PUBLICIDADE

É baixaria que o público quer? Ok, o ‘Power Couple’ entrega

Atração da Record TV chega ao fundo do poço com briga generalizada e suscita reflexão sobre o sadismo do público

27 mai 2022 14h27
| atualizado às 19h30
ver comentários
Publicidade
Rogério e Cartolouco protagonizaram embate com direito a água na cara
Rogério e Cartolouco protagonizaram embate com direito a água na cara
Foto: Reprodução/TV

Quais as 3 coisas que o telespectador de reality show quer ver?

1.Barraco.
2.Sexo.
3.Mais barraco.

É isso, fim. O resto vira ‘encheção de linguiça’. O público liga a TV na expectativa de acompanhar de camarote, ou melhor, do sofá, brigas com gritaria, xingamentos encobertos pelo ‘piii’, dedo na cara, chiliques vexatórios e ameaças de luta no estilo UFC. “Pau neles!”, diria Datena.

Os mais sádicos – e boa parte o é – esperam empurrões, puxões de cabelo, tapas na cara, mordidas, cusparada e outros impulsos agressivos que rendam expulsão. Para essa plateia, o show fica mais divertido quando a civilidade acaba chutada para bem longe.

Devem ter se divertido bastante com o quebra-pau generalizado na madrugada desta sexta-feira (27), que resultou na desistência do casal Rogério e Baronesa, pais do MC Gui, após confusão com Cartolouco. Perto dessa confusão, a treta de Brenda e Matheus com Nahim e Andréia (estes, eliminados horas antes) pareceu bobagem.

Teve água na cara, janela quebrada e tanta gritaria que não era possível saber quem estava brigando com quem, nem os motivos. A apresentadora Adriane Galisteu ficou sem saber o que dizer e fazer. O povo quer exatamente isso: ‘tiro, porrada e bomba’. Quanto mais, melhor.

A atual edição do ‘Power Couple’ entrega o que promete. Poucas vezes vimos tantas brigas de baixo nível, com direito a homofobia (“bichona”), xingamentos (“bundão” é um dos poucos publicáveis), psicofobia (discriminação de pessoa com transtorno mental), encaradas entre maridos, esposas à beira de um ataque de nervos e berros sem fim.

Um clima tóxico, com potencial de gerar violência entre os participantes. O que poderia ser uma terapia de casal coletiva se tornou uma guerra de egos. O prêmio deixou de ter importância. A meta, para a maioria, é destruir os inimigos. De preferência, que saiam humilhados.

E tudo isso em um canal de propriedade de um bispo e ligado a uma das maiores igrejas evangélicas do País. Uma emissora que exibe novelas bíblicas e tem explícita simpatia pelo presidente Jair Bolsonaro. Uma “TV de família”, como se dizia antigamente.

A responsabilidade por esse deplorável caos não é apenas de quem produz e exibe o programa, nem só dos casais confinados. O telespectador sádico, que se diverte com tal pandemônio, alimenta esse formato de atração. Apesar da repercussão ruidosa, o ‘Power Couple Brasil’ patina na audiência.

Será que nem esse rebuliço anima o brasileiro a ficar acordado para ver TV?

Power Couple: Baronesa e Rogério desistem do programa após quebra-pau:

 

Sala de TV Blog Sala de TV - Todo o conteúdo (textos, ilustrações, áudios, fotos, gráficos, arquivos etc.) deste blog é de responsabilidade do blogueiro que o assina. A responsabilidade por todos os conteúdos aqui publicados, bem como pela obtenção de todas as autorizações e licenças necessárias, é exclusiva do blogueiro. Qualquer dúvida ou reclamação, favor contatá-lo diretamente no e-mail beniciojeff@gmail.com.
Publicidade
Publicidade