0

Juros passam a cair com perda de força do dólar em meio à espera por Bolsonaro

22 jan 2019
10h26
  • separator
  • comentários

Os juros futuros passaram a exibir viés de baixa, paralelamente à perda de força do dólar ante o real no mercado à vista na manhã desta terça-feira, 22. Mas, nos primeiros negócios, predominou um viés de alta das taxas em meio ao avanço da moeda americana ante o real, em linha com o ajuste positivo externo frente outras divisas de países emergentes exportadores de commodities. O recuo do petróleo na esteira de uma realização de ganhos recentes em meio a preocupações com a economia global ajudam a apoiar o dólar no exterior.

Na renda fixa, até que o mercado conheça detalhes da reforma da Previdência e o Congresso volte aos trabalho, em fevereiro, o mercado tende a seguir mais morno, na avaliação de profissionais consultados pelo Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado. Na segunda-feira, o mercado de juros teve mais uma sessão de liquidez reduzida, com os mais curtos perto da estabilidade e os mais longos em leve baixa.

Para esta terça, a agenda dia traz como destaque o discurso do presidente Jair Bolsonaro na sessão plenária do Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça, às 12h30 (de Brasília), que tende a não mexer com os negócios, uma vez que já foi dito que ele não especificará o conteúdo da proposta que está sendo preparada por sua equipe.

O presidente em exercício, general Hamilton Mourão, afirmou na segunda que a proposta de reforma deverá ser apresentada pelo governo só depois das eleições da Câmara e do Senado, que ocorre no dia 1º de fevereiro, junto com a volta do recesso parlamentar.

Na política monetária, mesmo sem detalhes ainda sobre a reforma da Previdência, o cenário segue sendo para Selic estável por algum tempo. A próxima reunião do Copom será nos dias 5 e 6 de fevereiro.

Às 10h05, o contrato de DI para janeiro de 2021 caía a 7,31%, após mínima em 7,29% e máxima mais cedo em 7,37%, ante 7,34% no ajuste de segunda-feira. E o DI para janeiro de 2023 estava a 8,40%, ante mínima em 8,38% e máxima em 8,46%, de 8,44% no ajuste anterior.

No câmbio, o dólar à vista voltava a exibir viés de alta, a R$ 3,7620 (+0,04%), após ter registrado mínima em R$ 3,7565 (-0,11%). Já o dólar futuro para fevereiro seguia em alta, de 0,19%, a R$ 3,7630, após mínima mais cedo em R$ 3,7580 (+0,07%). Na máxima, até esse horário, o dólar fevereiro atingiu R$ 3,7705 (+0,40).

Estadão

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade