PUBLICIDADE

Gabriel, o Pensador lança clipe contundente contra o Brasil atual

21 jul 2021 18h31
| atualizado às 18h39
ver comentários
Publicidade
Foto: Instagram/Gabriel, o Pensador / Pipoca Moderna

Gabriel, o Pensador lançou nesta quarta (21/7) o clipe de "Patriota Comunista", uma das músicas mais contundentes sobre o Brasil em 2021. No vídeo de clima gótico, ele aparece dentro de um caixão, sufocado pela bandeira brasileira. E a imagem resume perfeitamente a letra, em que o artista lamenta a banalização da morte no país.

A letra descreve um sonho em que o rapper se vê morto em meio às barbaridades que ocupam os noticiários nacionais, incluindo homofobia, feminicídio, execução de negros e pobres, destruição da Amazônia, ataques contra a Cultura, campanhas contra a Ciência, corrupção nas vacinas e pandemia descontrolada, e ao chegar no Céu encontra vários talentos que se foram durante o governo Bolsonaro.

O rapper cita Aldir Blanc, Paulinho do Roupa Nova, Moraes Moreira, Paulo Gustavo, até seu pai, entre outros recém-falecidos, enquanto reflete a realidade de um país em que a população que sobrevive à covid-19 está sendo morta pela polícia e a milícia, enquanto a classe governante enriquece e tripudia sobre a miséria alheia.

"Sou cientista pedindo uma esmola / Sou quilombola virando piada / Sou uma vida que nem vale um dólar / Sou uma preguiça assistindo à queimada", diz um dos trechos da música.

O curioso é que a produção acabou gerando polêmica não pelo tema, mas por ter cenas gravadas num cemitério em Uberlândia, em Minas Gerais. Em sua conta no Instagram, Gabriel contou ter recebido notificações de um processo nesta quarta.

"Gravei cenas de 'Tô Feliz (Matei o Presidente) 2' também em um cemitério e nem por isso veio gente hipócrita querendo views em cima disso. Um dos câmeras perdeu seu avô durante a filmagem, e ele foi velado lá. Estávamos trabalhando com seriedade e amor", explicou o rapper, que, diante da polêmica, borrou no clipe imagens em que apareciam lápides.

Segundo o cantor, uma pessoa de Uberlândia que se apresenta como "A Venenosa" nas redes sociais está por trás das ações por considerar a escolha da locação desrespeitosa. Segundo o jornal O Globo, trata-se de Juliana Lessa, que enviou um ofício, junto ao vereador Antônio Augusto (Cidadania), conhecido como "Queijinho", para a Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Serviços Urbanos. O documento questiona se houve autorização do poder público para realização das filmagens. Detalhe: o cemitério tem administração particular.

"Perdi minha avó para a Covid. E a música, entre outros assuntos, fala justamente sobre a importância do respeito à vida e o absurdo da banalização da morte", ressaltou Gabriel, por meio de nota.

Pipoca Moderna Pipoca Moderna
Publicidade
Publicidade