PUBLICIDADE

Banco da Amazônia e Agência Francesa de Desenvolvimento assinam acordo de R$ 400 milhões

Valor será voltado para financiamento de projetos sustentáveis na Amazônia Legal

24 abr 2024 - 00h11
(atualizado às 10h34)
Compartilhar
Exibir comentários
Foto: Reprodução/Instagram/@bancoamazonia

Cumprindo seu compromisso com o desenvolvimento sustentável da região amazônica, o Banco da Amazônia (Basa) deu um passo histórico e assinou seu primeiro convênio de repasse internacional. O acordo, no valor de 80 milhões de euros, o equivalente a R$ 400 milhões, foi firmado com a Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD) durante a visita do presidente francês, Emmanuel Macron, ao Brasil, e tem como objetivo impulsionar ainda mais iniciativas voltadas para a bioeconomia e sustentabilidade na região.

A parceria reforça a história de mais de 81 anos de comprometimento da instituição financeira - uma das principais da região amazônica brasileira, que compreende os Estados do Acre, Amazonas, Amapá, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins - com o desenvolvimento sustentável e a melhoria das condições socioeconômicas locais. Tendo como principal pilar a sustentabilidade, o Banco da Amazônia oferece soluções e financiamentos para empreendedores, empresas, agricultores - com foco em desenvolvimento e aumento da sustentabilidade, geração de emprego e renda.

"Esses recursos vão nos ajudar a ampliar a nossa capacidade de atendimento de projetos na Amazônia. Hoje, nós atendemos projetos de bioeconomia, projetos de transição energética, de transporte. Essas infraestruturas melhoram a condição socioeconômica da região, melhoram a condição das pessoas, melhoram a vida das pessoas", diz Luiz Lessa, presidente do Banco da Amazônia.

Os recursos do acordo com a Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD) devem ser investidos em setores como bioeconomia, saneamento, energia e infraestrutura, e devem beneficiar pequenas e médias empresas da Amazônia Legal que atuam de forma integrada com a natureza, valorizando a biodiversidade. "Estamos falando de uma realidade que está inserida no contexto da maior floresta tropical do mundo. Existe uma necessidade de orientarmos cada vez mais investimentos de recursos a negócios sustentáveis, que sejam alinhados a essa demanda de mitigação, de mudanças climáticas", explica Samara Farias, gerente executiva interina de Sustentabilidade do Banco da Amazônia.

O convênio faz parte de compromissos estabelecidos no roteiro franco-brasileiro sobre bioeconomia e florestas tropicais e está em linha com a Declaração de Alto Nível Brasil-França sobre Mudanças Climáticas. A assinatura do acordo com a França demonstra a importância de parcerias para financiamento de projetos na Amazônia Legal e a preocupação mundial com a questão ambiental e a preservação da região.

A assinatura do acordo ocorre em um momento histórico para o Brasil. O País sediará no ano que vem a COP-30 - um dos eventos mundiais mais importantes sobre o clima -, que será realizada no Pará e deve debater não só o presente, mas o futuro da Amazônia. "Nossa ideia é chegar à COP-30 já colhendo os frutos dessa parceria, mostrando como é que se produz na maior floresta tropical do mundo, respeitando e conhecendo efetivamente esse lugar. Somos daqui e queremos mostrar o que sabemos fazer dentro das especificidades da nossa realidade", diz a gerente executiva interina de Sustentabilidade do Banco da Amazônia.

"É o nosso primeiro convênio de repasse internacional, o primeiro de muitos que estão por vir, com certeza", diz Luiz Lessa. "É o compromisso do Banco da Amazônia. É o banco que tem Amazônia no nome e não tem como se furtar a ser o líder do desenvolvimento nessa região", finaliza o presidente da instituição.

Estadão
Compartilhar
Publicidade
Publicidade