0

Lucro do BB sobe 20% no 4º tri ajudado por empréstimos ao consumidor

13 fev 2020
09h22
  • separator
  • 0
  • comentários

O Banco do Brasil divulgou na quinta-feira um aumento de 20,3% no lucro do quarto trimestre, ajudado pelos empréstimos ao consumidor e menores despesas tributárias, e também anunciou que poderá repetir um crescimento de dois dígitos no resultado em 2020.

29/10/2019
REUTERS/Adriano Machado
29/10/2019 REUTERS/Adriano Machado
Foto: Reuters

O lucro líquido recorrente, que exclui itens extraordinários, subiu para 4,625 bilhões de reais, ante 3,845 bilhões de reais no ano anterior, em linha com a estimativa de analistas compilada pela Refinitiv.

A carteira de empréstimos do Banco do Brasil encolheu por mais um trimestre, mas o retorno sobre o patrimônio líquido chegou a 17,7%, praticamente em linha com o trimestre anterior.

Isso reflete uma mudança nos desembolsos do banco, mais voltados agora a empréstimos ao consumidor, com margens mais altas. A margem financeira bruta do quarto trimestre aumentou 11,6% em relação ao ano anterior, enquanto a receita de tarifas cresceu 3,8%, graças a contas correntes e seguros, disse o Banco do Brasil.

As despesas operacionais aumentaram 8,7% no quarto trimestre em relação ao ano anterior, impulsionadas por maiores custos relacionados ao plano de saúde dos funcionários, enquanto as despesas tributárias caíram mais de 50%.

PREVISÕES

O banco espera que seu lucro líquido recorrente em 2020 fique entre 18,5 bilhões e 20,5 bilhões de reais, o que implica um aumento potencial de 15% em relação aos resultados do ano passado. Em 2019, o lucro líquido foi de 17,8 bilhões de reais.

O Banco do Brasil prevê que sua carteira de empréstimos retome o crescimento em todas as linhas em 2020, com os empréstimos ao consumidor continuando a liderar a expansão. A expectativa é que o crescimento total da carteira de empréstimos fique entre 5,5% e 8,5% em 2020.

Em novembro, o vice-presidente financeiro, Carlos Hamilton Araújo, disse a analistas que os resultados de 2020 seriam impulsionados por empréstimos ao consumidor e menores despesas com provisão para perdas com empréstimos.

No comando do Banco do Brasil desde janeiro de 2019, o presidente Rubem Novaes vem tentando encontrar maneiras de tornar a instituição financeira controlada pelo governo mais competitivo para enfrentar rivais privados.

O banco tem vendido alguns ativos considerados não essenciais e também formou joint ventures para expandir alguns negócios, como a joint venture para o banco de investimento anunciada em novembro com o UBS Group AG.

A administração do Banco do Brasil está planejando reformas para competir de forma mais eficaz com rivais privados depois que o presidente Jair Bolsonaro anulou uma tentativa da administração de privatizar totalmente o credor, como informou a Reuters no mês passado.

Veja também:

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade