PUBLICIDADE

Guilherme Arantes lista as perguntas que mais ouve: 'Você não morreu?'

De forma bem humorada, o cantor e compositor afirma que lhe questionam se ele não é o Léo Jaime e se ainda faz música

1 abr 2024 - 21h09
(atualizado às 22h58)
Compartilhar
Exibir comentários
O cantor Guilherme Arantes escreveu texto bem humorado
O cantor Guilherme Arantes escreveu texto bem humorado
Foto: Reprodução/Estadão

O cantor e compositor Guilherme Arantes, um dos maiores hitmakers do País, escreveu uma crônica neste domingo de Páscoa para responder às perguntas que afirma ouvir em voos e aeroportos. Guilherme citou quatro delas, as mais comuns, segundo ele: "você não morreu?", "você não é o Léo Jaime?", "você ainda é cantor, faz música?", "você não me é estranho, quem é você?".

No texto publicado em Facebook, o cantor tentou responder cada um delas, sempre de maneira bem humorada e reflexiva.

"Se eu morri ou não, é uma ótima pergunta!Parabéns! Porque estamos morrendo a cada dia, e o Guilherme que eu era, que eu fui, provavelmente já deve ter 'dado uma morrida' de leve, ao menos umas 20 vezes, depende de qual época de referência estamos falando. Ainda bem que é assim", respondeu, sobre a primeira e mais cruel dúvida.

Sobre ser confundido com Léo Jaime, Guilherme disse que isso não o incomoda muito, mas confessa não ter a mesma habilidade do colega de geração. "É um cantor de voz agradável e figura querida de nossa geração maravilhosa, da qual tenho muito orgulho de pertencer ...Entretanto, entre meus talentos, não incluo a Dança, o Ballet, infelizmente. Bem que eu gostaria...".

Guilherme afirmou que, sim, ainda faz música - e shows - e fez uma reflexão sobre o mercado da música, que privilegia sempre quem faz sucesso em detrimento aos demais artistas. O cantor sabe o que diz, pois já emplacou inúmeros hits ao longo de quase 50 anos de carreira, entre eles, Meu Mundo e Nada Mais, Planeta Água, Deixa Chover e Cheia de Charme.

"Virei independente, e sou mais um que resiste por conta própria, sem figurar no cast de nenhuma 'escuderia' internacional. Não é demérito nenhum sermos independentes. (querem saber ? Dou Graças a Deus). Considero mesmo que minha 'profissão' mesmo, algo que se professa, começou quando me desliguei de vez do modo de produção da indústria".

Em relação à quarte pergunta, quando alguém sabe que ele é famoso, mas não liga o nome à pessoa, Guilherme deu sua melhor resposta:

"Essa vou deixar para a posteridade! Afinal, me acho estranhíssimo..."

Recentemente, em um show em São Paulo, Guilherme comentou o fato de estar fora dos festivais de música. "Minha música não serve para tocar na praça de alimentação do Rock in Rio. Mas, tudo bem", disse.

Com agenda de shows concorrida, Guilherme prepara um disco com composições inéditas e, nos últimos anos, fez músicas para as cantoras Gal Costa e Alaíde Costa. Em 2021, lançou seu mais recente álbum, A Desordem dos Templários, trabalhou que ele definiu como "barroco".

Estadão
Compartilhar
Publicidade
Publicidade