PUBLICIDADE

FMI alerta que aperto monetário nos EUA pode retardar recuperação da Ásia

25 jan 2022 11h13
ver comentários
Publicidade

Os aumentos esperados das taxas de juros pelo banco central norte-americano podem atrasar a recuperação econômica dos países emergentes da Ásia e manter a pressão sobre os formuladores de política monetária para se protegerem contra o risco de saída de capital, disse um funcionário de alto escalão do Fundo Monetário Internacional (FMI) nesta terça-feira.

A crescente pressão inflacionária, a desaceleração econômica da China e a disseminação de casos de coronavírus da variante Ômicron também obscurecem as perspectivas para a região, disse Changyong Rhee, diretor do Departamento da Ásia-Pacífico do FMI.

"Não esperamos que uma normalização monetária dos EUA cause grandes choques ou grandes saídas de capital na Ásia, mas a recuperação da Ásia emergente pode ser retardada pelas taxas de juros e alavancagens globais mais altas", disse ele à Reuters em entrevista por escrito.

À medida que as preocupações com um Fed mais agressivo agitam os mercados globais, investidores esperam que o banco central dos EUA sinalize na quarta-feira seu plano de aumentar as taxas de juros em março. Os mercados precificaram um total de quatro aumentos de taxas neste ano.

Rhee disse que existe risco de a inflação nos EUA ficar mais alta do que o esperado e exigir um aperto monetário "mais rápido ou maior" pelo Fed.

Na versão atualizada do relatório Perspectiva Econômica Mundial divulgada nesta terça-feira, o FMI reduziu a projeção de crescimento da Ásia emergente para 2022 a 5,9%, ante 6,3% do prognóstico de outubro.

O rebaixamento deveu-se em grande parte a um forte corte de 0,8 ponto percentual na estimativa de crescimento para a China em 2022, a 4,8%, o que refletiu impacto dos problemas do setor imobiliário e desdobramentos sobre o consumo decorrentes de restrições rígidas à Covid-19.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade