PUBLICIDADE

Conheça os principais novos golpes com Pix, cartão e celular

A criatividade dos bandidos não tem fim. Por isso você precisa sempre estar preparado

30 jul 2022 - 06h15
Ver comentários
Publicidade
Foto: Adobe Stock

São tantos os golpes atualmente assombrando o brasileiro que é até difícil fazer um listão com todos eles. Reunimos os principais golpes que estão na “moda” neste momento. Você precisa estar preparado.

Golpe do Pix falso

Funciona assim: o golpista faz um depósito de R$ 0,01, edita o comprovante no computador e altera para o valor do produto que está pedindo. Na correria do dia a dia, os restaurante são as principais vítimas, pois para atender rapidamente aos epdidos, acabam caindo nessa roubada.

Nesta semana, uma pizzaria em Teresina-PI caiu no golpe do Pix falso. Porém, o dono decidiu se vingar e mandou pro golpista uma pizza falsa (sem recheio) e um refrigerante falso (com sal dentro).

Golpe do Pix “espalhado”

Funciona dessa forma: assim que recebe a transferência feita pela vítima na conta, o golpista transfere o valor pago pela vítima para várias contas de diferentes instituições, dificultando a localização e cancelamento da operação pelos bancos. Para se defender, o segredo aqui é que você não deve se preocupar com a forma de pagamento e sim com quem está recebendo os valores. 

É claro que usar cartões virtuais oferecidos pelos bancos ajuda a evitar que clonem ou rastreiem o cartão de crédito, mas nestes casos de transferência de valores, o golpe não envolve o sistema, e sim para quem você está transferindo o valor. 

Sempre confirme que a pessoa ou empresa que está solicitando um empréstimo ou vendendo um produto é realmente quem diz ser.

Golpe do Auxílio Brasil

Só na última semana, a PSafe identificou mais de 140 mil tentativas desse golpe, o equivalente a mais de 20 mil por dia. O ataque começa através do phishing e, em alguns dos sites maliciosos, eles já incluem o botão compartilhar como condição para receber o falso benefício, que é para induzir a vítima a propagar o golpe mais facilmente.

Primeiro, a vítima recebe uma mensagem via SMS, e-mail ou Whatsapp informando que ela tem direito ao benefício do programa, prometendo inclusive valores até seis vezes maior que o valor real. A outra forma é enviando para a vítima uma mensagem com um link para que consulte se possui direito ao benefício, bastando inserir alguns dados para fazer a falsa verificação.

É preciso salientar que as mensagens usam as cores dos aplicativos oficiais dos programas e prometem envio de Pix no valor de R$ 2.500,00. 

Golpe do Bilhete Único

O golpista aborda as pessoas próximo às catracas de estações do metrô da capital paulista. Os criminosos têm cartões do Bilhete Único para vender a passagem mais barata sem serem percebidos pela segurança. Muitas vezes o bilhete é falso. Em outras, pode ser roubado.

Golpe do falso emprego

No Brasil, a cada minuto dois brasileiros recebem uma falsa oferta de emprego com um link malicioso, segundo levantamento da Psafe. 

“Com tantas pessoas desempregadas e em busca de recolocação, os criminosos que enviam mensagens em massa acabam encontrando desavisados, que acabam caindo no golpe”, alerta Regina Acutu, CEO da ferramenta de captura técnica de provas digitais Verifact. “A dica é nunca clicar em links suspeitos, principalmente de números que não estão na sua agenda. Mas também evitar clicar em links ainda que enviados por amigos, caso pareçam ter direcionamentos suspeitos. Se está em busca de emprego, sempre confirme se aquele é realmente o número da empresa que oferece a vaga, desconfie de ofertas muito vantajosas e não compartilhe dados ou informações pessoais.”

Golpe da falsa venda de produtos em redes sociais

Sempre desconfie de preços atrativos demais, mesmo que tenham sidos enviados por amigos. É comum que golpistas se apropriem do perfil de terceiros para anunciar ofertas falsas, inclusive com a desculpa de que precisam se desfazer logo dos produtos. 

“Ao se interessar por qualquer produto online anunciado em redes sociais, verifique se é realmente a pessoa que está fazendo a solicitação ou venda: tente fazer uma visita pessoalmente ou fazer uma videochamada. Se o anúncio partir da rede social de alguma empresa, verifique se há algum histórico de reclamações da empresa em sites que reúnem reclamações de consumidores e se realmente se trata de um canal oficial, geralmente os sites oficiais da empresa informam as redes sociais no canal”, diz a especialista.

Golpe do pedido de dinheiro por apps de mensagens

Esse é o golpe mais popular, porém, ainda assim tem muita gente caindo nele. Os criminosos se passam por um familiar ou amigo próximo e usam da confiança da vítima para acelerar o processo. Geralmente o golpe começa quando se rouba a identidade digital de alguém, seja em um mensageiro como Whatsapp ou em uma rede social como Instagram.

Em seguida, eles dizem que estão precisando de dinheiro para resolver uma questão urgente, mas que estão sem acesso às contas bancárias e pedem que a vítima empreste os valores por apenas algumas horas, prometendo devolver o valor ainda no mesmo dia. 

“A principal forma de se proteger é entrando em contato com a pessoa que solicitou o valor por telefone ou videochamada antes de fazer qualquer movimentação, ainda que o número seja o mesmo que você esteja acostumado a conversar, isso porque alguns criminosos estão se apropriando inclusive dos números de telefones de outras pessoas para cometer crimes.”

Apropriação do número de telefone

Usar os contatos das redes sociais ou do próprio telefone também é um golpe muito lucrativo, afinal, as operadoras telefônicas no Brasil não contam com barreiras suficientes para evitar que se apropriem dos números. 

“Para evitar cair nele e perder o seu número de telefone, nunca forneça códigos que receba por SMS em nenhuma ligação, cadastre a verificação do número em duas etapas, evite se conectar em redes Wi-Fi públicas, não clique em links suspeitos, principalmente os recebidos por SMS ou whatsapp com ofertas de emprego ou prêmios e fique atento às permissões concedidas aos aplicativos que usa”, aconselha Regina.

Redação Dinheiro em Dia
Publicidade
Publicidade