2 eventos ao vivo

Recuperação econômica dos EUA pode ser lenta para desempregados

17 set 2020
16h44
atualizado às 16h53
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Em uma semana na qual os principais analistas melhoraram suas perspectivas para a recuperação econômica dos Estados Unidos, dados sobre a movimentação em lojas de varejo, contratação por parte de pequenas empresas e outros indicadores de alta frequência tiveram amplo recuo, sinalizando potencial dissociação na qual o crescimento acelera enquanto o mercado de trabalho fica mais lento.

Pessoas fazem fila do lado de fora do Kentucky Career Center antes de sua inauguração para encontrarem assistência diante de suas reinvindicações do auxílio-desemprego. 18/06/2020. REUTERS/Bryan Woolston.
Pessoas fazem fila do lado de fora do Kentucky Career Center antes de sua inauguração para encontrarem assistência diante de suas reinvindicações do auxílio-desemprego. 18/06/2020. REUTERS/Bryan Woolston.
Foto: Reuters

Autoridades do Federal Reserve (Fed, banco central dos Estados Unidos) projetaram impacto muito menor da pandemia da Covid-19 para a economia, com estimativa de que o Produto Interno Bruto (PIB) retraia 3,7% em 2020, em comparação a queda de 6,5% em junho, diferença, em termos de dólares, de mais de 1,5 trilhão de dólares. O cenário mais forte veio com melhora nas perspectivas traçadas por Goldman Sachs e outras instituições financeiras.

Mas o chair do Fed, Jerome Powell, também afirmou que restaurar os mercados de trabalho levará tempo em um ambiente no qual alguns dos principais geradores de empregos do país --pequenas empresas e firmas do setor de serviços com mão de obra intensiva-- enfrentam os maiores desafios da recessão provocada pelo coronavírus.

Com partes da economia mostrando recuperação estável, os índices de visitas a lojas e outros indicadores caíram após um forte movimento em razão do feriado do Dia do Trabalho, no início de setembro.

Dados da empresa de rastreamento de celulares Safegraph, a qual havia estimado que o deslocamento ao varejo quase atingiu os índices pré-pandêmicos no fim de semana do feriado, caíram seis pontos percentuais na semana passada. Dados semelhantes da Unacast também registraram declínio.

Números relacionados a jantares em restaurantes, de acordo com o aplicativo OpenTable, revelaram queda na movimentação, assim como as contratações em uma amostra de pequenas empresas cujos registros de tempo são mantidos pela Homebase.

Informações da provedora de dados e análises Chmura mostraram aumento nas novas ofertas de empregos, e dados mantidos pela Kronos sobre os turnos trabalhados em vários setores mostraram declínio menor relacionado ao feriado do que no ano anterior.

Mas há uma preocupação de que o ímpeto da recuperação possa estar enfraquecendo no que diz respeito aos postos de trabalho, mesmo que o impacto na atividade seja menor do que o inicialmente temido e alguns setores da economia, como o imobiliário, estejam voltando aos níveis pré-pandemia.

Desde a década de 1980, após cada recessão, levou-se cada vez mais tempo para recuperar os empregos perdidos durante a crise e, segundo a maioria dos índices, esta envolve um choque ainda mais profundo e complexo do que outras crises.

O PIB, a medida mais ampla do valor dos bens e serviços produzidos por pessoas e empresas, tende a se recuperar mais rapidamente, influenciado pela produtividade, pelo investimento e por outros fatores.

Essa recuperação começou rapidamente, gerando 10 milhões de empregos nos quatro meses de maio a agosto, ritmo que restauraria o mercado de trabalho aos níveis de fevereiro no início do próximo ano. Mas cerca de 22 milhões de empregos foram perdidos, e muitos economistas acreditam que os ganhos mais fáceis certamente já foram alcançados.

Os novos pedidos de seguro-desemprego semanal ficaram acima de 800 mil, quase o dobro do verificado na recessão de 2007 a 2009, apontando um problema contínuo.

Com cerca de 12,6 milhões recebendo benefícios regulares de desemprego na semana encerrada em 5 de setembro, "a magnitude das solicitações regulares contínuas é terrível", escreveu AnnElisabeth Konkel, economista do Indeed Hiring Lab.

"Conjuntos de casos da Covid continuam a surgir, e as empresas continuam fechando portas, afetando o sustento de milhões. Até que esse ciclo seja interrompido, uma recuperação econômica completa permanece fora de alcance."

Com setores inteiros, como o transporte aéreo e de restaurantes, sob pressão, empresas estão reorganizando seus arranjos de trabalho e consumidores, mudando seus hábitos.

"É uma reordenação muito significativa", disse Randall Kroszner, ex-membro do Fed e vice-reitor da Booth Schoolof Business, da Universidade de Chicago. "Haverá uma realocação enorme dentro do mercado de trabalho, e isso vai levar algum tempo", à medida que trabalhadores mudam de segmentos conturbados para setores em expansão.

Até agora, entre os empréstimos do governo relacionados à pandemia e os pagamentos por meio de programas como o seguro-desemprego, a renda familiar tem sido mantida.

Esse pode não ser o caso neste outono nos EUA. Muitos desses auxílios expiraram, e os dados sobre vendas no varejo em agosto mostraram uma suavidade inesperada que alguns analistas temem ser o início de uma desaceleração nos gastos, que pode levar algumas empresas à falência.

Apesar da recente melhora em algumas estimativas de crescimento para o PIB, outras mostraram poucas mudanças.

Um índice do Fed de Nova York, que usa dados semanais para prever a direção do PIB, caiu ligeiramente nas últimas semanas.

E um índice da Oxford Economics que rastreia a recuperação em métricas econômicas, de saúde e sociais também está praticamente estável desde o fim do verão no EUA.

Veja também:

Deputado Boca Aberta, a Flor de Lis e o mandado de prisão de 17 dias
Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade