PUBLICIDADE

Não Caia Nessa

Entenda plano que fez a polícia do Piauí recuperar mais de 5 mil celulares roubados em menos de um ano

Através de um acordo com o judiciário, a polícia criou um banco de dados com os números de identificação dos aparelhos

25 mar 2024 - 11h22
(atualizado às 14h24)
Compartilhar
Exibir comentários
Polícia do Piauí desenvolveu programa para resgatar celulares
Polícia do Piauí desenvolveu programa para resgatar celulares
Foto: iStock

Quem teve o celular roubado ou furtado ainda pode ter esperança de recuperar o aparelho. Na capital do Piauí, em Teresina, a polícia resgatou mais de 5 mil telefones em 8 meses. Tudo isso através de uma estratégia de investigação que envolve um mapeamento minucioso e até blitz de trânsito. O caso foi contado pelo Fantástico, da TV Globo, no último domingo, 24. 

Essa história começa a partir da ideia de desenvolver um programa de computador que analisasse e agrupasse informações dos registros de furtos e roubo. Com a ajuda da Agência de Tecnologia da Informação do Estado do Piauí (ATI), a Secretaria de Segurança do estado criou o projeto. 

A captação de dados se tornou ainda mais fácil quando o Judiciário entrou na parceria e não passou a ser mais necessário abrir um procedimento para cada caso. Com esse empenho, localizar o celular após ser 'tomado' da mão do dono se tornou simples e rápido. 

Como funciona

O banco de dados criado pelo sistema inclui o IMEI, que é o número de registro de cada aparelho. É através desse código que a polícia do Piauí consegue saber exatamente onde foi parar cada telefone e com quem ele está. 

Através de uma ordem judicial, as operadoras de telefonia são obrigadas a fornecer todas as informações das pessoas que já habilitaram uma nova linha nesses celulares roubados ou furtados. Dessa forma, fica fácil achar o aparelho. 

O diretor de inteligência da Secretaria de Segurança Pública do Piauí, Anchieta Nery, explicou ao Fantástico que o celular começa a ser monitorado assim que a identificação por IMEI é feita. A partir daí, a pessoa que está em posse do aparelho roubado ou furtado não tem mais paz. 

Mais de 5 mil aparelhos foram devolvidos em menos de um ano
Mais de 5 mil aparelhos foram devolvidos em menos de um ano
Foto: Reprodução/TV Globo

Isso porque a polícia começa a disparar intimações em massa. "São 300, 500 ou 1000 intimações no mesmo dia. E para trazer uma segurança para o cidadão que é intimado, a intimação sempre sai de um perfil verificado da Secretaria de Segurança Pública", detalha.

O tempo desde a intimação até a entrega do aparelho costuma ser rápido. Depois de receber o aviso pelo celular, quem está usando o aparelho de origem duvidosa geralmente vai até a delegacia entregar às autoridades. 

No entanto, não dá para dizer se quem está com o celular em mãos foi o responsável pelo roubo ou furto ou se a pessoa apenas adquiriu um aparelho de origem duvidosa. Por esse motivo, quem atende ao chamado da polícia e entrega o telefone sai de lá apenas com um registro de devolução voluntária, sem ser responsabilizado.

E se a pessoa não entregar?

Se a pessoa que está em posse do celular não devolve o aparelho de forma voluntária, a polícia praticamente ‘manda buscar’. A partir das informações do telefone, os investigadores monitoram o paradeiro da pessoa e tentam o resgate pessoalmente. 

Para o retorno do celular acontecer, os policiais batem na porta daquele que não atendeu a intimação e até colocam blitzes de trânsito para checar os celulares. Dessa forma, Nery garante que o método é totalmente eficaz. "Hoje, o sistema de segurança do Piauí é capaz de afirmar que consegue buscar 100% dos celulares produto de roubo e furto", ressalta.

Para o secretário de Segurança Pública do Piauí, Chico Lucas, o procedimento é um modelo a ser seguido. Segundo ele, ao garantir punição aos que roubam ou furtam os aparelhos, a polícia desestimula o ato.

"A gente desestimula aquele ato criminoso lá da ponta do assaltante, porque ele deixa de vender para o comerciante e, por consequência, também o consumidor final, quando é responsabilizado, ele deixa de consumir", afirma. 

Penitenciária de Tremembé (SP) é conhecida por presos de casos notórios Penitenciária de Tremembé (SP) é conhecida por presos de casos notórios

Fonte: Redação Terra
Compartilhar
Publicidade
Publicidade