PUBLICIDADE

Cefaleia refratária: condição diagnosticada em Virginia Fonseca; saiba o que é

Influenciadora ficou três dias internada; segundo neurologista, são dores de cabeça que não melhoram com medicamentos tradicionais

19 mai 2022 19h13
| atualizado às 19h19
ver comentários
Publicidade
Virginia Fonseca com a família no Hospital Vila Nova Star, em São Paulo. A influenciadora ficou três dias internada e recebeu o diagnóstico de cefaleia refratária.
Virginia Fonseca com a família no Hospital Vila Nova Star, em São Paulo. A influenciadora ficou três dias internada e recebeu o diagnóstico de cefaleia refratária.
Foto: Instagram/@virginia / Estadão

Virginia Fonseca recebeu alta do Hospital Vila Nova Star, em São Paulo, na noite desta quarta-feira, 18. A influencidora estava internada desde o dia 15 após sentir fortes dores de cabeça.

Grávida do cantor Zé Felipe, ela passou uma avaliação obstétrica que garantiu que a gestação segue normal, mas, segundo boletim médico, foi diagnosticada com "cefaleia refratária à analgesia convencional".

De acordo com Lívia Pousas, neurologista do Instituto Orizonti, de Belo Horizonte, a cefaleia refratária é "a dor de cabeça que não melhora com as medicações que utilizamos comumente para alívio de dores, como os analgésicos comuns e anti-inflamatórios". Segundo ela, na maioria das vezes, são necessárias medicações mais potentes e administradas por via venosa.

A especialista também explica que pacientes que sofrem de cefaleias recorrentes "devem ser submetidos aos tratamentos preventivos para reduzir a frequência e intensidade das crises de dor".

Lívia lembra que existem ações que não envolvem o uso de medicamentos que podem auxiliar no controle das dores de cabeça, como fazer atividade física de forma regular, evitar jejum prolongado, dormir adequadamente e beber bastante líquido.

Como é feito o diagnóstico?

Segundo a neurologista, o diagnóstico da cefaleia refratária é feito com base na descrição dos sintomas e do histórico do paciente e através de um exame clínico neurológico. Em alguns casos, são necessários exames complementares.

"É importante lembrar que o uso abusivo de analgésicos pode levar a uma piora das dores de cabeça e, por isso, é importante consultar um neurologista para melhor tratamento das dores e evitar a automedicação", ressalta a especialista.

Existe alguma diferença na gravidez?

Virginia Fonseca está grávida de quatro meses de seu segundo filho com Zé Felipe. Por isso, algumas fãs da influenciadora ficaram preocupados com o seu diagnóstico. No entanto, apesar da condição ser rara, é normal que ela afete pacientes grávidas que já tenham predisposição à cefaleia.

"Comumente, as dores de cabeça tendem a melhorar, ou seja, ser menos intensas e menos frequentes na gestação, principalmente a partir do segundo trimestre. Mas, no primeiro trimestre, pode haver uma piora de padrão das dores de cabeça em pacientes que já sofriam de algum tipo de cefaleia, como a enxaqueca", explica Lívia Pousas.

Segundo a médica, o tratamento da cefaleia refratária é diferente para as grávidas apenas porque algumas medicações não podem ser usadas pelas gestantes, o que reduz as possibilidades de analgésicos a serem utilizados.

*Estagiária sob supervisão de Charlise Morais

Estadão
Publicidade
Publicidade