PUBLICIDADE
URGENTE
Saiba como doar qualquer valor para o PIX oficial do Rio Grande do Sul

IPVA, IPTU e matrícula: como organizar contas de início de ano

2023 chegou com força total e junto com ele as contas de todo início de ano. Veja como se organizar

5 jan 2023 - 06h10
Compartilhar
Exibir comentários
Foto: Adobe Stock

O ano virou, 2023 começou a todo vapor. Mas todo início de ano traz também aquela velha dor de cabeça: a avalanche de contas. Tem IPTU, IPVA, seguro, fatura do cartão com as compras do Natal, matrícula na escola... Como organizar tudo isso?

Se você já fez um planejamento financeiro para o início do ano, certamente está tranquilo com o momento. Se não fez, ainda dá tempo: coloque tudo em uma planilha ou use um aplicativo de organização financeira, como Organizze ou Mobills. É muito importante que você saiba exatamente quanto está gastando para controlar as suas despesas.

IPVA

O IPVA é calculado sobre o valor de mercado do automóvel, representando em média entre 3% e 4% do preço do bem. O Governo do Estado de São Paulo permite o pagamento parcelado em até cinco vezes. 

Pelo segundo ano consecutivo, há um prazo maior aos proprietários de veículos paulistas para recolher o IPVA e aliviar as contas de início do ano. Já os proprietários que decidirem quitar antecipadamente o tributo em janeiro, o desconto será de 3%, que é uma opção atrativa, pois é maior que um rendimento em poupança, por exemplo.

A novidade para 2023, é que, dependendo do valor do IPVA, o sistema calculará automaticamente o número de parcelas: em três, em quatro ou em cinco parcelas, iguais e consecutivas ― desde que o valor mínimo por cota seja de R$ 68,52.

Para consultar o valor venal do automóvel para 2023, a Sefaz-SP preparou uma página simplificada de consulta, bastando o proprietário informar a placa do veículo. Clique aqui para consultar.

DPVAT

O Seguro de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores Terrestres é outro gasto obrigatório para os donos de carro. Vale observar que mesmo que você tenha um seguro particular pro seu automóvel, o pagamento do DPVAT é obrigatório.

Esse valor você paga em cota única, sem desconto, e não está mais vinculado ao IPVA, como era alguns anos atrás.

Licenciamento do seu carro

O pagamento do licenciamento depende do final da placa do seu carro. Consulte a página do Detran para saber exatamente qual a data para licencimento do seu veículo.

Aqui vale lembrar que alguns estados brasileiros oferecem a opção de pagar o licenciamento junto com o IPVA, mesmo que as datas de vencimento sejam diferentes.

Matrícula escolar

Se você tem filhos, já sabe que início de ano traz essa despesa pesada com matrícula e material escolar ― além da mensalidade, que geralmente sofre reajuste nesta época.

Como não há muito o que fazer em relação a matrícula e mensalidade, você pode tentar economizar no material escolar. Não custa nada reaproveitar material de anos anteriores ou entrar em grupo de compras coletivas para economizar.

E vale sempre lembrar: materiais de higiene e limpeza são proibidos de constar na lista dos pedidos da escola, segundo o Procon.

IPTU

O Imposto Predial e Territorial Urbano também chega no início do ao para quem tem propriedade imobiliária urbana. As datas de vencimentos e valores exatos variam por município, mas fique atento que muitos dão descontos para pagamento em dia com cota única.

Seguros

A renovação anual da maioria dos seguros acontece no início do ano também. Pode ser seguro do carro, de vida ou de eletrônicos como celulares, por isso, é importante ficar atento à data de vencimento.

Boletos, boletos e mais boletos

Eles não param de chegar, não é? E se você se empolgou com as compras do Natal, prepare-se que a conta pode ficar bem salgada. 

É importante ter o planejamento financeiro bem ajustado nesta época, pois também boletos de empréstimos e financiamentos pendentes chegam para pesar ainda mais a conta do início do ano.

Priorize o que é mais importante

Se você não fez um planejamento financeiro ou acabou gastando mais do que podia, já sabe que a conta não vai bater. Porém, tenha calma, esse é um momento que precisa ser administrado com tranquilidade.

Antes de mais nada, faça uma lista de suas prioridades, do que não pode deixar de ser pago de jeito nenhum ― inclusive à vista. Em seguida, veja o que pode ser parcelado, afinal, é melhor pagar em parcelas do que deixar de pagar.

Se você guardou uma parte do 13º salário para essas contas, seu esforço foi recompensado com uma dor de cabeça a menos. Quanto mais você conseguir pagar, menos noites sem sono terá no resto do ano.

Fuja das liquidações de início de ano

O comércio começa nesta época uma temporada de liquidações que é irresistível. Se você adiou as compras de Natal para poder gastar agora, o momento é bem propício. Porém, se já fez suas compras, deve fugir das tentadoras liquidações de início de ano.

Será que você precisa mesmo daquele celular novo que está na promoção? E os descontos que sua loja favorita anda mandando para você, como resistir? Não existe fórmula mágica: resista. Só compre o que você realmente estiver precisando.

Evite os parcelamentos

Como dissemos acima, parcelamento só em caso de extrema necessidade, afinal, melhor pagar aos poucos do que deixar de pagar. Mas pagar o valor integral é sempre a melhor opção, em qualquer situação.

IPVA e IPTU geralmente têm descontos para pagamento do valor integral, então, é certamente a melhor escolha se você tiver recursos para isso.

Quanto ao boleto do cartão de crédito, só pague o mínimo se for uma situação extrema. Os juros rotativos são os verdadeiros vilões que podem complicar muito a sua vida financeira.

A hora de renegociar

Pode chegar ao ponto de que nem o parcelamento resolve a situação de determinada conta que precisa ser paga. Então, é hora de renegociar. É o último recurso para evitar que a dívida fique pendente.

Tenha em mente que as empresas não querem um cliente inadimplente, portanto, se você mostra disposição de renegociar para não atrasar o pagamento, a empresa vai ter alguma proposta que pode ajudar.

O importante é ter em mente que o planejamento financeiro é vital. Se você já fez o seu, então já sabia até mesmo o que não iria conseguir pagar. Se não fez, comece imediatamente. Pode ter certeza que assim precisará gastar menos com remédios para dor de cabeça no futuro.

Redação Dinheiro em Dia
Compartilhar
Publicidade
Publicidade