PUBLICIDADE

'The Boys': o que achamos da 2ª temporada e 1ºs episódios

Nós já assistimos à série completa da Amazon Prime Video, que estreou na 6ª, dia 04, confira crítica e resumão dos 3 primeiros episódios

8 set 2020 09h00
| atualizado às 09h36
ver comentários
Publicidade

Tem uma cena em Game of Thrones, na Guerra dos Bastardos (S06xE09), que até hoje é uma das melhores que já vi. Nela, os exércitos de  Ramsay e de Jon Snow se enfrentam e, por pouco, o personagem de Kit Harington não morre sufocado, em um amontoado de soldados encurralados pela ofensiva do inimigo. Como fã, a ideia de perder o até então ex-Comandante da Patrulha da Noite, logo após ele ser ressuscitado por Melisandre, parecia uma ironia do destino sacana demais. Mas, sentimentalismos à parte, a similaridade da cena com uma batalha de verdade, sem o glamour de grandes produções do audiovisual, criou uma ligação única com os telespectadores. Fazia todo o sentido. E é essa sensação que sentimos ao longo de The Boys, episódio após episódio. 

The Boys, o grupo justiceiro, começa a segunda temporada como foragidos
The Boys, o grupo justiceiro, começa a segunda temporada como foragidos
Foto: Amazon Prime Video / Divulgação

A segunda temporada da produção original da Amazon Prime Video estreou sexta-feira, 04, e mantém toda a qualidade e características que fazem de The Boys uma das séries mais verossímeis ao universo que cria. E, junto da premissa da adaptação dos quadrinhos de Garth Ennis e Darick Robertson, de mostrar super-heróis amorais, corrompidos pela fama, conta com um dos roteiros mais originais de seu gênero. 

The Boys retoma exatamente de onde parou na primeira temporada. E aqui existe o medo da continuação não se equiparar ao sucesso da anterior, mas não é o que ocorre. Na verdade, ela até supera a primeira parte com o uso de temas atuais, como o papel das mídias sociais na formação da opinião pública. Além disso, a série consegue fazer críticas sociais ao racismo sistêmico, à xenofobia, ao fanatismo religioso e termina com gancho ótimo para a terceira temporada, com possibilidade de fazer críticas ainda mais políticas. 

Ouça no podcast Depois dos Créditos: tudo o que você precisa saber de The Boys, resumão da 1ª temporada, diferenças da HQ para a série e mais:

Um dos destaques fica com a introdução da super-heroína Stormfront (Aya Cash) aos Sete. Além da importância por si só da personagem, que traz elementos interessantes para a trama, a relação da nova integrante com o Homelander (Antony Starr) tem um dos arcos narrativos mais dinâmicos. Com a morte de Madelyn Stillwell (Elisabeth Shue), essa nova dupla ajuda a superar o luto que a personagem deixou para a história. Outro ponto positivo é a evolução de Annie (Erin Moriarty) na série. Da ingenuidade corrompida na primeira temporada, Starlight ressurge dona de si e tem papel essencial entre o conflito entre os Sete e os The Boys

Annie, a Starlight, tem arco interessante, com evolução de personagem ingênuo, para heroína com mais força
Annie, a Starlight, tem arco interessante, com evolução de personagem ingênuo, para heroína com mais força
Foto: Amazon Prime Video / Divulgação

Já no grupo dos justiceiros, a série acerta em recuperar um pouco do passado de seus componentes. Na primeira temporada, conferimos de perto as motivações de Butcher (Karl Urban) e Hughie (Jack Quaid) para a formação dos The Boys contra os super-heróis. Na continuação, foi possível explorar um pouco mais do histórico do restante do grupo. Para quem acompanha a HQ, sabe que cada um deles tem seus motivos para participar dessa vendeta contra os Sete. Além disso, conferimos também mais informações sobre o passado do Hughie e do Butcher, além de finalmente conferirmos as consequências do encontro com Becca (Shantel VanSanten). A diferença da trama dos quadrinhos para a televisão no desfecho dessa personagem era uma das respostas que precisávamos com fim da primeira temporada. 

Os melhores episódios são o 4º, 5º e 6º, que revelam detalhes da fundação da Vought e de personagens indispensáveis para a trama da segunda temporada. Mas os três primeiros episódios, já liberados para a Amazon Prime Video, têm papel importante para construir a narrativa da segunda parte do show, que surpreende com uma revelação nos segundos finais, deixando o convite perfeito para o próximo ano da série. 

Resumão dos três primeiros episódios

Contém spoilers 

Stormfront, a nova super-heroína, é uma incógnita, mas logo revela sua motivação dentro do grupo
Stormfront, a nova super-heroína, é uma incógnita, mas logo revela sua motivação dentro do grupo
Foto: Amazon Prime Video / Divulgação

Em The Big Ride, Proper Preparation and Planning e Over the Hill with the Swords of a Thousand Men, The Boys recomeça exatamente de onde parou na primeira temporada, mostrando as consequências da morte de Madelyn Stillwell e como os The Boys estão, sem a liderança de Butcher. Os três capítulos são bem introdutórios, e constrõem uma boa base para o restante da temporada. 

A morte do personagem de Elisabeth Shue tem várias consequências não só para a Vought, que agora segue com a vice-liderança de Ashley Barrett (Colby Minifie). A nova hierarquia deixa ainda mais claro a sede de poder de Homelander, que se aproveita da falta de um comando forte para impor ainda mais suas vontades, e, ao mesmo tempo, gera um novo conflito entre o líder dos Sete com Stan Edgar (Giancarlo Esposito). Para os The Boys, o fim de Madelyn coloca o alvo em Butcher, a quem o Capitão Pátria responsabilizou pela morte da ex-vice-presidente sênior da empresa, e os torna oficialmente fugitivos da lei. 

Nesses episódios, Annie ganha bastante destaque. Após ajudar os The Boys a recuperar Kimiko (Karen Fukuhara) e salvar A-Train (Jessie Usher) de um ataque cardíaco no fim da primeira temporada, na segunda, a Starlight assume o seu papel de informante dentro da Vought

Um dos destaques para a trama é a apresentação de dois novos personagens. A super-heroína Stormfront e um novo super-vilão. A nova escalação para os Sete começa misteriosa. Sua relação com as redes sociais, colocando em xeque posicionamentos da Vought, e os embates que têm com o Homelander, não deixa claro suas intenções no grupo. Quanto ao novo vilão, a revelação da sua identidade, como o irmão da Fêmea, revela mais um parte importante para a Kimiko. Como mencionado acima, a temporada explora mais detalhes do passado dos integrantes de The Boys

Ainda nesses três primeiros episódios, sabemos um pouco mais sobre Becca e seu filho. Homelander passa a fazer visitas mais frequentes à casa em que a esposa de Bruto se esconde, e demonstra o seu interesse em treinar o filho para ser um super-herói, contrariando a vontade de Becca e da própria criança, que se recusa a executar seus poderes. Deep também recebe mais espaço com uma nova trama. O personagem se envolve com uma organização religiosa, com mais super-heróis rejeitados, buscando a sua redenção. 

Deep ganha mais espaço na segunda temporada com trama que o envolve em culto religioso
Deep ganha mais espaço na segunda temporada com trama que o envolve em culto religioso
Foto: Amazon Prime Video / Divulgação

Para terminar, conferimos o primeiro embate direto entre os The Boys e os Sete. É um confronto importante, pois expõe a verdade sobre Stormfront, uma super-heroína sem escrúpulos, que merece estar nos Sete, e força Starlight a tomar uma difícil decisão. Depois de serem descobertos em alto-mar, quando tentavam esconder o irmão de Kimiko dos Sete, os The Boys são encontrados por Homelander e Annie. Frente à frente com Hughie, o Capitão Pátria ordena que Annie mate o seu ex-namorado. Como precisa manter o seu segredo de informante para os The Boys, a heroína considera executar a ordem, até ser parada pelo irmão de Kimiko e Butcher. O super-vilão consegue então fugir e é finalmente morto por Stormfront

Fonte: Redação Terra
Publicidade
Publicidade