0

Casal de youtubers aproveita BGS para se aproximar dos fãs

Leon Martins e Nilce Moretto moram no Canadá e usufruem de eventos no Brasil para estreitar laços com sua comunidade de assinantes

15 out 2018
09h00
  • separator
  • comentários

Ao caminhar pelos corredores do Expo Center Norte, em São Paulo (SP), era possível identificar pequenas aglomerações em torno dos estandes da Brasil Game Show (BGS), a maior feira de videogames da América Latina. Salvo raras exceções, em que estavam sendo distribuídos brindes, a grande movimentação de pessoas em torno desses espaços era reflexo da presença de produtores de conteúdo ou de influenciadores digitais. Fãs de todas as idades se juntavam e formavam uma concentração de pessoas na tentativa de conseguir tirar uma selfie com seus ídolos, um autógrafo, ou apenas conversar de perto com alguém que só viam pela tela do celular ou computador.

Algumas das várias aglomerações que aconteceram nos quatro dias de BGS 2018 foi consequência da presença do casal Leon Martins e Nilce Moretto na feira. A dupla, que vive em Vancouver, no Canadá, comanda dois canais no Youtube, o Coisa de Nerd, que opera desde 2009 e possui 8,7 milhões de inscritos, e o Cadê a Chave, que iniciou em 2013 e já conta com 3,1 milhões de assinantes. O sucesso de ambos à frente de suas produções no decorrer dos últimos nove anos construiu uma comunidade de fãs muito fiel, que enxerga em eventos como a Brasil Game Show a oportunidade de ver seus ídolos ao vivo. 

Leon Martins e Nilce Moretto são um casal e ambos produzem conteúdo para o Youtube e diversas plataformas digitais
Leon Martins e Nilce Moretto são um casal e ambos produzem conteúdo para o Youtube e diversas plataformas digitais
Foto: Matheus Riga / Terra

Por morarem no exterior, os dois ressaltam a importância de comparecerem à BGS. "É o momento do ano em que a gente reabastecesse a nossa energia e tem contato direto com o público, algo que não temos lá no Canadá", afirma Martins. Essa presença física ao lado dos fãs, para Nilce, é essencial. "Como a gente não vêm muito aqui, é muito legal receber todo essa carinho e afeto de maneira concentrada nos dias da feira", diz. Apesar de morarem a 11 mil quilômetros de São Paulo (SP), eles afirmam que a distância é só física. "Embora a gente viva em Vancouver, toda nossa leitura é de Brasil, até porque nos preocupamos com o que está acontecendo aqui", conta Nilce.

Quando o casal anuncia que vem para o Brasil, os fãs já se articulam para aproveitar a oportunidade de entrar em contato com seus ídolos. "É uma comunidade muito fiel e muito engajada sempre", afirma Nilce. "Tem muita gente que nos acompanha em todos os eventos possíveis." Martins exemplifica essa questão, conta que alguns de seus assinantes, por sempre estarem por perto quando eles vêm ao Brasil, têm mais de uma foto ou autógrafos dos dois. "Tem algumas pessoas que nós sabemos que, só de estar aqui (no País), nós vamos encontrar", diz. Para Nilce, essa troca de carinho é muito positiva para os dois lados. "Não somos só nós que marcamos eles, mas eles também nos marcam, nós crescemos todos juntos."

Os youtubers e produtores de conteúdo Leon Martins e Nilce Moretto recebendo seus fãs em um dos estandes da BGS 2018
Os youtubers e produtores de conteúdo Leon Martins e Nilce Moretto recebendo seus fãs em um dos estandes da BGS 2018
Foto: Matheus Riga / Terra

"No começo era tudo mato"

Somados os dois canais em que estão trabalhando, tanto o Coisa de Nerd, quanto o Cadê a Chave, são mais de 10 milhões de assinantes. O equivalente a 126 estádios do Maracanã lotados de torcedores. O objetivo, porém, nunca foi atingir um grande número de seguidores e fãs. "Quando eu comecei em 2009, o Youtube era tudo mato, não existia pretensão de criar audiência porque não tinha público", afirma Martins. O seu início como produtor de conteúdo, conta, era muito mais por questão de lazer, como uma forma de expressão, do que na procura de fãs. Conforme o tempo foi passando e a internet foi mais difundida na sociedade brasileira, e as pessoas passaram a assistir mais vídeos, conta Nilce, elas passaram a se identificar com o que era postado na plataforma digital de audiovisual, construindo a comunidade que eles têm hoje. 

A conquista do público, no entanto, não é o grande desafio de produzir conteúdo. "Você cativar e continuar cativando é muito difícil", afirma Nilce. "Na construção da comunidade o algoritmo te impulsiona, te ajuda a encontrar quem pode gostar do seu conteúdo." Nesse sentido, de manter a base de fãs, a estratégia é aprender o máximo possível sobre outras plataformas digitais, não só o Youtube. "Você tem que criar vários pontos de encontro com quem te segue para não depender demais de apenas um tipo de canal", diz Martins. "Estar exposto, você sempre vai estar, o seu conteúdo sempre vai chegar para as pessoas, o problema é sempre mostrar que você está fazendo para todos os seguidores."

Veja também:

E-sports é esporte de verdade? YouTuber responde
Equipe Vivo Keyd dá dicas de "como viver de e-sports"

 

Fonte: Equipe portal

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade