PUBLICIDADE

Lollapalooza

Empresa dos shows de Taylor Swift é investigada por trabalho escravo no Lollapalooza

18 nov 2023 - 23h00
Compartilhar
Exibir comentários
Foto: Instagram/Lollapalooza / Pipoca Moderna

Responsável pela organização tumultuada da turnê da cantora americana Taylor Swift no Brasil, a empresa Time For Fun (T4F) é alvo de uma ação movida pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) por suposto trabalho análogo à escravidão no festival Lollapalooza, ocorrido em abril deste ano, em São Paulo.

Na véspera da abertura do festival, que contou com artistas como a cantora Billie Eilis e Twenty One Pilots, trabalhadores foram identificados em condições análogas à escravidão. Funcionários da área de transporte e manutenção das bebidas do evento, eles ficavam dia e noite no local, e dormiam em uma tenda, sobre tiras de papelão, com diárias de R$ 160, sem o pagamento de horas extras, por jornadas de 12 horas.

A T4F foi notificada pelo MPT junto como a Yellow Stripe (YS), responsável pelos bares do evento. Com a repercussão do caso, a produtora anunciou o rompimento do contrato com a YS e, no fim do mesmo mês, sem mencionar a investigação, encerrou seu próprio contrato para fazer o festival, no qual trabalhou nos últimos oito anos.

O processo segue em andamento, com um pedido de multa milionária, no valor de R$ 1 milhão, a ser destinado ao Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT), que é usado para custeio do seguro-desemprego e programas de desenvolvimento econômico. O MPT também pede indenizações de R$ 5 mil para cada vítima, e que as duas empresas autuadas sejam, ao fim do processo, inclusas na lista suja do trabalho escravo.

A produção do Lollapalooza de 2024 está a cargo da Rock World, empresa que também realiza o Rock in Rio e o The Town.

 

Nova investigação

A Senacon (Secretaria Nacional do Consumidor) emitiu uma nova notificação à T4F neste sábado (18/11) com o intuito de apurar as responsabilidades "acerca da gravidade do que foi observado durante o show de ontem" de Taylor Swift, onde uma fã morreu e mais de mil pessoas passaram mal por falta de hidratação.

O governo solicitou dados como a quantidade de ingressos vendidos, número de pessoas presentes, e a indicação de onde partiu a proibição de acesso à água. Também quer saber se havia disponibilidade de bebedouro, a estrutura para atendimento médico e quais procedimentos foram adotados especificamente com a jovem que faleceu.

"Todos esses dados servirão de base para apuração e responsabilização quanto aos fatos notórios que vimos acontecer no Engenhão na noite de ontem", escreveu o secretário Wadih Damous nas redes sociais.

No ano passado, T4F informou que seu lucro líquido cresceu 89%, para R$ 16,3 milhões, devido à venda de ingressos para a turnê Taylor Swift no Brasil.

Pipoca Moderna Pipoca Moderna
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade