2 eventos ao vivo

Burger King tenta driblar impostos há anos, dizem analistas

A empresa acaba de mudar sua base de tributação dos Estados Unidos para o Canadá

3 set 2014
16h28
  • separator
  • comentários

A tentativa de reduzir o pagamento de impostos é uma estratégia adotada pelo Burger King muito antes do anúncio feito na semana passada de que a rede de fast-food firmou um acordo que vai reduzir muito suas despesas fiscais nos Estados Unidos, informou a Reuters.

<p>Uma placa da rede&nbsp;Burger King e da Tim Hortons s&atilde;o exibidas em St. Laurent Boulevard, em Ottawa, no Canad&aacute;, em 25 de agosto</p>
Uma placa da rede Burger King e da Tim Hortons são exibidas em St. Laurent Boulevard, em Ottawa, no Canadá, em 25 de agosto
Foto: he Canadian Press, Sean Kilpatrick / AP

Alguns legisladores norte-americanos e outros críticos atacaram a empresa por ela ter decidido mudar sua base de tributação dos Estados Unidos para o Canadá, por meio de sua proposta de compra da rede de fast-food baseada em Oakville, Ontario, Tim Hortons. Eles afirmam que a medida evitará o pagamento de muitos impostos norte-americanos. 

Uma análise da Reuters feita com base em documentos oficiais do Burger King nos EUA e no exterior, e revisada por peritos em contabilidade, mostra que a empresa tem feito grandes esforços para reduzir a sua fatura fiscal dos EUA por algum tempo. 

A sua taxa efetiva de imposto de 26% nos últimos três anos é comparada a taxas de 31% do McDonalds, Starbucks Dunkin Donut's. A taxa do Burger King é 30% menor do que a taxa média de imposto paga pela empresa durante os cinco anos que anteceram sua compra, em 2010. 

A empresa poderá, por exemplo, adotar estruturas tributárias que emprega atualmente em grandes mercados como a Alemanha ea Grã-Bretanha, e que permitem ao grupo a operar quase livre de impostos nesses locais. E isso pode significar Tio Sam vai perder receita tributária corporativa. 

"Eu ficaria surpreso se no prazo de cinco anos, a taxa de imposto não reduzisse dramaticamente", disse o professor Stephen Shay, da Harvard Law School.

O Burger King não quis comentar seus atuais regimes fiscais dos Estados Unidos, mas disse que o chamado acordo de "inversão" para comprar a Tim Hortons por US $ 11,5 bilhões, e mudar a sede para o Canadá, foi realizado com base nas chances de a empresa se expandir internacionalmente e não com base na poupança fiscal. 

"Esta transação não foi realizada por cauda dos impostos, mas sim por cauda do crescimento", disse o presidente-executivo Daniel Schwartz em uma teleconferência com analistas na semana passada. 

Seria perfeitamente legal para o Burger King reduzir a sua fatura fiscal dos Estados Unidos através do movimento canadense. Chas Roy-Chowdhury, Chefe de Tributação da Associação dos Revisores Oficiais de Contas, em Londres, disse que as empresas de todo o mundo gerenciam suas contas fiscais para não ter de pagar mais imposto do que o necessário. 

"Se os EUA não gostam de ofertas de inversão, devem mudar a lei para impedi-las", disse ele. 

Fonte: Terra
  • separator
  • comentários
publicidade