PUBLICIDADE

O que você precisa saber pra começar sua reserva de emergência

Loni Batist, diretora da Guide Life e educadora na plataforma de educação financeira O Guia Financeiro dá as orientações

1 ago 2022 - 09h04
Ver comentários
Publicidade
Foto: Adobe Stock

Reserva de emergência, como o nome já diz, é aquela sua reserva financeira que você poderá usar caso alguma eventualidade aconteça e você possa utilizar esse dinheiro e não se endividar, explicou Loni Batist, diretora da Guide Life, área da Guide Investimentos voltada para educação financeira. 

Se você ainda não tem a sua reserva de emergência, saiba já como começar, assim, você terá mais tranquilidade com as finanças no futuro. 

Como escolher os investimentos para reserva de emergência 

Por causa da inflação, não basta apenas guardar um dinheiro para a reserva de emergência, pois se o dinheiro fica parado em uma conta-corrente comum, assim como num cofrinho, ele perde valor de compra. Então, não basta poupar, mas é preciso investir. 

De acordo com Loni, as duas principais características dos ativos que devem fazer parte da reserva de emergência são: baixa volatilidade e alta liquidez. 

Isso quer dizer que o ativo tem pouca variação de preço ao longo do tempo e, como Loni explica: “Ele precisa ser facilmente resgatado e transformado em dinheiro na sua mão para você pagar essa situação emergencial”. 

Qual o valor ideal da reserva de emergência

O valor que deve ser reservado para a reserva de emergência pode variar de caso para caso, conforme variáveis como empregabilidade. Mas como regra, pode-se usar o equivalente a seis meses de despesas básicas. 

Então, Loni explica que a conta é a seguinte: veja qual o valor dos seus gastos essenciais por mês e multiplique por seis, esse é o valor de referência para a sua reserva de emergência. 

Quais ativos indicados para a reserva de emergência 

Os ativos indicados para uma reserva de emergência são os produtos de renda fixa que tenham liquidez diária. São investimentos como: CDB com liquidez diária, LCI e LCA, desde que tenham também liquidez diária. De acordo com Loni Batist, contas que tenham remuneração pelo CDB também podem fazer parte da reserva de emergência.

Além disso, você pode também investir em fundos de renda fixa, fundos referenciados DI, que costumam ter menor volatilidade e maior liquidez, e também no Tesouro Selic, que é um título público do governo. 

O que você precisa saber pra começar sua reserva de emergência:

 

Redação Dinheiro em Dia
Publicidade
Publicidade