PUBLICIDADE

Série de Keanu Reeves em SP é abandonada após diretor torrar orçamento de US$ 60 milhões

25 nov 2023 - 21h06
Compartilhar
Exibir comentários
Foto: Divulgação/Prefeitura de São Paulo / Pipoca Moderna

A ambiciosa série "Conquest", produzida por Keanu Reeves e filmada no Brasil, resultou em um grande prejuízo após o diretor Carl Erik Rinsch esbanjar um orçamento de mais de US$ 50 milhões. A produção, que não entregou nenhum episódio completo, foi exposta em uma reportagem do jornal The New York Times, destacando um caso extremo de má gestão e gastos descontrolados no setor de streaming.

Rinsch, que anteriormente dirigiu "47 Ronins", um filme mal recebido pela crítica e público, havia conquistado a confiança de investidores com promessas de uma série inovadora. Mas o projeto começou a desmoronar pouco tempo após o início das filmagens.

Segundo o New York Times, Rinsch apresentava comportamentos erráticos e tomava decisões questionáveis. Seus métodos de trabalho, incluindo longas jornadas de filmagem e tratamento inadequado da equipe, geraram queixas e tensões no set. Durante uma sessão de filmagem na Romênia, a atriz principal foi hospitalizada com hipotermia após gravar uma cena ao ar livre em condições de frio extremo. Esse incidente refletiu a administração precária e a falta de atenção às normas de segurança e bem-estar da equipe.

 

Socorro de Keanu Reeves

Confrontado com ameaças de perda do controle do projeto por parte dos investidores iniciais, Rinsch buscou apoio adicional. Keanu Reeves, que se tornou amigo do diretor durante as filmagens de "47 Ronins", interveio como investidor e produtor, na tentativa de salvar a série. O investimento de Reeves permitiu que Rinsch fizesse uma espécie de piloto inacabado da série, que posteriormente serviria como base para a apresentação de "Conquest" para as principais plataformas de streaming.

Vislumbrando um grande potencial no projeto, a Netflix investiu US$ 61,2 milhões. Este valor foi estabelecido após uma concorrência acirrada com outros gigantes do streaming, como a Amazon. A empresa ofereceu a Rinsch não apenas um orçamento generoso, mas também o raro privilégio do controle final do projeto, uma concessão normalmente reservada a poucos diretores renomados. Além disso, pagou US$ 14 milhões para os investidores iniciais pelos direitos exclusivos da série.

 

Crise em São Paulo

Com o acordo firmado, a produção de "Conquest" tomou um novo rumo, iniciando as filmagens nas cidades de São Paulo, no Brasil, e posteriormente em Montevideo, no Uruguai, e em Budapeste. No entanto, essas novas etapas de produção trouxeram seus próprios desafios. Em São Paulo, por exemplo, o sindicato local da indústria cinematográfica interveio após receber reclamações sobre o tratamento de Rinschcom a equipe, caracterizado por gritos, palavras de baixo calão e irritação excessiva.

As tensões também escalaram em Budapeste, onde Rinsch passou dias sem dormir e chegou a acusar sua esposa, Gabriela Rosés Bentancor, de tramar seu assassinato. Esses episódios apontavam para um comportamento cada vez mais errático do diretor, algo que mais tarde se revelaria em seus textos e emails, onde ele expressava teorias peculiares sobre a pandemia de Covid-19 e outros assuntos.

 

Torrando dinheiro da Netflix

Apesar do investimento substancial da Netflix, as filmagens de "Conquest" começaram a sofrer atrasos significativos. Rinsch alternava entre duas versões do roteiro, uma seguindo o plano original de 13 episódios e outra mais extensa que exigiria a aprovação de uma 2ª temporada. Diante das dificuldades em avançar com o projeto, a Netflix se viu numa posição complicada, tendo que decidir entre continuar financiando a produção ou arcar com o prejuízo do investimento já feito.

A situação tornou-se ainda mais complexa quando Rinsch solicitou fundos adicionais, alegando que sem eles o projeto entraria em colapso. A Netflix cedeu e liberou mais US$ 11 milhões do orçamento para completar a série, elevando seu investimento total para mais de US$ 55 milhões só na produção. Só que, em vez de retomar as gravações, Rinsch teria usado todo o dinheiro em apostas arriscadas no mercado de ações e criptomoedas. Ele perdeu tudo o que investiu em Wall Street, mas a compra de Dogecoin deu certo, o que lhe rendeu US$ 27 milhões. Entretanto, o dinheiro não voltou para a produção, sengo gasto em carros de luxo, relógios e roupas de grife, levantando preocupações sobre a viabilidade e a gestão financeira do projeto.

 

Problemas legais

Em meio à crise, a esposa do diretor, a modelo e estilista uruguaia Gabriela Rosés Bentancor, que também era coprodutora da série, encerrou a parceria e o casamento com um pedido de divórcio.

Acusando a mulher de conspiração, ele começou a dizer que tinha descoberto o mercanismo de transmissão secreta da Covid-19 e que era capaz de prever a queda de raios.

À medida que os problemas se intensificavam, a Netflix tentou intervir. A produtora se viu obrigada a interromper o financiamento do projeto, marcando o fim de uma das mais tumultuadas produções da plataforma após esgotar as possibilidades de resgatá-la. A decisão resultou em uma disputa legal entre Rinsch e a Netflix, com o diretor alegando violação de contrato e buscando compensações financeiras. A empresa, por sua vez, nega as alegações e se defende, argumentando que Rinsch não cumpriu com suas obrigações contratuais.

O caso vai a julgamento arbitral.

Pipoca Moderna Pipoca Moderna
Compartilhar
Publicidade
Publicidade