PUBLICIDADE

Demanda por produto 'limpo' é mais uma exigência do consumidor

Executivos dizem que boas práticas são condições que não podem ser mais desprezadas pelas empresas

3 jul 2022 - 05h10
Ver comentários

O consumidor está ansioso. E, até por isso, faz setores como os de energia e de automóveis se mexerem. Se de um lado empresas que apostam em energias renováveis estão crescendo mais do que a média dentro de seus setores, de outro, montadoras de carros se apressam para colocar um fim na venda de veículos movidos a combustíveis fósseis. O que deve ocorrer, se as promessas forem cumpridas, na próxima década.

"O consumidor quer (consumir energia limpa). Essa é uma demanda que está dada", afirmou Claudio Ribeiro, CEO da 2W Energia, para quem as próprias companhias hoje, além de olhar para o longo prazo, devem assumir causas relacionadas com o bem-estar do planeta e das futuras gerações. "Temos de pensar nos filhos e netos", afirmou o executivo no Summit ESG do Estadão.

Não é apenas o consumo mais no sentido literal que está sendo impactado pelo cenário ESG e por uma vontade de que o mundo sobreviva às mudanças climáticas globais, o que só vai ocorrer se as emissões de carbono forem de fato reduzidas. A escolha por investimentos alinhados com boas práticas de governança, de proteção ao meio ambiente e de cuidado social também está crescendo, e bastante.

"O retorno a qualquer custo está ficando no passado. No nosso caso, nós olhamos tanto para o core da empresa. Ou seja, se ele responde a algum problema estrutural do país mas, também, para os processos ligados ao conceito ESG, que hoje são obrigatórios para qualquer empresa", afirmou Luciana Ribeiro, sócia gestora da eB Capital.

Dentro do escopo da casa de investimento em private equity - as empresas que recebem financiamento são de porte médio, ao contrário do venture capital, que alavanca startups -, um setor que a empresa está investindo é o da educação profissionalizante, um gargalo importante no Brasil, segundo Luciana. "Estamos caminhando para termos uma geração mais pobre do que a dos próprios pais, por causa do alto desemprego registrado entre jovens de 14 e 24 anos." Atacar esse problema, por meio dos investidores e das empresas interessadas em oferecer educação profissional é um ganha-ganha, disse Luciana.

Impacto

"O ESG pode ser resumido em como a empresa decide aplicar suas práticas, o que não pode ser confundido com o impacto do negócio, que é mais o que a empresa faz", afirmou Livia Brando, diretora de venture capital da VOX Capital, no evento do Estadão. Para o grupo, está claro que os negócios que não ajudam o mundo a ser mais circular terão menos chances de sobreviver. Um dos exemplos, que além da temática em que a empresa atua também analisa ainda a relevância do mercado que ela está inserida, está no campo da alimentação do futuro. A Nude é uma startup voltada para o desenvolvimento de lácteos à base de aveia fundada pelo casal Alexander e Giovanna Appel.

Estadão
Publicidade
Publicidade