PUBLICIDADE

GPA tem prejuízo de R$303 mi no 4º tri

22 fev 2024 - 08h04
(atualizado às 11h04)
Compartilhar
Exibir comentários

O GPA teve prejuízo líquido consolidado de 303 milhões de reais no quarto trimestre do ano passado, em resultado divulgado no fim da noite de quarta-feira que mostrou despesas avançando em ritmo mais rápido que as receitas ante o mesmo período de 2022.

Considerando as operações continuadas do grupo, a companhia teve prejuízo líquido de 87 milhões de reais nos três últimos meses de 2023, ante resultado negativo de 272 milhões um ano antes.

Enquanto a receita líquida da companhia cresceu 7,3% no período, para 5,26 bilhões de reais, as despesas com vendas, gerais e administrativas avançaram quase 16%, para 988 milhões de reais.

As ações do GPA chegaram a abrir em forte alta, mas reverteram o sinal e por volta das 11h exibiam queda de 1,2%, enquanto o Ibovespa avançava 0,4%. O rival Carrefour, que divulgou balanço na segunda-feira com prejuízo de 565 milhões de reais no quarto trimestre, subia 2%.

O resultado operacional medido pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado consolidado do GPA foi de 404 milhões de reais no período, alta de 70,7% sobre um ano antes. A margem passou de 4,8% para 7,7%. Segundo a empresa, foi o melhor Ebitda ajustado dos últimos oito trimestres.

A empresa dona da bandeira Pão de Açúcar abriu 12 novas lojas no quarto trimestre, das quais 11 no formato de proximidade. No período, o GPA fechou 11 lojas, sendo sete supermercados. A base de pontos de venda da empresa encerrou dezembro com 767 lojas, das quais 194 são supermercados Pão de Açúcar.

Questionado sobre os fechamentos, o presidente-executivo do GPA, Marcelo Pimentel, afirmou que, das 11 lojas encerradas, "três ou quatro" foram em caráter temporário para serem incorporadas em projetos residenciais. As restantes foram fechadas por questões de performance menor que a esperada pela empresa.

As vendas mesmas lojas do formato Pão de Açúcar subiram 4,2% ante 6,7% um ano antes. No formato de proximidade, um dos focos de expansão da empresa, as vendas mesmas lojas subiram 5,6% no último trimestre do ano passado, ante ritmo de 17,3% no mesmo período de 2022.

Pimentel, que entrou no GPA em abril de 2022 e iniciou um plano de reestruturação de três anos que se encerra em 2024, citou uma base de comparação mais forte e que "continua havendo deflação em algumas categorias, por exemplo açougue".

Mas o executivo citou sem dar detalhes que "janeiro foi mês bastante forte para nós...E acabamos de sair sazonalidade de carnaval que também foi muito boa".

O GPA terminou 2023 com caixa de 3 bilhões de reais, equivalente a 3,1 vezes a dívida de curto prazo. A alavancagem foi de 1,7 vezes, praticamente estável sobre o indicador apurado um ano antes.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Publicidade