1 evento ao vivo

Hollywood é mais sobre ser gay do que a respeito de cinema

Série da Netflix usa a indústria cinematográfica como cenário para discutir homofobia, autoaceitação e militância

21 mai 2020
13h50
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Atenção: este texto contém spoilers.

Sucesso de visualizações e críticas, Hollywood mostra os bastidores da cidade-sede do cinema americano na década de 1940. O roteiro gira em torno de um filme a respeito de uma atriz frustrada que se joga do alto do icônico letreiro de Hollywood no Mount Lee, onde todo turista que vai a Los Angeles faz uma foto. Entretanto, questões sociais atreladas aos estúdios quase deixam a sétima arte em segundo plano.

O roteirista Archie (Jeremy Pope) beija em público Rock Hudson (Jake Picking), personagem inspirado no lendário galã homônimo que escondeu a homossexualidade do público até morrer vítima da Aids em 1985
O roteirista Archie (Jeremy Pope) beija em público Rock Hudson (Jake Picking), personagem inspirado no lendário galã homônimo que escondeu a homossexualidade do público até morrer vítima da Aids em 1985
Foto: Divulgação/Netflix

A homossexualidade é o fio que costura as tramas dos personagens principais, mesmo daqueles que são heterossexuais. No início da série, o roteirista do tal longa, negro e gay, ganha a vida em um posto de gasolina onde os frentistas prestam serviços sexuais a homens e mulheres. Ali também está o bonitão casado que sonha virar galã nas telonas.

É nesse ambiente que o roteirista conhece um ator iniciante que tenta desesperadamente disfarçar sua sexualidade e que será usado como objeto de prazer por um tirânico descobridor de talentos. No fim, esses e outros personagens estarão unidos contra a homofobia, a discriminação racial e o machismo — três mazelas institucionalizadas na Hollywood da era de ouro e ainda imanentes ao mundo atual.

Naquele agitado posto onde transitam os clientes e michês, a senha para pedir um programa sexual é "I want to go to Dreamland", ou seja, "Eu quero ir para a Terra dos Sonhos". Entenda-se como sonho não apenas o prazer carnal a partir do despudor, mas também a liberdade momentânea de ser o que se é, fazer o que se gosta, viver acima das convenções castradoras. Aspectos familiares a qualquer homossexual de 1940 ou 2020. Se a Netflix precisasse rebatizar a série Hollywood, poderia chamá-la Gayland.

A série do produtor gay Ryan Murphy, o mesmo de Glee e American Horror Story, acerta especialmente ao destacar a homofobia internalizada de um cinquentão solitário que se mantém no armário. Diante de seus olhos, o destemor de jovens gays, decididos a enfrentar o conservadorismo da sociedade, o faz repensar a própria vida e se permitir o amor até então proibido.

Há, obviamente, fantasia excessiva, típica do jeito americano de fazer filmes para agradar ao maior número possível de pessoas. O desfecho açucarado de quase todos os personagens está distante da realidade de quem faz parte, anonimamente ou em militância, da comunidade LGBTQI+. Mesmo assim, não deixa de ser um alento em tempos tristes de distanciamento físico por conta da pandemia do novo coronavírus e múltiplas incertezas em relação ao futuro individual, coletivo e das artes.

Veja também:

Novo filme de Natal da Netflix é brasilidade na veia
Sala de TV Blog Sala de TV - Todo o conteúdo (textos, ilustrações, áudios, fotos, gráficos, arquivos etc.) deste blog é de responsabilidade do blogueiro que o assina. A responsabilidade por todos os conteúdos aqui publicados, bem como pela obtenção de todas as autorizações e licenças necessárias, é exclusiva do blogueiro. Qualquer dúvida ou reclamação, favor contatá-lo diretamente no e-mail beniciojeff@gmail.com.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade