PUBLICIDADE

Atriz Andrea Riseborough pode perder indicação ao Oscar; entenda a polêmica

Ela foi considerada a maior surpresa do Oscar ao obter indicação como Melhor Atriz por "To Leslie"

28 jan 2023 - 19h16
(atualizado em 29/1/2023 às 05h55)
Compartilhar
Exibir comentários
Andrea Riseborough foi considerada a maior surpresa do Oscar ao obter indicação como Melhor Atriz por "To Leslie"
Andrea Riseborough foi considerada a maior surpresa do Oscar ao obter indicação como Melhor Atriz por "To Leslie"
Foto: Divulgação/IMDb / Pipoca Moderna

Após a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas dos EUA informar que estava investigando irregularidades em campanhas de indicações ao Oscar 2023, o nome de Andrea Riseborough foi envolvido num forte burburinho em Hollywood. Ela foi considerada a maior surpresa do Oscar, ao obter indicação como Melhor Atriz por "To Leslie", um drama indie pouco visto e comentado.

A atriz e o longa passaram em branco na maioria das premiações da temporada, não tiveram muita repercussão na mídia nem investiram numa campanha massiva para buscar a indicação. Algo totalmente incomum no Oscar. Entretanto, a Academia teria percebido que os produtores do filme tomaram alguns atalhos irregulares para conseguir sua façanha.

O Oscar tem regras específicas contra lobby e algumas delas teriam sido infligidas pela campanha da atriz, que no filme de Michael Morris vive uma mãe solteira que ganha na loteria, mas começa a torrar dinheiro de forma irresponsável.

Duas infrações podem anular a indicação dela

Casada com o diretor de "To Leslie", Michael Morris, a atriz Mary McCormack mandou um e-mail para amigos da indústria pedindo ajuda na promoção do filme e de Riseborough na campanha pelo Oscar. Na mensagem, ela pedia que as pessoas fizessem posts no Instagram sobre o filme e sugeria até hashtags. Ela foi atendida por várias estrelas de peso, como Sally Field, Liam Neeson, Jane Fonda, Laura Dern, Catherine Keener, Geena Davis e Mira Sorvino, que fizeram publicações sobre o longa nas redes sociais. Além disso, Charlize Theron, Gwyneth Paltrow, Demi Moore, Courteney Cox e Edward Norton se envolveram em sessões especiais para votantes da Academia, convocando eleitores do Oscar.

Este tipo de campanha, com apelo direto e nominal a votantes, é proibida pela Academia, que permite apenas comunicação genérica - que custa cara - com disparos de e-mail pelos próprios servidores da entidade e via anúncios na mídia paga.

O filme também ficou em maus lençóis por causa de um post no Instagram. O perfil oficial do longa compartilhou uma publicação, já deletada, com destaque para uma frase de crítica publicada no jornal Chicago Sun Times. Além de elogiar Riseborough, o trecho citava uma concorrente, o que é vetado pela Academia.

"Por mais que tenha admirado o trabalho de (Cate) Blanchett em 'Tár', minha performance favorita por uma mulher foi entregue por Andrea Riseborough", dizia o texto destacado, escrito pelo respeitado crítico Richard Roeper.

A Academia proíbe campanhas que promovam a competição entre nomes e títulos, como a menção a outros atores e filmes concorrentes em materiais de divulgação.

Agora, a governança da instituição vai se reunir na próxima terça (31/1) para decidir se houve violação nas regras da cerimônia. Caso isso seja constatado, o nome de Riseborough será retirado da lista de indicados, que ficará com apenas quatro artistas (não haverá substituição). A indicação foi a primeira da carreira da atriz britânica, que pelo desempenho em "To Leslie" também foi indicada ao Spirit Awards, o "Oscar" do cinema independente dos EUA.

Diante da ameaça da Academia, vários artistas tem protestado contra as suspeitas e manifestado apoio à atriz, lembrando que produções independentes têm muito mais dificuldade em promover seus talentos, diante das campanhas milionárias dos grandes estúdios, e a única forma de haver um mínimo de equilíbrio são táticas de guerrilha.

Pipoca Moderna Pipoca Moderna
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade