0

O assustador vírus incurável que está dizimando criações de porco na China

Os preços de carne suína no mercado global podem aumentar drasticamente conforme a febre suína africana se espalha pela criação destes animais na China, onde está metade da população mundial de porcos.

26 abr 2019
16h37
  • separator
  • 0
  • comentários

As pandemias globais que causam impacto nos suprimentos de comida são especialmente assustadoras.

A China alega ter abatido mais de um milhão de porcos, mas analistas acreditam que o número pode estar sendo subnotificado
A China alega ter abatido mais de um milhão de porcos, mas analistas acreditam que o número pode estar sendo subnotificado
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

A mais recente ameaça vem da febre suína africana, um vírus altamente contagioso, sem cura conhecida, e com uma taxa de sobrevivência quase nula para os porcos infectados.

A boa notícia é que a doença (ainda) não é prejudicial à saúde humana. A má notícia é que isso provavelmente trará um prejuízo para o seu bolso.

O epicentro da atual crise é a China, maior produtora e consumidora de carne suína do mundo. O país é responsável por mais da metade da população global de porcos.

A China está lutando para conter a doença, que se espalhou para todas as partes do país desde agosto do ano passado.

Epidemia pode dizimar cerca de 200 milhões de porcos

Metade da população global de porcos está na China
Metade da população global de porcos está na China
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

Após meses afirmando que a situação estava sob controle, Pequim agora alerta que os preços da carne suína na China poderão subir mais de 70% no segundo semestre deste ano.

Isso, por sua vez, teria um impacto negativo sobre a economia chinesa, uma vez que os preços da carne suína contribuem de forma importante para seus níveis de inflação.

Dados oficiais divulgados na semana passada reforçam a gravidade da situação. O Departamento Nacional de Estatística diz que a população de porcos do país caiu em quase 40 milhões, para 375,3 milhões, em relação ao ano anterior, devido ao surto de febre suína.

No entanto, alguns analistas acreditam que a China tem subestimado a situação, em parte porque os criadores locais estariam ocultando informações sobre os surtos.

Olhando para o futuro, a epidemia poderia dizimar cerca de 200 milhões de porcos na China, de acordo com um relatório sombrio do banco holandês Rabobank.

A previsão é de que a produção de suínos da China cairá 30% neste ano, gerando implicações para os mercados globais de commodities.

"Para dar um contexto, o declínio atual na China é quase o mesmo da quantidade total de carne suína produzida na União Europeia", diz o estrategista global do Rabobank, Justin Sherrard.

Guerra comercial entre China e EUA

Leitões costumam estar presentes nas mesas de casamentos e grandes celebrações no país
Leitões costumam estar presentes nas mesas de casamentos e grandes celebrações no país
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

Ele afirma que a China não será capaz de importar porcos suficientes para compensar o déficit. "Não acreditamos que haja proteína animal suficiente disponível no mundo para compensar a diferença. E, assim, isso afetará outros mercados, nos quais os preços aumentarão", diz Sherrard.

"De certa forma, a escassez em uma região poderia ser uma boa notícia para uma outra região. Mas a magnitude da situação é tal que isso vai ser prejudicial para outros mercados. Não é uma situação simples em que você pode dizer 'com certeza que eles podem apenas importar para compensar a diferença'."

A China está, no entanto, tentando aumentar as importações de carne suína de outro grande produtor - os Estados Unidos - para compensar a menor oferta interna. Há apenas um problema: a guerra comercial travada pelo presidente americano, Donald Trump.

As exportações de carne suína dos Estados Unidos para a China enfrentam tarifas de 62%, devido à contínua disputa entre os dois países.

A tarifa normal é de 12%, mas uma tarifa adicional de 50% foi imposta no ano passado devido à briga, tornando a carne suína americana significativamente mais cara para os consumidores chineses.

Sherrard diz que as tensões comerciais atuais são uma "complicação indesejável", mas prevê que a escassez de carne suína pode acelerar a celebração de um acordo acelerado entre os dois lados.

"No fim, haverá algum tipo de resolução temporária, ou talvez permanente, na disputa comercial para conseguir que a carne de porco e outras proteínas animais fluam dos Estados para a China", diz ele.

"Na verdade, há relatos de grandes volumes de carne suína dos Estados Unidos sendo embarcados para a China, a despeito dessas tarifas estarem em vigor."

Vírus já afetou outros países

A carne suína está muito presente na dieta dos chineses
A carne suína está muito presente na dieta dos chineses
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

Além do surto na China, também há relatos do vírus no Vietnã, no Laos, no Camboja, na Tailândia e em outros países do sudeste asiático.

A Europa também foi afetada pela febre suína africana nos últimos anos, que pode ser transmitida tanto por porcos domesticados quanto por javalis.

"Depois de devastar as nações bálticas e o leste da Polônia em 2014, a febre suína africana apareceu na República Tcheca e perto de Varsóvia", diz Lynn Morgan, chefe para Europa da empresa de pesquisa Ipsos Business Consulting.

"Os preços da carne suína entraram em colapso devido à produção doméstica insuficiente e mais de um terço das fazendas de suínos faliram. Análises recentes sugerem que podemos esperar que a febre suína africana surja na população de javalis alemães nos próximos quatro anos."

Porcos infectados com a febre geralmente morrem dentro de dez dias. Se um único porco tiver o vírus, todo o rebanho deve ser abatido. Os agricultores sofrem geralmente perdas financeiras substanciais neste processo.

Ainda que o vírus da febre suína africana possa sobreviver por semanas ou meses em carne de porco crua e congelada, ele não é prejudicial aos seres humanos, de acordo com a Organização Mundial de Saúde Animal.

Ficou mais caro para a China comprar carne suína dos Estados Unidos
Ficou mais caro para a China comprar carne suína dos Estados Unidos
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

Mas isso pode mudar. Epidemiologistas acreditam que o vírus pode sofrer mutações, dada a semelhança entre a fisiologia do porco e a humana.

Enquanto isso, o site do Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido afirma que muitos surtos globais de doenças infecciosas (pandemias) que ocorreram na história recente foram causados por vírus anteriormente encontrados apenas em animais: "Após a mutação, os vírus tornaram-se capazes de infectar humanos".

Além de ser um alimento básico, o porco é historicamente e culturalmente um dos animais favoritos da China. É um dos doze animais do zodíaco chinês, e 2019 é o ano do porco, de acordo com o calendário lunar chinês.

Mas, até que a epidemia de peste suína africana seja controlada, há pouco para comemorar.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

https://www.youtube.com/watch?v=3cD7vSCG3Xo

https://www.youtube.com/watch?v=pQy-e4xTtfk

https://www.youtube.com/watch?v=fRLAw0Od72c

BBC News Brasil BBC News Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC News Brasil.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade