PUBLICIDADE

Robert Blake, da série "Baretta", morre aos 89 anos

10 mar 2023 - 14h57
Compartilhar
Exibir comentários
Foto: Divulgação/ABC / Pipoca Moderna

O ator Robert Blake, conhecido por seus papéis no filme "A Sangue Frio" e na série "Baretta", morreu nessa quinta-feira (9/3) em consequência de uma doença cardíaca. Ele tinha 89 anos.

Além do seu trabalho como ator, que lhe rendeu alguns prêmios ao longo da carreira, Blake também teve uma vida envolta em polêmicas, que começaram com o vício em drogas e culminaram numa acusação de assassinato.

Ele acabou sendo absolvido no julgamento criminal em 2005, mas em um julgamento civil posterior, Blake foi considerado responsável pela morte injusta da sua esposa, Bonny Lee Bakley, e ordenado a pagar US$ 30 milhões à família dela. Ele entrou com pedido de falência em 2006.

Michael Gubitosi (seu verdadeiro nome) nasceu em 18 de setembro de 1933, em Nutley, Nova Jersey. Ele veio de uma família de artistas e, desde jovem, fazia apresentações com seus irmãos na trupe de vaudeville dos pais. Quando era criança, sua família se mudou para Los Angeles, onde ele e os irmãos começaram a trabalhar como figurantes em filmes.

A estreia de Blake no cinema foi em "Não Se Ama por Encomenda" (1939), estrelado por Robert Young. Ele também apareceu nos curtas da franquia "Our Gang", da MGM, sob o nome de Mickey Gubitosi. Entre 1939 e 1944, ele apareceu em mais de 40 desses curtas de humor com atores mirins.

Aos poucos, Blake começou a ganhar mais espaço. Em 1940, teve um pequeno papel no filme "Nem Só os Pombos Arrulham", com Myrna Loy e William Powell. Dois anos depois, interpretou um dos protagonistas em "Demônio de Palmo e Meio", além de ter feito uma participação pequena, porém importante, no clássico "O Tesouro de Sierra Madre" (1948), de John Huston.

A partir dos anos 1950, Blake passou a atuar em filmes de ação e westerns como "Brado de Perigo" (1952), "Ninho de Águias" (1956), "The Tijuana Story" (1957) e "O Herói do PT-109" (1963), além de dar seus primeiros passos na TV, em aparições em séries de western como "Roy Rogers", "Cisco Kid", "As Aventuras de Wild Bill Hickok", "Caravana" e "Couro Cru" (Rawhide), estrelada por Clint Eastwood.

Mas só foi chamar atenção em 1967, quando interpretou seu papel mais memorável no cinema, como um dos assassinos do filme "A Sangue Frio" (1967), adaptação do impactante livro de Truman Capote dirigida por Richard Brooks. O filme narra a história real de dois assassinos que invadiram uma casa no Kansas e mataram toda a família que morava lá.

A atuação de Blake no papel de Perry Smith foi tão marcante que o ator Anthony Hopkins afirmou em certo momento que se baseou no trabalho dele para se preparar para o papel de Hannibal Lecter em "O Silêncio dos Inocentes" (1991).

Em seguida, Blake participou do western "Willie Boy" (1969), em que interpretou um nativo americano que precisava fugir após matar alguém em legítima defesa. Outro papel de destaque foi em "A Polícia da Estrada" (1973), em que ele viveu um policial motociclista que atuava no deserto do Arizona e era prejudicado pelo sistema.

Em "Mãos Sujas Sobre a Cidade" (1975), ele viveu um detetive durão com métodos não convencionais, que acabou servindo de protótipo para seu personagem mais famoso, que começou a interpretar no mesmo ano. O personagem-título da série "Baretta" era um policial durão que vivia com uma cacatua chamada Fred e trabalhava infiltrado entre criminosos nas ruas de Nova York. A atração foi exibida entre 1975 e 1978, e rendeu-lhe um Emmy de Melhor Ator em Série Dramática em 1975, além de uma segunda indicação em 1977.

Embora estivesse no auge do seu sucesso, foi também nessa época que os problemas pessoais de Blake se agravaram. "Eu fiquei viciado em heroína por dois anos, roubei, bati motocicletas em árvores, bebi, tomei pílulas em grande quantidade", disse ele certa vez. "Autodestruição? Eu poderia escrever um livro sobre isso".

Depois de "Baretta", Blake trabalhou em diversos projetos televisivos, incluindo uma adaptação do clássico da literatura "Ratos e Homens" (1981). Ele também recebeu uma indicação ao Emmy por sua interpretação como Jimmy Hoffa no telefilme "Blood Feud" (1983), dirigido por Mike Newell. E também criou e estrelou a série "Cidade do Inferno" (1985).

Depois disso, o ator ficou afastado da mídia por quase uma década, retornando no telefilme "A Marca de um Assassino" (1993), num papel que lhe rendeu outra indicação ao Emmy.

As últimas aparições de Blake foram no filme "Assalto Sobre Trilhos" (1995), em que interpretou o vilão, e em "A Estrada Perdida" (1997), de David Lynch, num papel memorável como o bizarro Mystery Man, um sujeito que aparece com maquiagem branca e um sorriso assustador.

Em maio de 2001, o ator voltou aos holofotes, mas dessa vez por um motivo negativo. A esposa dele, Bonny Lee Bakley, foi assassinada no seu carro no estacionamento de um restaurante italiano onde o casal havia acabado de jantar. Blake foi preso pelo crime em 2002. O consenso geral na época foi que a acusação não conseguiu construir um caso sólido contra ele e, por conta disso, ele foi absolvido.

No entanto, o caso acabou com a carreira do ator, que se aposentou e, desde então, só apareceu na tela em programas de entrevistas. Em julho de 2012, ele participou do programa de Piers Morgan na CNN para promover sua autobiografia, "Tales of a Rascal: What I Did for Love", mas ficou alterado quando o entrevistador questionou se ele estava dizendo a verdade sobre o caso.

Numa entrevista em 2011, Blake falou sobre os seus problemas pessoais, e disse que "se eu não fosse tão doente e tão perturbado, talvez não fosse um ator".

Pipoca Moderna Pipoca Moderna
Compartilhar
Publicidade
Publicidade