0

Guedes espera demissão de secretário que irritou Bolsonaro

Waldery Rodrigues, da Fazenda, é considerado 'superfiel' ao ministro, mas já vinha apresentando problemas de relacionamento com a equipe

16 set 2020
13h53
atualizado às 14h09
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Depois das críticas públicas do presidente Jair Bolsonaro, o ministro da Economia, Paulo Guedes, espera que o secretário de Fazenda da pasta, Waldery Rodrigues, peça demissão do cargo. Segundo auxiliares de Guedes, Waldery é considerado um secretário "superfiel" ao ministro, mas já vinha apresentando problemas de relacionamento com a equipe.

Waldery Rodrigues é considerado fiel ao ministro Paulo Guedes
Waldery Rodrigues é considerado fiel ao ministro Paulo Guedes
Foto: Fábio Rodigues Pozzebom/Agência Brasil / Estadão Conteúdo

De acordo com as fontes, havia muitas críticas ao comportamento do secretário fora e dentro do ministério, e a "fritura" de Bolsonaro deve acelerar uma mudança que já ocorreria. Mas Guedes é próximo de Waldery, e a solução "mais fácil" seria o próprio secretário apresentar um pedido de demissão.

Na terça-feira, 15, o presidente Jair Bolsonaro disse que daria "cartão vermelho" a quem sugeriu congelar o reajuste de aposentadorias para bancar o natimorto Renda Brasil, programa que Guedes queria criar em substituição ao Bolsa Família. Waldery falou do tema em entrevista ao G1. Mais tarde, Guedes disse, em live, que o cartão vermelho não era para ele.

Brigas

De acordo com as fontes, as desavenças com Waldery ajudaram a afastar do governo nomes como Mansueto Almeida e Caio Megale e da secretaria de Fazenda Esteves Colnago e Jefferson Bittencourt.

Em dezembro do ano passado, Waldery provocou uma saia justa ao declarar que Mansueto, então secretário do Tesouro Nacional, deixaria o cargo. A afirmação, também dada em entrevista, causou desconforto porque ocorreu pouco tempo depois de Mansueto ter acertado com o ministro da Economia sua permanência no cargo por mais um período.

O caso levou Waldery e Mansueto a irem juntos até a sala do comitê de imprensa do Ministério da Economia, onde ficam os jornalistas que fazem a cobertura diária, para afastar os ruídos que mexeram com o mercado. A "operação abafa" foi montada pela área de comunicação de Guedes, preocupada que a notícia dada por Waldery se espalhasse.

O ministro chegou a juntar os dois auxiliares em uma reunião para acertar os "ponteiros". Mansueto acabou deixando o governo apenas em julho deste ano.

Veja também:

Bolsonaro fala em 'cartão vermelho' para quem sugere congelar aposentadorias e enterra Renda Brasil
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade