1 evento ao vivo

CSN diz que vai aumentar preços de aço em março e vê necessidade de novo reajuste no 2º tri

23 fev 2021
17h30
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

A CSN espera que o preço médio de aço praticado pela empresa no primeiro trimestre seja 25% maior que o registrado no fim do ano passado, em meio a uma combinação de migração de efeitos de reajustes passados com novos, afirmou nesta terça-feira o diretor comercial da companhia.

CSN em Volta Redonda
 16/1/2009 REUTERS/Fernando Soutello
CSN em Volta Redonda 16/1/2009 REUTERS/Fernando Soutello
Foto: Reuters

"No primeiro trimestre vai ter um 'carry over' de preços em torno de 25% que já está dado...Além do carry over, provavelmente vamos ter mais um aumento em março para distribuição focado em (laminados) a quente e a frio", disse Luis Fernando Martinez, em teleconferência com analistas do setor. Ele lembrou que a CSN reajustou preços em 19% no quarto trimestre de 2020.

"No segundo trimestre...vai ter da ordem de 20%, isso está dado, não tem o que fazer", acrescentou o executivo.

Para o presidente da companhia, Benjamin Steinbruch, os reajustes seguidos no preço do aço no Brasil são "atualização de custos para que você se mantenha competitivo nas margens do mercado".

"Realmente, para a siderurgia, eu vejo necessidade de novo aumento em março e muito provavelmente outro aumento no segundo trimestre", disse o Steinbruch.

O setor siderúrgico tem enfrentado críticas há meses sobre os reajustes de preços promovido no país. Na véspera, o presidente do Instituto Aço Brasil, Marco Polo de Mello Lopes, considerou as críticas injustas, citando que várias matérias-primas, como aço e carvão, têm visto saltos de preços e afirmou que as usinas têm elevado produção para atender a forte demanda interna.

Os comentários da CSN, porém, destoam de mensagem dada por distribuidores de aços planos mais cedo. Segundo o presidente da entidade que representa o segmento, Inda, Carlos Loureiro, novos aumentos serão difíceis de serem implementados pelas usinas dado que o patamar atual já está próximo de incentivar uma importação mais significativa de aço no país.

Segundo os dados do Inda, o prêmio de preços de aço no Brasil está em 12% a 13%, algo que, historicamente costuma incentivar compra de material do exterior.

As importações de aço plano pelos distribuidores saltaram 75% em janeiro sobre dezembro e cerca de 52% sobre janeiro do ano passado, para 161,4 mil toneladas.

Porém, para a CSN, o que vai permitir a implantação dos reajustes será um mercado interno ainda demandante em vários segmentos, incluindo veículos, máquinas e equipamentos e construção civil e dificuldades de disponibilidade mais imediata de material importado, disse Martinez. Ele afirmou que o salto nas importações de janeiro deve-se ao efeito da CSN trazendo de volta dos Estados Unidos 50 mil toneladas para atender o mercado doméstico.

O executivo, que avalia que o prêmio do aço no Brasil está em 12% a 16%, estima que a CSN vai elevar suas vendas de aço em 2021 em 12% a 15% no Brasil, para 3,6 milhões de toneladas.

Em cimentos, a CSN avalia que também há espaço para incremento de preços e de volumes de vendas nos próximos meses. A expectativa é de alta nas vendas de cimento entre 15% e 18% em 2021, afirmaram executivos.

A companhia anunciou mais cedo estimativa de fechar 2021 com dívida líquida de 15 bilhões de reais e alavancagem medida pela relação dívida líquida/Ebitda de 1 vez.

Questionado sobre o assunto, o diretor-executivo Marcelo Cunha Ribeiro afirmou que a CSN precisa atingir este nível de dívida antes de iniciar discussões sobre se aumenta o nível de dividendos pagos aos acionistas para além dos 25% do lucro relativo a 2020.

"Vamos continuar mantendo essa política de 25% enquanto não atingirmos estas novas metas divulgadas", disse Ribeiro.

Veja também:

Covid-19: Toledo deve ampliar equipe técnica de saúde com novas contratações
Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade