado do baile em Assunción é que o Galo segue apenas com três pontos no Grupo E da Copa Libertadores. O Cerro garantiu a classificação para a próxima fase do torneio, enquanto o Galo inicia as despedidas na primeira fase da competição. Com o Nacional vencendo o Zamora, matematicamente o Galo não está fora, mas é praticamente impossível que a combinação seja favorável.

O Atlético iniciou o jogo melhor, se defendendo com qualidade e, em um contra-ataque, abriu o placar. Mas não suportou a força do Cerro que partiu para cima e humilhou o Galo em solo paraguaio. No segundo tempo, ninguém rendeu: o Cerro por já ter o resultado e o Galo por não ter forças.

Ricardo Oliveira marcou na derrota em Assunção
Ricardo Oliveira marcou na derrota em Assunção
Foto: Jorge Adorno / Reuters

O Atlético agora junta os cacos e pensa na final do Campeonato Mineiro, contra o Cruzeiro, neste domingo, no Mineirão.

Primeiro tempo

O Atlético entrou em campo com a obrigação de fazer o que conseguiu apenas uma vez na história: vencer o Cerro no Paraguai. A única vez que isso aconteceu foi em 1981.

O Galo entrou em campo apostando nos contra-ataques. A equipe privilegiava a defesa e esperava o Cerro para sair jogando. Aos 6, a equipe paraguaia chegou com bastante perigo aproveitando um vacilo da defesa alvinegra.

Mas o Atlético estava com foco nos contra-ataques. E foi assim o primeiro tento da noite. Aos 18, em saída rápida do Galo, Luan pega a sobra de bola, na área e chuta cruzado para Ricardo Oliveira completar.

Jogadores do Cerro comemoram mais um gol contra o Atlético-MG
Jogadores do Cerro comemoram mais um gol contra o Atlético-MG
Foto: Jorge Adorno / Reuters

O Atlético, porém, ao abrir o placar seguiu com sua postura defensiva e não conseguiu mais buscar o ataque. O Cerro, irritado com sua situação dentro de casa, buscou o ataque.

Cinco minutos para virada e ampliação

Aos 28 minutos, Leonardo Silva foi bastante imprudente em um ataque do Cerro e saiu sem entender sua força. Ele derrubou o atacante adversário na entrada da área e fez falta. Na cobrança, aos 30, Acosta, ao melhor estilo Ronaldinho, colocando por baixo da barreira, colocou no fundo das redes. O leve desvio na barreira aliviou a situação de Victor para não ter em suas costas a culpa pelo tento sofrido.

Todavia, o segundo gol, três minutos depois, o arqueiro preto e branco falhou. Em um chute de fora da área, após bela tabela, num espaço que deveria ter, pelo menos, um volante, Fede Carrizo colocou no canto.

Dois minutos além, o terceiro. Em uma falha gritante de Fábio Santos, que entregou a bola para Victor Cáceres que limpou o lance e chutou forte para superar Victor e ampliar.

A soma de três gols em cinco minutos mexeram com o Atlético. Levir Culpi, do lado de fora, tomava um isotônico para tentar hidratar o que viria pela frente. O apagão não parou por ali. Aliás, piorou.

Aos 43, com uma falha incrível do goleiro Victor e do zagueiro Igor Rabello, Larrivey pegou a bola limpa, sem zagueiro, sem goleiro, apenas a trave em sua frente para colocar para dentro das redes.

Quando a partida chegou aos 45 minutos, o quarto árbitro marcou os quatro minutos de acréscimos que duraram uma eternidade. O preciso naquele momento era ir para o vestiário, juntar os cacos do que resta para tentar, com dignidade, finalizar a partida.

Segundo tempo

O Cerro tirou o pé no segundo tempo. Com um placar muito favorável, a equipe não fez tanto esforço para buscar o ataque, mas ainda aproveitava alguma chance para alcançar o ataque de forma mais preocupante. O Atlético se segurava em campo, tentava alcançar o ataque e, para isso, abria espaços. O Galo já sabia que a situação era complicada.

Levir tentou algo diferente. Tirou Luan e Cazares - preservando os jogadores para a final do Campeonato Mineiro no domingo - e colocou Chará e Vinícius. Pouco adiantou.

Jogadores do Atlético-MG saindo de campo após a derrota
Jogadores do Atlético-MG saindo de campo após a derrota
Foto: Jorge Adorno / Reuters

A entrada de Vinícius deu ao Galo mais mobilidade ao meio campo, o jogador entrou se movimentando bastante, tentando algo diferente, querendo ajudar. Já o Chará dando mais profundidade, mas rendeu pouco.

O Cerro não queria mais o jogo, o placar era favorável, o time seguiu com 100% na competição e confirmou sua classificação para a próxima fase.

FICHA TÉCNICA

CERRO PORTEÑO-PAR 4 x 1 ATLÉTICO

Local: La Olla Azulgrana, Assunção, Paraguai

Data: Quarta-feira, dia 10 de Abril de 2019

Horário: 19h15 (de Brasília)

Árbitro: Wilmar Roldan (COL)

Gols:

Cerro: Acosta, aos 30 do primeiro tempo

Carrizo, aos 33 do primeiro tempo

Victor Cáceres, aos 35 do primeiro tempo

Larrivey, aos 43 do primeiro tempo

Atlético: Ricardo Oliveira, aos 18 do primeiro tempo

Cartões: Espínola, Aguilar (Cerro); Bolt (Atlético)

CERRO PORTEÑO - Rodrigo Munoz, Juan Escobar, Cáceres, Fernando Amorebieta (Espínila), Marcos Acosta Rojas, Federico Carrizo, Victor Cáceres, Juan Aguilar, Villasanti, Nelson Haedo Valdez, Joaquin Larrivey.

Técnico: Fernando Jubero.

ATLÉTICO - Victor, Guga, Leo Silva, Igor Rabello, Fábio Santos, Adilson, Elias, Cazares (Vinícius), Luan (Chará), Maicon Bolt, Ricardo Oliveira.

Técnico: Levir Culpi.

Gazeta Esportiva Gazeta Esportiva
  • separator
  • 12
  • comentários
publicidade