0
TV

Zorra é alvo de nota de repúdio do Conselho de Contabilidade

Esquete de humorístico da Globo mostrou contador vencendo o 'Troféu Não Fede e Nem Cheira'

10 dez 2019
18h26
atualizado às 18h45
  • separator
  • 0
  • comentários

O Conselho Federal de Contabilidade divulgou uma nota de repúdio ao Zorra, programa de humor da Globo, nesta terça-feira, 10.

Welder Rodrigues e Flavia Reis em cena do 'Zorra' que gerou nota de repúdio do Conselho Federal de Contabilidade.
Welder Rodrigues e Flavia Reis em cena do 'Zorra' que gerou nota de repúdio do Conselho Federal de Contabilidade.
Foto: Reprodução de 'Zorra' (2019) / TV Globo / Estadão Conteúdo

O motivo foi uma esquete exibida no último sábado, 7, em que o "Troféu Não Fede e Nem Cheira" é entregue a um contador, interpretado por Welder Rodrigues.

"Vamos àquele que não foi o melhor, mas também não foi o pior do ano. Uma premiação exclusiva para quem nunca ganhou nada na vida. O Troféu Não Fede e Nem Cheira de 2019 vai para Cesar Lobato, da contabilidade!", introduz a apresentadora do prêmio fictício, vivida por Flavia Reis.

O contador, então, discursa: "Queria agradecer ao meu chefe, que sempre falou para mim que meu trabalho é 'ok'. Meus professores, que me incentivaram dando nota seis a vida inteira. Dava pra passar, né? E meus pais, que nunca esperaram nada de importante da minha pessoa".

"Nunca decepcionei ninguém, mas também nunca supreendi", finaliza o personagem.

Nota de repúdio ao Zorra

O Conselho Federal de Contabilidade, porém, não viu a piada com bons olhos, e afirmou que o Zorra "desrespeitou uma classe contábil de mais de 520 mil profissionais. [...] De forma desrespeitosa e debochada, depreciou a imagem do Profissional da Contabilidade no episódio 'Prêmio Nem Fede e Nem Cheira'".

"A própria Rede Globo possui em seus quadros diversos contadores trabalhando para a empresa e, portanto, deveria se envergonhar de difundir tais estereótipos de seus próprios funcionários", ressalta.

Na nota de repúdio, o programa também é equivocadamente chamado de Zorra Total, humorístico que foi exibido na mesma faixa de horário que o atual Zorra entre 1999 e 2015.

O E+ entrou em contato com a assessoria da Globo sobre a nota de repúdio, mas não obteve retorno até a publicação desta nota.

Leia abaixo a íntegra da nota de repúdio ao Zorra divulgada pelo Conselho Federal de Contabilidade:

"O Conselho Federal de Contabilidade vem a público externar repúdio ao programa Zorra Total, da TV Globo, exibido no último sábado, 7, que, de forma desrespeitosa e debochada, depreciou a imagem do Profissional da Contabilidade, no episódio 'Prêmio Nem fede e Nem cheira'.

Aliás, a Rede Globo de Televisão, em outras oportunidades, em suas telenovelas ou minisséries, já apresentou cenas envolvendo a figura do Contador de forma depreciativa e, inobstante as manifestações do CFC e de outros órgãos da classe, permanece com essa prática de vilipendiar o Profissional da Contabilidade.

Lamentamos que uma empresa de comunicação de massa, que opera mediante concessão do Poder Público, utilize essa autorização estatal para difamar profissionais que detêm a confiança da sociedade por agir no interesse público e por exercerem sua função com zelo, diligência, honestidade, seriedade, integridade e competência em todo o País.

A própria Rede Globo possui em seus quadros diversos contadores trabalhando para a empresa e, portanto, deveria se envergonhar de difundir tais estereótipos de seus próprios funcionários.

Em "Princípios e Valores da TV Globo no Vídeo", disponível em seu sítio na internet, a TV Globo afirma que tem por compromisso valorizar o Brasil e seus talentos, sua origem e cultura - principais fontes de inspiração para os

conteúdos que ela pesquisa, cria, produz e exibe.

Entretanto, a prática que vemos em sua programação não nos parece estar alinhada com esses princípios. Exemplo disso está estampado na edição do programa referido, que desrespeitou uma classe contábil de mais de 520 mil profissionais, que existe no Brasil e no mundo há mais de um século, quando a TV Globo sequer pensava em existir.

Lamentamos que a Direção dessa empresa não tenha o devido zelo e acurácia na seleção e na contratação daqueles que fazem ou dirigem seus programas e permita que sejam produzidas peças de vídeo de tão baixa qualidade artística e nenhuma preocupação com os princípios e valores que propaga e os que regem a sua atividade empresarial.

Conselho Federal de Contabilidade"

Veja também:

 

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade